Presidente da Câmara de Lisboa: Carlos Moedas: “O populismo está a matar a democracia” | Internacional

Carlos Moedas foi o único que acreditou —e às vezes duvidou— em Carlos Moedas. O prefeito seguinte de Lisboa foi a surpresa das eleições municipais portuguesas, realizadas há uma semana, ao conquistar uma cidade que estava nas mãos dos socialistas há 14 anos e finalmente dar alegria ao maltratado Partido Social Democrata (PSD, centro- certo) . À frente da Novos Tempos, coalizão de cinco formações e cercada de independentes que nunca haviam participado da política, Moedas (Beja, 51 anos) venceu todos. Nenhuma pesquisa lhe deu a menor chance de vitória durante a campanha. Nem uma única rede de televisão compareceu ao seu último comício. “Eles julgaram que eu não valia a pena, acho que me subestimaram. Acredito que as pessoas querem pessoas diferentes na política e estou nessa mudança, não estou pensando em dar um golpe baixo no adversário, mas em ideias e conteúdo. Comentaristas e pesquisas ainda valorizam os políticos pelo antigo histórico de fazer política”, explica Moedas em entrevista ao EL PAÍS no Jardim das Amoreiras, quatro dias depois da noite eleitoral, quando teve que improvisar um discurso para comemorar sua vitória.

O que aconteceu com Moedas é o tipo de surpresas que personagens populistas que ele detesta nos últimos anos. “Acho que é a primeira vez que ele é aprovado com um candidato moderado. Minha primeira condição foi não fazer alianças com populistas porque não gosto deles e acho que o populismo está matando a democracia. Os extremos não me interessam, sejam à esquerda ou à direita”, afirma.

A próxima Câmara Municipal de Lisboa ainda não terá representantes do Chega, partido de extrema-direita, e será dominada por formações de esquerda. Socialistas, comunistas e Bloco de Esquerdas somam 10 vereadores contra 7 de Novos Tempos. Ao contrário do que pode acontecer nas eleições gerais em Portugal, nas eleições autárquicas a lei exige que o candidato com mais votos seja nomeado autarca. A lista de Moedas obteve 2.294 votos a mais que a de Fernando Medina, prefeito socialista desde 2015, quando substituiu o atual primeiro-ministro, António Costa. Ter que governar em minoria não parece intimidá-lo. “Já falei com todos ao telefone, os sinais que recebo da oposição é que estamos aqui para fazer o melhor para a cidade e muitas das minhas medidas não são ideológicas e podem ser apoiadas”, aponta antes de recordar o seu espírito negocial em Bruxelas. . “Gerenciei o programa de Ciências com o apoio da esquerda, tenho a capacidade de construir pontes de uma forma que sempre funcionou bem para mim.”

Carlos Moedas foi Comissário para a Investigação, Ciência e Inovação entre 2014 e 2019, durante a presidência de Jean-Claude Juncker na Comissão Europeia. Um de seus conselheiros na época foi a economista italiana Mariana Mazzucato, fundadora do Institute for Innovation and the Public Objective da University College London, com quem idealizou a criação de missões (objetivos específicos como a eliminação de plásticos dos oceanos) para promover inovação na Europa. Bruxelas acabou por arredondar um personagem propenso à negociação e ajudou a suavizar a imagem negativa que carregava por ter coordenado, durante o governo do conservador Pedro Passos Coelho, a aplicação das medidas da troika que tanto repúdio em Portugal.

Quando a Grande Recessão desfez as economias europeias, Moedas estava ligado ao setor privado. Trabalhou na Goldman Sachs em Londres e no setor de financiamento imobiliário em Portugal. Ele tinha um MBA pela Universidade de Harvard e formação como economista e engenheiro civil. Passos Coelho pediu-lhe em 2011 que criasse uma equipa que servisse de ponte entre o Governo e a ‘troika’. Um presente bem envenenado. Em algumas ocasiões o insultaram na rua quando ele estava passeando com o filho – ele é casado desde 2000 com a professora de francês de origem sefardita, Céline Abecassis, e eles têm três filhos – e isso o decidiu manter a família afastada. dos holofotes políticos na campanha recente. “Ele lutou para diminuir as exigências do troikamas as pessoas não podiam saber disso”, lembra uma fonte que o acompanhou na época.

“É um pouco injusto olhar para trás e dizer que outro governo teria feito diferente porque teria feito o mesmo, não havia alternativa, não tínhamos dinheiro para pagar funcionários ou professores. Sabíamos que seríamos impopulares, mas não havia escolha, entramos no programa do troika e saímos e isso nos deu a oportunidade de crescer, que foi o que aconteceu com a chegada de outro governo”, reflete agora Carlos Moedas.

Junte-se ao EL PAÍS para acompanhar todas as novidades e ler sem limites.

se inscrever

O economista e colunista do jornal português Público, Maria João Marques, suspeita que esta fase possa ser usada contra ele pelos seus críticos, mas vê-o longe dos falcões do PSD: “As suas mensagens não têm muito a ver com as de Passos Coelho. Moedas propõe uma série de políticas e medidas sociais na cultura, que o diferenciam do setor mais economicista e neoliberal do PSD”. Entre essas propostas estão o transporte gratuito para menores de 23 e maiores de 65 anos e a construção de espaços culturais em todos os bairros. Mais em linha com a ortodoxia do PSD são outras propostas como a redução de impostos. Também não vai proibir a conversão de casas em apartamentos turísticos em toda a cidade, como pretendia Medina, porque acredita que deixou de ser um problema após a redução da oferta turística que a pandemia obrigou e vai auditar a rede de pistas. bicicletas para lhe dar mais segurança.

Antes de regressar à política para lutar pela Câmara Municipal de Lisboa, Carlos Moedas passou um ano como administrador da Fundação Calouste Gulbenkian, prestigiada instituição portuguesa criada em 1956 para apoiar a arte, a educação e a ciência. O PSD procurou-o e ele pensou que era a sua última oportunidade de defender uma forma alternativa de estar na política. Apoiado por seu espírito conciliador e tecnocrático, conseguiu atrair numerosos independentes para sua coalizão como Laura Alves, jornalista e professor da Universidade Nova de Lisboa com longa trajetória em movimentos sociais a favor da inclusão da pessoa com deficiência ou cuidados paliativos. “Tenho certeza de que ela fará o possível para ouvir, entender e tentar mudar a vida das pessoas. Ele é um humanista e um homem de consenso”, destaca Alves.

No dia seguinte às eleições, Moedas foi comer com funcionários do serviço de limpeza municipal e elogiou a boa disposição do socialista Fernando Medina pela transferência de poderes. Quer fazer de Lisboa uma cidade mais cosmopolita. Fala quatro línguas – aprendeu espanhol na televisão e em visitas a Rosal de la Frontera (Huelva) – e viveu em cinco países. É filho de um histórico jornalista comunista do Alentejo português, já falecido, mas este antagonismo ideológico não era uma vontade de rebelar-se contra o pai: “Éramos muito amigos e aprendi muito com ele, mas também sobre a ideologia comunista onde a pessoa é apenas uma ferramenta. e não pode pensar por si mesma porque é o partido que decide”.

Acompanhe todas as informações internacionais em Facebook S Twitterou em nosso boletim semanal.

Elite Boss

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.