Portugal levanta estado de alerta após redução do risco de incêndios

Lisboa, 21 jul. Portugal levantou o estado de alerta face ao risco de incêndios após a melhoria das previsões de humidade, temperatura e vento para os próximos dias no país.

O ministro da Administração Interna português, José Luís Carneiro, anunciou esta quinta-feira em conferência de imprensa que “a partir de agora as restrições passarão a ser regionais” e de acordo com a classificação de perigo de incêndio rural.

Ainda assim, garantiu que o dispositivo de segurança e combate a incêndios continua “preparado” e pediu à população que “tenha cuidado” com o seu comportamento em meio rural.

Portugal, que atingiu picos de 47 graus nos últimos dias, enfrenta uma queda média das temperaturas entre 5 e 10 graus, além de um aumento da humidade entre 10 e 20%, segundo o ministro.

A Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil portuguesa lembrou hoje em comunicado que o perigo de incêndio rural é “muito elevado a máximo em grande parte do território”.

Esta semana, o ministro tinha especificado que cerca de 60% dos incêndios declarados no país este ano foram causados ​​pelo uso indevido de fogo, 4% pelo uso de máquinas e cerca de 13% foram provocados.

A polícia portuguesa prendeu mais de 50 pessoas por suposta relação com os incêndios, quase o dobro do que em 2021.

Os incêndios que atingiram Portugal nas últimas semanas deixaram três vítimas mortais: um piloto que trabalhou na extinção e um casal de idosos que sofreu um acidente com o seu automóvel quando saíam da sua aldeia para fugir das chamas.

Portugal estava em estado de contingência – um grau a mais do que alerta – na semana passada, quando eclodiram os incêndios mais graves com temperaturas recordes que chegaram a 47 graus.

O país soma cerca de 1.200 incêndios desde o início de julho que devastaram cerca de 45.000 hectares.

Darcy Franklin

"Amante da TV. Ninja da música. Fanático por viagens amador. Fã de bacon. Evangelista de comida amigável. Organizador freelance. Fanático certificado pelo twitter."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.