Putin, Messi e outros 500 interesses masculinos: é assim que o Facebook, “o maior banco de dados da cultura humana” pode ser explorado | Tecnologia

Os interesses gerais dos humanos geralmente não são um mistério. Mas ver um ranking global de 500 interesses por gênero com base em dados internos do Facebook, a maior rede social do mundo, causa certa impressão. Uma série de interesses muito teoricamente masculinos incluem Vladimir Putin, Leo Messi, pesca, linguagens de programação ou pôquer, enquanto mais mulheres preferem chocolate, Walt Disney, design de interiores, tatuagens ou vinho. A partir daí, a variedade cresce.

Os dados vêm da análise de mais de 45.000 interesses que o Facebook atribui a seus usuários e os separa por gênero: se em mais de 90% dos países um interesse domina um gênero, os pesquisadores o vinculam a esse gênero. Se, por outro lado, a diferença de gênero varia e em 30% dos países os homens preferem e em outros 30% as mulheres, eles a deixam sem gênero específico. É o caso de interesses como “fitness”, “patrimônio mundial”, “escola de idiomas” ou “doação de sangue”. A maioria dos interesses de gênero são básicos: futebol, carros, tecnologia para homens; família, beleza, comida para mulheres. Mas há coisas curiosas: os homens estão mais interessados ​​em chinês, russo e nova-iorquino, e as mulheres, em espanhol e na Cidade do México.

Este estudo é apenas um pequeno exemplo de uma ferramenta que seus autores preveem que terá mais sucesso. “Através de suas atividades conectados S desligada, os usuários revelam seus interesses, crenças e preferências ao Facebook”, diz Klaus Desmet, professor de economia da Southern Methodist University (SMU) em Dallas e um dos coautores. “Com essas informações, o Facebook criou inadvertidamente o maior banco de dados de cultura humana do mundo”, acrescenta.

Num trabalho conjunto da Universidade Carlos III de Madrid, do Instituto Max Planck de Berlim e da universidade americana SMU, e intitulado Estendendo a medição da cultura com uma amostra de dois bilhões de humanos eles aspiram a oferecer um novo sistema para compreender a cultura humana global. “Queríamos fazer a ferramenta, o martelo. Os pregos serão martelados”, diz Rubén Cuevas, professor de Engenharia da Universidade Carlos III, referindo-se a exemplos específicos, como diferenças de gênero. “O objetivo do artigo não é responder perguntas, mas fornecer uma ferramenta e destacar o fato de que o Facebook ou o Google possuem dados que podem ser usados ​​para isso e ajudar a fazer políticas públicas”, completa.

O método visa contribuir para o que até agora os cientistas sociais faziam basicamente com pesquisas. A mais conhecida tem sido tradicionalmente a World Values ​​Survey, que serviu de controle para os pesquisadores deste trabalho. Um dos testes que fizeram para ver se o método era confiável foi agrupar os países por proximidade cultural em um gráfico. Surgiram coisas razoavelmente curiosas: Espanha como casal com Itália, Portugal com Brasil, México com Peru, Reino Unido mais próximo dos países anglo-saxões do que da Europa e Porto Rico mais próximo da América Latina do que dos EUA. Dentro dos países, as comunidades autônomas espanholas estão muito mais próximas umas das outras de acordo com seus interesses (e as Ilhas Canárias são as mais diferentes) do que com outros países europeus.

É uma das coisas que mais surpreendeu Desmet: “As fronteiras nacionais são muito importantes na formação da cultura”, diz ele. “Isso significa que existe algo como um cultura nacional, um conjunto de interesses que nos une como nação. Há muito poucas exceções a isso. Um exemplo excepcional é a Flandres: está mais próxima do sul da Holanda do que da parte francófona da Bélgica”, acrescenta.

O método usual de levantamento apresenta, segundo os pesquisadores, algumas falhas: “É caro, por isso é feito apenas em nível nacional e não em nível subnacional; concentra-se em aspectos que os cientistas sociais consideram importantes e não permite que as pessoas se expressem, e não é completo porque não pode pedir tudo”, diz Desmet. “O Facebook e outras plataformas são semelhantes aos etnógrafos que observam discretamente as populações humanas por longos períodos de tempo, com a diferença de que pode levar um ano para o etnógrafo observar uma única aldeia, enquanto o Facebook observa milhões de pessoas continuamente”, acrescenta. .

“Esse método busca aumentar as dimensões que podem ser avaliadas na cultura, que inclui gostos musicais, culinários, esportivos, comportamentos, roupas”, acrescenta Ángel Cuevas, professor de engenharia da Universidade Carlos III.

As soluções que esse novo método traz para os problemas das pesquisas parecem claras, mas o artigo foi enviado para revistas acadêmicas mais renomadas e em alguns casos etnógrafos tradicionais rejeitaram esse método: “Eles não viram que essas pesquisas poderiam ser feitas de outra forma . ”, diz Ruben Cuevas.

Desmet acredita que os dados do Facebook permitem “gratuitamente” analisar qualquer grupo humano, não apenas geográfico, mas também geracional, educacional, urbano. Também permite que o usuário defina o que é mais importante. E quase sem limites no número de interesses. No artigo, os pesquisadores escolheram 60.000 interesses para medir a cultura de grupos geográficos, incluindo culinária, política, espiritualidade, família, esportes, carros, poesia, computadores e qualquer domínio humano que você possa imaginar.

Esses interesses devem então ser escolhidos e equilibrados para medir coisas mais concretas. Por exemplo, Ángel Cuevas propõe um hipotético “índice de educação ecológica” ou, em um estudo que eles vêm analisando há algum tempo, quais comunidades imigrantes melhor se adaptam aos seus países de acolhimento. O problema é que, para fazer essas medidas, é necessário escolher variáveis ​​adequadas e controlar possíveis vieses.

Por exemplo, um detalhe sobre gênero que eles observaram é que nos países desenvolvidos as diferenças entre os gêneros são maiores que as geográficas: “Em países desenvolvidos, como a Alemanha, a divisão de gênero tende a ser maior que a divisão regional, enquanto em países em desenvolvimento, como o Quênia, a diferença entre homens e mulheres é menor do que a diferença média entre suas províncias”, explica Desmet.

África do Sul, centro cultural do mundo

Eles também observaram o que seria o hipotético centro cultural do mundo, o lugar que nossa Arca de Noé deveria estar se quiséssemos salvar o maior número possível de culturas: “Se toda a população mundial tem que se reunir em um país e nós escolhemos o país que minimiza a distância cultural que todos teriam que viajar e, usando dados de 225 países, nossa análise revela que esse país seria a África do Sul. Muitas pessoas podem ter pensado que os Estados Unidos ou algum país ocidental seria o centro. Mas a África do Sul é um dos poucos países com uma população africana, europeia e asiática considerável”, diz Desmet.

Uma das questões que paira sobre essa abordagem hipotética é o que o Facebook diz sobre se vai permitir essa atividade com uma ferramenta que realmente é usada para colocar anúncios na rede social. A empresa não respondeu às perguntas deste jornal sobre sua hipotética decisão. Mas Desmet está “convencido” de que eles não causarão problemas, desde que as garantias mínimas sejam atendidas. “Para um cientista social, os dados coletados por essas empresas são uma verdadeira mina de ouro. E é importante esclarecer que só utilizamos a frequência dos diferentes interesses do Facebook ao nível dos grupos populacionais e não necessitamos nem utilizamos dados individuais”, explica.

O Facebook não é o único candidato. Todas as redes sociais perfilam seus usuários para personalizar anúncios. Mas o Facebook hoje tem a vantagem de tamanho e profundidade de observação: “O Facebook observa a atividade online de seus usuários, não apenas em sua própria plataforma, mas também em todos os sites e aplicativos onde está presente. Ele também rastreia muitas das atividades da vida real de seus usuários com GPS. Dessa forma, se você for correr todos os dias ou for ao bar na esquina da rua, o Facebook provavelmente sabe disso”, diz Desmet.

Você pode seguir A TECNOLOGIA DO PAÍS dentro Facebook S Twitter ou cadastre-se aqui para receber nossos boletim semanal.

Elite Boss

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.