Portugal caminha para eleições que preveem ascensão da extrema direita | Internacional

O líder do Vox, Santiago Abascal, e o presidente do partido de extrema-direita Chega, André Ventura, este domingo em Lisboa.ANTONIO COTRIM (LUSA/EFE)

Portugal saberá dentro de 20 dias quem vai ganhar as eleições legislativas, mas não está tão claro que a noite de 30 de janeiro vai descobrir quem vai governar o país. As previsões demográficas mais repetidas são a vitória sem maioria absoluta do Partido Socialista e o avanço da extrema direita, liderada por André Ventura, advogado e comentarista esportivo que atuou no moderado Partido Social Democrata (PSD) e que agora defende com o mesmo ardor a redução de impostos que a castração química de pedófilos e estupradores. Ventura, que recebeu este domingo o apoio explícito do líder do Vox, Santiago Abascal, em Lisboa, tem entre 5% e 6,3% de intenção de voto, o que poderá fazer do Chega a terceira força à frente do Bloco de Esquerda (BE) e o Partido Comunista Português (PCP). Nesta legislatura teve a única sede de seu líder.

As sondagens apontam ainda para um Parlamento tão fragmentado como o dissolvido pelo Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, após verificar a solidão do Partido Socialista (PS) para realizar os orçamentos de 2022. Em novembro, os ex-sócios do geringonça [alianza parlamentaria de izquierdas], Bloco de Esquerda e o Partido Comunista Português frustraram a tramitação parlamentar do projeto do governo socialista votando contra. Rebelo de Sousa decidiu então que preferia cortar a legislatura ao meio a perpetuar o clima de instabilidade que pairava sobre a Câmara eleita em 2019, onde estiveram presentes dez partidos. O levantamento da Universidade Católica para o jornal Público e a cadeia RTP, transmitida na sexta-feira 7, dá 38% de intenção de voto ao PS, longe da maioria “reforçada” pedida pelo primeiro-ministro e candidato socialista, António Costa. Pedir abertamente a maioria absoluta é um tabu no PS, embora Catarina Martins, a candidata e líder do Bloco, repreenda-os por ter sido por isso que permitiram a crise política que levou à antecipação das eleições.

A incógnita é, então, quem serão os sócios do partido mais votado. Embora Costa apareça como a opção preferida como primeiro-ministro dos portugueses, nos últimos meses melhorou o apoio ao conservador PSD (32% na intenção de voto na sondagem de Público), que é liderado pelo economista e ex-prefeito de Porto Rui Rio. Apesar de convalescer de primárias rasgadas, onde tanto o aparato quanto as velhas glórias fizeram campanha contra ele, Rio está cortando a distância que o separa de Costa com seu tom institucional e sua defesa de um pacto entre os dois grandes partidos, PS e PSD, para permitir que os mais votados governem. O Rio não quer recorrer ao apoio do Chega para chegar ao palácio de São Bento, mas não parece que o PS vá facilitar a sua investidura se a centro-direita vencer as eleições com maioria insuficiente, cenário difícil mas não impossível, como se viu em Lisboa nas eleições municipais, com a inesperada vitória de Carlos Moedas, do PSD.

André Ventura colocou um preço no seu apoio eleitoral ao PSD: entrar no Governo para “fazer transformações”. “Não posso fazer coligação com um partido instável”, respondeu Rio no debate televisivo que teve com o líder do Chega, aludindo à experiência do governo regional dos Açores, onde os ultras permitiram que o PSD chegasse ao poder, mas ameaçou com derrubando-o na votação dos primeiros orçamentos. A ascensão da extrema direita é um dos eixos da campanha de António Costa, que não perde a oportunidade de relembrar os seus riscos, como a sua proposta de reintrodução da pena de prisão perpétua em Portugal, que foi o primeiro país do mundo a aboli-la em 1884.

Apesar de ser a quarta eleição realizada pelos portugueses numa pandemia, há uma grande incerteza quanto à gestão do direito de voto dos reclusos, que representarão uma percentagem muito importante. Cerca de 436 mil portugueses estão em isolamento profilático nestes dias, segundo a Direção-Geral da Saúde. O Governo, que tem recebido críticas da oposição por não antecipar este cenário que poderá aumentar a abstenção, solicitou um relatório jurídico para ver como conciliar o direito de voto e a segurança sanitária.

E embora as infecções não diminuam, o Governo embarcou no caminho do relaxamento. Esta segunda-feira os alunos portugueses regressam às salas de aula. Seus pais deixarão de trabalhar em regime de teletrabalho obrigatório na sexta-feira, 14. E no próximo fim de semana os turistas poderão voltar a tomar clubes e bares, através de um teste negativo. Para comer em um restaurante ou ir ao teatro, o certificado de vacinação será suficiente e os contatos positivos de trabalho não terão que ser confinados como antes. Na sexta-feira, 14, o país se despede do “período de contenção”, que impôs algumas restrições no Natal, sem conseguir frear a expansão do omicron. No seu discurso de passagem de ano, o Presidente Rebelo de Sousa reconheceu o cansaço do coronavírus e apelou à resistência: “A pandemia obriga-nos a testar, vacinar, resistir e aprender a conviver com ela… Temos de consolidar o caminho para ultrapassar a pandemia. Estamos no caminho certo, mas o fim das pontas ainda está por vir”.

Junte-se ao EL PAÍS para acompanhar todas as novidades e ler sem limites.

se inscrever

30 debates televisionados em duas semanas

Será que um cara a cara televisionado entre Pedro Sánchez e Santiago Abascal será visto? Ou entre Pablo Casado e Gabriel Rufián? Mesmo entre Inés Arrimadas e Aitor Esteban? Tendo em conta o custo da organização dos debates eleitorais em Espanha e a rigidez dos seus formatos, parece difícil replicar o modelo em Portugal, onde foram organizados 30 duelos eleitorais entre 2 e 15 de janeiro em que dois candidatos se enfrentam em vagas curtas de 25 minutos. A esta maratona, que é transmitida por seis redes de televisão, acrescentem-se outros dois debates multipartidários na rede pública RTP, um com forças com representação parlamentar e outro que inclui formações que não estão na Assembleia da República.

Alguns colunistas criticam que o formato de 25 minutos serve mais para dar um espetáculo midiático do que para esclarecer propostas políticas, mas as reuniões são lúdicas, às vezes brilhantes, às vezes constrangedoras, e revelam mais do que alguns assessores políticos gostariam. É a forma que os portugueses encontraram para dar campo às minorias. Sem contar a expectativa gerada pelo duelo entre os candidatos presidenciais António Costa e Rui Rio, que se realiza esta quinta-feira e terá a duração de 75 minutos, os debates mais mórbidos têm sido os face a face entre André Ventura e diferentes adversários. Enquanto a líder do Bloco de Esquerda, Catarina Martins, não se intimidou com os ataques de Ventura e recorreu em várias ocasiões ao Papa Francisco para tornar feias as suas propostas, o primeiro-ministro, António Costa, partiu para a ofensiva desde o primeiro minuto para evitar que Ventura poderia encurralá-lo como aconteceu com Rui Rio, que passou todo o debate na defensiva e enredado nas propostas do Chega como a implementação da prisão perpétua para crimes graves. O debate com maior audiência, até à passada sexta-feira, dia 7, foi o entre Rui Rio e Catarina Martins, com um Comparar de 26,1% e 1,4 milhão de espectadores.

Acompanhe todas as informações internacionais em Facebook S Twitterou em nosso boletim semanal.

Elite Boss

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.