Portugal interrompe seu plano de desescalada devido a surtos com a variante delta

Portugal decidiu hoje interromper o seu plano de desescalada e não avançar para a próxima fase, prevista para a próxima segunda-feira, num momento “crítico” da pandemia que atinge especialmente Lisboa, onde as restrições vão ser reforçadas.

“Este é um momento crítico na evolução da pandemia no nosso país”, disse a ministra da Presidência, Mariana Vieira da Silva, em conferência de imprensa após o conselho de ministros, em que anunciou que Portugal não vai avançar para o última fase do seu plano de desconfinamento, prevista para segunda-feira.

Esta última fase, que ia durar até agosto, ia permitir que os transportes públicos funcionassem em plena capacidade e que o público entrasse nos recintos desportivos.

As infeções continuam a crescer em Portugal, que esta quinta-feira registou 1.556 infeções, um novo máximo desde fevereiro, e duas mortes.

A incidência ronda os 130 casos por 100.000 habitantes e a taxa de transmissão do Rt é de 1,18, o que coloca Portugal na “zona vermelha”, segundo a escala do Executivo português.

Lisboa como epicentro da variante delta

A situação é especialmente complicada na região de Lisboa, que responde por dois terços das infeções detetadas no país e onde a variante delta representa mais de 60% dos novos casos.

As medidas vão ser reforçadas no concelho de Lisboa, onde os restaurantes e lojas só poderão ficar abertos até às 15h30 aos fins-de-semana, com exceção dos supermercados, que podem funcionar até às 19h. obrigatoriedade.

Alguns lisboetas já se preparam para um verão com mais restrições. “Eles vão ter que ser mais duros porque uma quarta onda está chegando”, disse Luísa à EFE, com resignação, em um refeitório. Este fim-de-semana também será mantido o encerramento do perímetro da área metropolitana de Lisboa, embora a circulação seja permitida mediante apresentação de certificado digital ou teste negativo. A Câmara Municipal lançou uma campanha de testes gratuitos nas farmácias e as filas nas portas destes estabelecimentos são cada vez mais frequentes.

Com o anúncio de que um teste negativo serve para fugir ao encerramento do perímetro, “provavelmente” vai aumentar o número de lisboetas que vêm nos próximos dias, apontam para uma farmácia da capital, onde esta quinta-feira já fizeram cem .

Vacinas

Enquanto os testes aumentam, a vacinação continua. O ministro da Presidência salientou que Portugal vive uma corrida contra o tempo entre o avanço da pandemia e a vacinação.

Notícias relacionadas

Ele lembrou que estudos sugerem que a eficácia das vacinas contra a variante delta é boa quando o esquema é completo, mas não tanto com apenas uma dose, e explicou que ainda há mais de 700 mil pessoas com mais de 60 anos sem a segunda.

“É necessário manter a pandemia sob controle para ter tempo de vacinar progressivamente as pessoas, principalmente as mais vulneráveis”, disse, calculando que em duas ou três semanas a diretriz para a maioria dos maiores de 60 anos pode ser concluída. Portugal tem cerca de 47% da população com a primeira dose e 30% com o regime completo.

Elite Boss

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.