Primeira e única vacina para alérgicos à vespa asiática

a mordida do vespa asiáticacujo nome científico é vespa velutina, está gerando grande preocupação entre os alergistas e a população em geral. Sua rápida expansão no norte da península nos últimos anos, com multidão de avistamentos e ninhosestá exigindo ações com medidas específicas tanto no campo do controle e captura da espécie, como na área da saúde e, claro, na relacionada à pesquisa.

Isto levou a que, graças ao estudo, conhecimento e investigação da espécie, a empresa de imunoterapia, com fábrica própria no Parque Tecnológico de Zamudio, Roxall Medicina Espanhadesenvolveu e comercializou o a unica vacina do mundo para o tratamento de alergia ao veneno da vespa asiática.

Conhecer em primeira mão a espécie, o seu impacto no território, as reações alérgicas que gera e as vantagens da imunoterapia contra o seu veneno foi o motivo que levou o Grupo Noticias a reunir especialistas na matéria da escultura Dra. Gabriela Pretrepesquisador da Roxall; Itxaso Elorduizaparietxe, Técnico Basalan; Dr. Ana Alonso, alergista do Hospital Basurto; e Dr. Alberto MartinezDiretor de P&D da empresa Roxall.

Um favo de mel de vespas asiáticas. Foto: Gabriela Pretre, pesquisadora da Roxall.

Do ponto de vista da doutora em Biologia Molecular, Gabriela Pretre, especialista em Vespa velutina, “é uma vespa que é da ordem dos Hymenoptera, que vive em colônias e que pode ter até 13.000 pessoas“Entre suas peculiaridades, acrescenta que possui um ciclo de vida particular, onde as rainhas após a hibernação começam a formar novos ninhos e é no verão que o ninho e a colônia aumentam de tamanho, atingindo o número máximo de indivíduos. Nos meses posteriores é quando começa a fertilização, que dará origem às rainhas do ano seguinte. Isso é durante o verão e o outono, quando ocorre a maioria das picadas.

“O veneno da vacina é extraído de vespas que chegam vivas ao nosso laboratório.” GABRIELA PETRE, Pesquisadora Roxall

Sobre o ferrão, Pretre ressalta que, diferentemente das abelhas e zangões (que deixam o ferrão preso à pele), eles são capazes de retraí-lo e picar novamente. Para o pesquisador do Roxall, felizmente é um inseto muito fácil de reconhecer: grande, preto no tórax e abdômen, exceto por uma pequena linha amarela, aparência peluda e 6 pernas de cores mais claras, laranja-amarelado. A partir dessa visão e aprofundando o processo de neutralização das vespas asiáticas, o técnico Basalan, Itxaso Elorduizapaterietxe, detalha os dois ninhos que constrói durante seu ciclo de vida.

O primário pode ser do tamanho de uma bola de tênis, enquanto o ninho secundário atinge dimensões que eles variam de uma bola de futebol a um metro de altura. Quanto à cor do ninho, pode variar entre o marrom e o cinza, e uma de suas peculiaridades é que é construído com a própria saliva misturada com madeira britada. No caso dos ninhos primários, a textura é semelhante ao papel machê, e nos secundários, mais semelhante ao papelão.

Em relação ao seu impacto no meio ambiente, Elorduizapaterietxe analisa os problemas que está gerando e enfatiza como está afetando a agricultura. “Tendo em conta que os adultos da Vespa velutina se alimentam de açúcares, na hora de colher os frutos eles estragam”, ressalta.

Outra das preocupações que gera é atribuída ao fato de destruir e deslocar a fauna nativa, como abelhas, uma espécie que não está acostumada a eles e não enfrentá-lo. Além do impacto no mundo da apicultura, Elorduizapaterietxe não ignora os problemas de saúde pública que gera devido às consequências causadas por sua picada.

preocupação do alergista

De acordo com o Comitê de Alergia Hymenoptera da Sociedade Espanhola de Alergologia e Imunologia Clínica (SEAIC), à qual pertence o Dr. Alonso, a taxa de mortalidade anual na Espanha de veneno de himenópteros são aproximadamente 3 ou 4 pessoas por ano.

“As taxas de cura das vacinas de veneno de Hymenoptera chegam a 95%”. ANA ALONSO, Alergista do Hospital Basurto

O alergista de Basurto indica que o tipo de reação pode ser tóxica ou alérgica. No caso de sofrer uma reação alérgica, embora leve, há uma porcentagem significativa de reações anafiláticas graves, potencialmente fatais. Quanto à sua incidência entre a população, o membro da SEAIC aponta que não é maior que a de vespas ou abelhas comuns”,o que acontece é que sendo insetos maiores, eles poderiam injetar mais quantidade de veneno”.

No entanto, manifesta a sua preocupação pois, “apesar de ser mais frequente do que parece, nos serviços de alergia não se traduz num maior número de doentes”, o que na sua opinião é motivado pela Ignorância que existe sobre esta reação alérgica. “A ignorância é tanta que até muita gente não sabe que existe tratamento.”

Sobre a forma de agir antes de uma picada, o alergista insiste que, embora a primeira coisa seja tratar os sintomas, é aconselhável ir a um especialista para estudar o caso e ver a possibilidade de tratamento, solução que vem da mão do Imunoterapia.

Totalmente imerso no que a nova vacina representa, nada melhor do que Alberto Martínez, diretor de P&D da Roxall, com mais de 30 anos de experiência no desenvolvimento e fabricação de vacinasexplicar qual tem sido o papel da empresa.

“A Roxall é especializada em pesquisa, desenvolvimento, fabricação e comercialização de vacinas.”
ALBERTO MARTÍNEZ, Diretor de P&D da Roxall

Detalha como a empresa de imunoterapia que representa, com fábrica no Parque Tecnológico de Zamudio, é especializada em pesquisa, desenvolvimento, fabricação e comercialização vacinas para imunoterapia há várias décadas, o que a levou a ser hoje a primeira empresa no mundo a comercializar o diagnóstico e tratamento da alergia ao veneno da vespa asiática.

Ele acrescenta que a Roxall também é especializada no desenvolvimento de vacinas para o tratamento de alergias, fundamentalmente aquelas causadas por alérgenos como pólens, fungos, ácaros e epitélios animais.

Sobre a história da farmacêutica de capital alemão, Martínez remonta à sua fundação, em 1992, “embora tenha sido em 2017 quando adquiriu a divisão de alergias da empresa portuguesa BIALque por sua vez assumiu o poder de alguns laboratórios de Bilbao, Laboratórios Doutor Aristegui, fundados em 1941 e que em 1984 iniciaram a linha de imunoterapia para o tratamento de alergias”.

Atualmente, o Parque Tecnológico de Zamudio abriga as instalações da Roxall na área de fabricação e pesquisa de alérgenos.

Expansão na Europa

A mesa de discussão dá lugar a tudo relacionado à rápida expansão desta espécie, fato que é curioso depois de saber como chegou à Europa em 2004, especificamente para o porto de Bordéus, num cargueiro da China. O pesquisador da Roxall dá detalhes sobre sua presença em vasos destinados à jardinagem para um produtor francês de bonsai, que importava regularmente esses vasos de áreas próximas a Xangai.

De acordo com as análises genéticas realizadas, foram apenas algumas vespas ou apenas uma rainha fecundada por vários machos que chegaram a Bordeaux e rapidamente começaram a se espalhar pelo sudoeste francês, chegando à Espanha em 2010.

Nesse mesmo ano surgiram os primeiros exemplares em Euskadi para depois se espalharem pela Cordilheira Cantábrica, Portugal e Catalunha. sua propagação continuou em torno de 60/70 quilômetros por ano até se espalhar pela Itália, Reino Unido, Suíça e Holanda.

Para o doutor em Biologia Molecular, foram três os fatores que provocaram a rápida expansão: a coincidência climatológica com sua área de origem; ter uma grande fonte de alimento (a abelha); e, a inexistência de um predador direto capaz de enfrentá-lo. Embora estes argumentos possam sugerir uma expansão ainda maior no futuro, Pretre salienta que “há registos que indicam que a expansão não ultrapassa as áreas atlânticas”.

“O número de ninhos neutralizados em Bizkaia é de cerca de 2.000 ou 4.000 por ano.”
ITXASO ELORDUIZAPATERIETXE, Técnico Basalan

Limitando estas avaliações ao território da Biscaia, área de atuação de Basalan, Elorduizapaterietxe indica que há cinco anos, o número de ninhos neutralizados diminuiu ligeiramente, e atribui isso à sua grande capacidade de adaptação, “uma vez que os ninhos estão cada vez mais escondidos e em lugares remotos, o que torna difícil encontrá-los”.

No entanto, ele destaca que o número de ninhos neutralizados é entre 2.000 e 4.000 por ano em Bizkaia, sendo os picos mais altos registrados entre julho e outubro.

Quanto à forma de atuação da Basalan para neutralizar os ninhos, trabalha em articulação com as câmaras municipais e bombeiros, e através de uma aplicação recolhe dados básicos sobre as suas características e localização para saber antecipadamente qual a situação que os ninhos vão encontrar. operadores.

Ele recomenda acima de tudo manter a calma ao descobrir um ninho de vespas asiáticas. “As vespas não vão atacar-te se não se sentirem ameaçadas, pelo que nestes casos não deves tocar nos ninhos e avisar imediatamente a Câmara Municipal ou a polícia local para que sejam eles os encarregados de recolher a informação pertinente e tornando-o disponível para nós.” chegar até nós para ativar o protocolo de neutralização do ninho”, argumenta Elorduizapaterietxe.

ENCERRAMENTO DA REUNIÃO

IGOTZ LÓPEZ (Prefeito de Zamudio)

    Destaca o peso da pesquisa e ciência da empresa Roxall em um ambiente propício para isso, como o Parque Tecnológico de Zamudio.

Calvin Clayton

"Encrenqueiro incurável. Explorador. Estudante. Especialista profissional em álcool. Geek da Internet."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.