Portugal proibiu limpeza das calçadas por causa da seca e vai aumentar preço da água

Vista aérea de uma aldeia anteriormente submersa revelada por baixos níveis de água na albufeira do Cabril em Pedrógão Grande, Portugal (REUTERS/Miguel Pereira/Foto de ficheiro)

Enfrentando uma seca sem precedentes, o governo de Portugal recomendou a 43 dos seus municípios aumentar temporariamente os preços da água para seus maiores consumidores e suspender a limpeza das ruas, bem como a irrigação de parques e jardins públicos. Em todo Portugal está a sofrer esta forte seca que pode ser considerada extrema face às ondas de calor que têm sofrido nos últimos meses na Europa, refere o instituto nacional de meteorologia IPMA.

O ministro do Ambiente, Duarte Cordeiro, comentou na noite de quarta-feira que, das 61 barragens em Portugal continental, 10 se encontram em situação crítica, com o volume de água armazenado abaixo de 20% de sua capacidade. Barragens quase secas abastecem 40 municípios do norte e centro do país e três estão no Algarve, dependentes do turismo.

As reservas hídricas da barragem de Pedrógão (REUTERS / Rodrigo Antunes / Arquivo)
As reservas hídricas da barragem de Pedrógão (REUTERS / Rodrigo Antunes / Arquivo)

Embora o país como um todo tenha água armazenada em seus reservatórios suficiente para sobreviver por dois anos de consumo, as 10 barragens que estão em situação crítica não têm água suficiente para sobreviver por pelo menos um ano.disse Cordeiro. Portugal tem um total de 278 municípios e são responsáveis ​​pelo abastecimento de água à população.

Nos 43 municípios mais afetados, Cordeiro disse que o governo recomendou que para o período de maior estiagem, o preço é aumentado para famílias e empresas que consomem mais de 15 metros cúbicos de água por mês. A família média do país consome 10 metros cúbicos por mês.

Esses municípios também deveriam ser responsáveis ​​por “suspender temporariamente os usos não essenciais da água, nomeadamente para lavagem de ruas e rega de espaços verdes, e em fontes decorativas e piscinas”, disse ele, acrescentando que o governo ajudará a garantir a rápida implementação dessas medidas. “Sempre existe a possibilidade legal de que o governo adote medidas com mais força do que recomendações, embora não seja necessário por enquanto”disse, e disse que os municípios estão prontos para agir.

Em fevereiro, o governo ordenou seis barragens para interromper a produção de eletricidade e, a partir de agosto, Portugal cortou a irrigação de campos de golfe e parques públicos e jardins no Algarve para evitar o racionamento de água para uso humano.

CONTINUE LENDO

Quais animais podem suportar melhor as mudanças climáticas, de acordo com a ciência
Groenlândia tenta conter turismo diante da ameaça das mudanças climáticas

Darcy Franklin

"Amante da TV. Ninja da música. Fanático por viagens amador. Fã de bacon. Evangelista de comida amigável. Organizador freelance. Fanático certificado pelo twitter."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *