Portugal como modelo: o que é o “ajuste socialista”

Politicamente e economicamente, Portugal está na moda. Principalmente entre os peronistas que soam melhor no fórum de candidatos a liderar uma nova etapa no país. O modelo português, de cariz socialista com articulação política interpartidária e economia desalinhada, é muito popular e dado como exemplo pelo arco da oposição como o plano a seguir. O mais atraente: ignorar as receitas do FMI. Embora, claro: o ajuste ainda esteja em vigor.

Foi o ex-ministro da Economia e atual deputado Axel Kicillofquem Afirmou após o encontro que teve com os representantes do FMI, Roberto Cardarelli e Trevor Alleyne, que “Portugal é um exemplo de saída com crescimento”.

Para a parte dele, o ex-presidente Cristina Fernández Falou em renegociar com o FMI “à maneira portuguesa”. E na mesma linha, outros líderes do kirchnerismo consideram Portugal como o caso paradigmático de saída da crise internacional de 2008. O deputado e pré-candidato a presidente da Unidade Cidadã, Agustín Rossi, também mencionou o caso como um exemplo a seguir, e há muitas outras vozes da oposição que o celebram em coro.

O “milagre português” rompeu com as políticas de austeridade que vigoravam na Europa após a crise de 2008, e obteve excelentes resultados económicos.

(Leia também: Macri faz campanha com o FMI e nega responsabilidade na crise)

Modelo. Como aponta o sociólogo português Boaventura de Sousa Santos“O conhecimento ocidental impôs em todo o mundo um programa baseado na impossibilidade de pensar outro mundo que não o capitalista.”

Para a oposição local, o modelo de país ibérico é apresentado como o avesso do “capitalismo financeiro e do ajustamento” o que o presidente propõe Maurício Macri. Portugal surge como um modelo de capitalismo bem-educado e redistributivo, com políticas socialistas.

(Leia também: O sucesso efémero do modelo português)

Charles Heller, Presidente do Partido Solidariedade, é o grande defensor na equipa económica da Unidad Ciudadana do “caso Portugal”: “é importante não perder de vista que existem alternativas às políticas que estão sendo aplicadas na Argentina e que apresentam melhores resultados em termos de bem-estar geral. Heller refere-se ao caminho que ele tomou António Costa, Primeiro Ministro de Portugal, acaba de tomar posse em 2015: deixou de lado as medidas de austeridade propostas por seus credores e apostou em um plano que levou a economia ao período de maior crescimento da última década. Especificamente, ele reverteu cortes em salários, pensões e previdência social e introduziu incentivos para estimular o setor privado, incluindo subsídios de desenvolvimento, créditos fiscais e financiamento para PMEs.

O governo Costa conseguiu apoio nas urnas justamente graças às promessas de acabar com o ajuste e com a crise herdada dos governos conservadores anteriores. Mas essa herança conservadora também preparou o terreno para ser a solução “progressista” que poderia reverter os danos causados ​​pelas políticas neoliberais.

(Leia também: Ajuste 2019: chega a tudo, menos dívida e promoção de exportações)

Costa conta com o apoio parlamentar da esquerda radical em seu governo e assim obtém a maioriamas não tocou na reforma trabalhista implementada durante o período da Troika (FMI, Comissão Europeia e Banco Central Europeu) que facilitou demissões e precariedade, e que hoje promove protestos e greves de trabalhadores da saúde e da educação.

Milagre. Jorge Argüello, ex-embaixador da Argentina em Portugal, explica em que consiste o “milagre português”, possível graças ao forte consenso político das forças progressistas que apoiam o governo do primeiro-ministro António Costauma saída para a crise global de 2008 sem cumprir a receita de “austeridade que a Troika ditou ao anterior governo conservador de Lisboa”. Para isso, foram feitos esforços fiscais e financeiros, mas “sem cercear direitos trabalhistas ou sociais, como aconteceu na Grécia e em outros países”, aponta Argüello.

Os dados de crescimento para Portugal são modestos, PIB cresceu 2,1% em 2018, mas acima do aumento médio de 1,9% do PIB da Zona Euro: potências como França e Alemanha registraram 1,5%. O destaque do modelo português é o cancelamento dos últimos 4,7 bilhões de euros do resgate do FMI. Isto confirma, de facto, a decisão política de Lisboa de manter as suas próprias margens soberanas de autonomia económica, ainda que faça parte da Zona Euro, uma adesão que tem beneficiado o país a longo prazo.

Argüello explica o que esta política de cancelamento ensina: “no detalhe do cancelamento fica uma lição sobre o custo extra de recorrer ao FMI. Os anteriores reembolsos antecipados feitos pelo governo Costa nos últimos três anos permitiram a Portugal uma poupança total de 1.160 milhões de euros. O FMI cobrou do país uma taxa de juros de 4,3%, muito superior ao que os mercados financeiros globais oferecem hoje”.

(Leia também: Europa endurece com Argentina no FMI e OCDE)

No caso português, o poder político impôs limites às demandas do FMI, mas ao mesmo tempo reduziu a dívida pública que havia chegado a 130% em 2013e cancelou no final do ano passado o resgate financeiro solicitado ao Fundo em 2011.

Para o ex-embaixador não há modelo a seguir porque a Argentina é outro contexto histórico e regional. E no caso de Portugal, a adesão à UE é decisiva. “Não há dúvida de que o exemplo português de consenso político procura um equilíbrio entre as atuais necessidades financeiras e a devida proteção dos direitos económicos e sociais”, conclui Argüello.

por Soledade Beato

Galeria de imagens

Calvin Clayton

"Encrenqueiro incurável. Explorador. Estudante. Especialista profissional em álcool. Geek da Internet."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *