Portugal: após a cimeira a Rússia não poderá exportar guerras para países da NATO | Mundo

A cimeira de Madrid vai deixar claro que “há uma coisa que a Rússia nunca poderá fazer, que é exportar as suas guerras para os países membros da NATO”, diz o ministro dos Negócios Estrangeiros português, João Gomes Cravinho, em entrevista ao Efe em Lisboa.

A reunião da próxima semana na capital espanhola “é muito importante para a Aliança, neste contexto muito especial e muito difícil e complexo do sistema internacional, demonstrar uma unidade, determinação e capacidade muito fortes”, acrescenta o ministro português.

De Madrid “sairá um novo conceito estratégico” que substituirá o actual, acordado precisamente em Lisboa em 2010 e que “está desactualizado” porque “o mundo mudou tanto”, sobretudo depois da guerra que a Rússia desencadeou contra Ucrânia em 24 de fevereiro.

No modelo de uma década atrás “a Rússia é identificada como parceira da OTAN, a China não é mencionada”, lembra Gomes Cravinho.

A nova estratégia da Organização do Tratado do Atlântico Norte será “a demonstração muito clara da determinação da OTAN, da consciência da Aliança, sobre a segurança de cada um dos nossos membros”.

O NOVO PAPEL DA CHINA

O novo modelo estabelece um “equilíbrio” entre as dinâmicas regional e internacional, acrescenta o ministro dos Negócios Estrangeiros na entrevista à Efe, realizada na sede do seu ministério às vésperas da cimeira de Madrid e da Conferência dos Oceanos que Lisboa vai acolher a partir de segunda-feira, 27 .

Gomes Cravinho refere-se em particular ao papel da China, que “não é a nova União Soviética”, acrescenta.

“É uma potência emergente complexa, mas também um parceiro indispensável na luta contra as mudanças climáticas e outras questões de governança global”, afirma.

“Isso significa que devemos saber trabalhar com a China em questões fundamentais para a governança internacional e, ao mesmo tempo, ser muito firmes em relação aos princípios básicos da ordem internacional que são essenciais para a paz no mundo e em nossa região”, acrescentou. ele insiste.

“O novo conceito estratégico que vai ser um marco na história da OTAN, creio, consegue encontrar esse equilíbrio”, confidencia o ministro, diplomata de 58 anos que antes dos Negócios Estrangeiros ocupou a pasta da Defesa junto do socialista António Costa.

CAMINHO PARA A PAZ?

“A cúpula de Madri vai restaurar a paz na Ucrânia? Infelizmente não, porque depende sobretudo de um país que não está na reunião, que é a Rússia”, admite Gomes Cravinho.

No entanto, “algo ficará muito claro na cúpula de Madri e é que há uma coisa que a Rússia nunca poderá fazer, que é exportar suas guerras para os países membros da OTAN”, afirma o ministro, que acompanhará Costa na a aliança.

A cúpula de Madri reunirá 44 delegações entre 29 e 30 de junho, 41 delas chefiadas por Chefes de Estado ou de Governo.

Ao todo, 30 estados da OTAN estarão representados junto com países associados como Bósnia, Jordânia, Mauritânia, Japão, Austrália, Coreia do Sul e também Ucrânia.

marinha do mar

Darcy Franklin

"Amante da TV. Ninja da música. Fanático por viagens amador. Fã de bacon. Evangelista de comida amigável. Organizador freelance. Fanático certificado pelo twitter."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.