Portugal acusa formalmente um cidadão alemão pela morte de Madeleine McCann poucos dias após a prescrição do crime | Sociedade

Imagem de Madeleine McCann, desaparecida em 2007 em Portugal.POLÍCIA PENAL FEDERAL ALEMÃ H (EFE)

O cidadão alemão Christian Brückner, principal suspeito do desaparecimento e rapto da menina britânica Madeleine McCann em 2007 no Algarve (Portugal), foi formalmente declarado suspeito pelo Ministério Público português. A decisão ocorre poucos dias antes do 15º aniversário dos fatos, em 3 de maio, o que leva a pensar que está relacionada à prescrição desse tipo de crime. Em Portugal, ao contrário da Alemanha, crimes puníveis com mais de 10 anos de prisão, como homicídio, prescrevem em 15 anos. Brückner cumpre pena numa prisão em Oldenburg, norte da Alemanha, pela violação de uma americana de 72 anos na mesma zona de Portugal onde a menina desapareceu.

As autoridades portuguesas informaram na quinta-feira à noite que declararam arguidouma situação processual semelhante à do investigado ou acusado em Espanha, a um suspeito do desaparecimento de Madeleine McCann. na declaração Eles não o nomeiam, mas ele é Brückner, que já foi apontado em 2020 pela polícia alemã e pelo Ministério Público. É a segunda vez em 15 anos que há um réu formal no caso; na primeira ocasião os investigados eram os pais da menina.

A Procuradoria Alemã informou em 2020 que Brückner viveu regularmente na zona do Algarve entre 1995 e 2007, e durante vários anos viveu numa casa situada entre as localidades turísticas de Lagos e a Praia da Luz, concelho em que passava as suas férias a família McCann quando a menina desapareceu. Brückner trabalhava esporadicamente em bares e restaurantes, mas também roubava hotéis e apartamentos turísticos. A polícia alemã revelou em 2020 que ela é uma agressora sexual condenada em várias ocasiões, também por abuso sexual de menores.

Madeleine McCann, conhecida como Maddie, desapareceu no dia 3 de maio de 2007, pouco antes de completar quatro anos na Praia da Luz, destino turístico do sul de Portugal, onde seus pais passavam férias com um grupo de amigos. O desaparecimento da menina deu origem a uma campanha internacional para tentar encontrá-la, uma investigação marcada pela acusação dos pais da menina, Gerry e Kate McCann. As fotos da garota, de cabelos castanhos e olhos claros, rodaram o mundo. A polícia portuguesa finalmente encerrou o caso em 2008, mas o reabriu em 2012.

A polícia alemã recebeu a primeira denúncia que ligava Brückner ao caso Madeleine em 2013. Em 2020, o Ministério Público de Braunschweig apontou o agora acusado como suspeito e garantiu que Madeleine havia sido assassinada: “Presumimos que a menina está morta, ” ele disse. Promotor Hans Christian Wolters, que não deu mais explicações sobre quais evidências mostram que foi isso que aconteceu. As autoridades britânicas continuam a investigar o caso como um desaparecimento. O rastreamento do celular do agora acusado, 45 anos, loiro, magro, olhos azuis claros e 1,82 metro de altura, indica que ele estava na área no dia do crime. A polícia alemã pediu a colaboração dos cidadãos para continuar coletando provas contra Brückner.

O Ministério Público alemão ainda não acusou formalmente o suspeito pelos eventos. O advogado de Brückner, Friedrich Fülscher, assegurou à imprensa alemã que a acusação das autoridades portuguesas pretende interromper “a prescrição, que está iminente dentro de alguns dias”. As autoridades estão também a investigar a violação de uma mulher irlandesa no apartamento turístico onde estava de férias em Portugal em 2004, o abuso sexual de uma menina alemã de 10 anos na praia em 2007 e outro abuso sexual de quatro crianças num festival em São Bartolomeu de Messines em 2017.

O passado criminoso de Brückner, referido apenas como Christian B. pela mídia alemã por causa dos rígidos regulamentos de privacidade do país, é extenso. De acordo com Der Spiegel, em 1994 foi condenado pela primeira vez por abusar de um menor a dois anos de prisão, mas fugiu com a namorada para o Algarve. Mais tarde foi extraditado por Portugal e cumpriu pena na Alemanha, mas depois regressou a Portugal, onde se dedicou a trabalhos esporádicos de empregado de mesa ou de vendedor de automóveis que combinou com roubos. Ele foi pego roubando diesel em um porto e condenado a vários meses de prisão.

O tribunal de Braunschweig condenou-o novamente em 2016 por abuso sexual de um menor, mas fugiu novamente para Portugal, de onde foi extraditado em 2017. Em dezembro de 2019 foi condenado pela violação da mulher americana em 2005, um ano e um ano. metade antes do desaparecimento de Madeleine McCann. Os investigadores conseguiram provar que era ele por análise de DNA de um cabelo encontrado no quarto da mulher.

Há poucos dias, Brückner voltou a aparecer na mídia depois de enviar uma carta ao Ministério da Justiça na qual se queixava de suas condições na prisão de Oldenburg e das constantes ameaças de morte que recebe de outros presos. Uma inspeção de sua cela revelou que ela havia escondido uma lâmina de barbear e oito “fortes espetos de madeira”, revelou Der Spiegel. Uma avaliação interna concluiu que Brückner tem “traços psicopáticos”.

Elite Boss

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.