Proibido pensar na próxima Copa do Mundo

Sem olhar um único segundo para uma Copa do Mundo que já se aproxima, a menos de dois meses do início do grande desafio de Luis Enrique Martínez, a equipe espanhola enfrenta o desafio de dar o último passo em direção a mais uma competição que ficou no gol box pendente, uma Liga das Nações em que o primeiro desafio é repetir a presença na final four, para o qual deve vencer a Suíça em La Romareda.

A norma mudou quando a ação da polêmica deixou uma ferida aberta para a equipe espanhola. O gol de Kylian Mbappé em uma final que a Espanha venceu em Milão, uma jogada cuja posição foi prejudicada porque Eric García tocou na bola após o craque francês começar em posição de impedimento, causou uma derrota que transformou a Liga das Nações em uma competição para vencer.

Em um passo diferente para a iminente Copa do Mundo, mas com a máxima importância que Luis Enrique transmitiu aos seus jogadores. Proibido desviar a atenção para o que chegará a partir de novembro no Catar. Primeiro, é preciso fechar um grupo para as quartas de final da Liga das Nações que começaram de forma irregular (dois empates contra República Tcheca e Portugal), mas que encontraram a reação necessária justamente na visita à Suíça.

Dá à Espanha uma vantagem de pontos sobre Portugal na luta pelo único lugar que a classificação concede. A opção de depender de si mesmo, para fazer valer a história que apresenta a maioria das vitórias contra a Suíça antes de jogar pela liderança em Braga. A seleção suíça mal conseguiu um empate em oito visitas à Espanha.

Uma vitória única na história de confrontos e que até desencadeia a melhor memória do futebol espanhol, a estreia movimentada na Copa do Mundo de 2010 na África do Sul em que o Vermelho tocou o céu com seu maior sucesso. Mas os números enganam no esporte em várias ocasiões – 75 por cento das vitórias espanholas que venceram 18 dos 24 duelos -, e o grupo liderado por Luis Enrique está fresco do sofrimento recente nas quartas de final do Campeonato Europeu. Somente na disputa de pênaltis final ele conseguiu passar por um adversário rochoso.

É o que espera Luis Enrique em La Romareda, onde a seleção regressa 19 anos depois, e para a qual procura soluções. Especialmente ofensivo, uma vez que as defesas no início da classificação com dois jogos consecutivos sem sofrer sofreram. Faltam peças acima, consertadas como Dani Olmo e Mikel Oyarzabal lesionados, outras que aparecem e desaparecem dependendo de sua atuação como Gerard Moreno, Rodrigo Moreno e o caso que desencadeia a preocupação mais interna, Ansu Fati. Eles ainda o vêem longe da confiança que ele exibia antes de sua praga de ferimentos.

Está no ar a Copa do Mundo para a qual ele estava despontando como uma das referências. Outro vai regressar à seleção para assumir o comando, Pedri González, que tem tido mais lesões fora do que dentro da seleção desde que deslumbrou no Europeu. Juntamente com Gavi, com a permissão de Koke, e Sergio Busquets, eles podem apresentar um meio-campista cem por cento do Barcelona para a equipe espanhola.

E nesta busca contínua pelo gol, tudo aponta para o fato de que apesar da falta de minutos em seus clubes, Luis Enrique prioriza o desempenho que jogadores como Pablo Sarabia e Ferran Torres sempre contribuíram para a seleção, além da presença de Álvaro Morata como 9. Na Romareda, campo especial para o artilheiro do momento, ele também receberá o prêmio tão disputado por Borja Iglesias aos 29 anos e ambiciona estrear outra jovem sensação para somar à longa lista, Nico Williams (20 anos), que sonha em seguir os passos acelerados de Pedri, Ansu ou Gavi.

Sem debate no gol que pertence a Unai Simón, Aymeric Laporte continuará ausente na defesa devido a lesão. Abre a porta à entrada de Eric García porque está mais do que fechada ao regresso de Sergio Ramos, com Pau Torres como sócio. A necessidade de zagueiros de longa distância contra um rival que deve se fechar em seu campo dá a Dani Carvajal e Jordi Alba uma vantagem sobre os zagueiros.

Embora a Suíça, que está em jogo para não ser rebaixada e ressuscitou na última jornada surpreendendo Portugal (1-0), afirme na boca do seu treinador, o turco Murat Yakin, que vai sair para pressionar a Espanha e impedi-lo de implantar seu “jogo atraente. A realidade é que ele tem perfis para explorar uma de suas principais virtudes, o contra-ataque com Xhaka, Shaqiri e Embolo. É isso que Luis Enrique espera.

O certo é que Yakin não vai especular nem pensar no que se apresenta como a ‘final’ da permanência no grupo de elite, o jogo de terça-feira contra a República Checa. A imagem oferecida pela Suíça em necessidade, em junho passado, quando perdeu no segundo tempo da partida contra a Espanha e acabou perdoando Embolo o empate em gol vazio, é a referência a seguir em sua primeira visita a Zaragoza.

Relativamente a essa partida, a Suíça recupera da lesão de Cedric Itten, Fabrian Frei e do avançado do Chelsea Denis Zakaria, e apresenta ainda uma nova ‘pérola’ que aspira a estrear-se no ataque, Dan Ndoye, 21 anos.

. Prováveis ​​escalações:

Espanha: Unai Simon; Carvajal, Eric Garcia, Pau Torres, Jordi Alba; Busquets, Gavi, Pedri; Sarabia, Ferran Torres e Álvaro Morata.

Suíça: Sommer; Widmer, Akanji, Elvedi, Rodriguez; Freuler, Xhaka, Porca; Shaqiri, Seferovic e Embolo.

Árbitro: Clement Turpin (FRA).

Estádio: Romareda.

Horário: 20h45

Miranda Pearson

"Organizador. Introvertido. Fanático certificado pela internet. Beeraholic. Fã de álcool irritantemente humilde."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.