Portugal acelerou a nacionalização de Roman Abramóvich após pressão da comunidade judaica do Porto | Internacional

A naturalização do oligarca russo Roman Abramóvich como cidadão português não sofreu a demora de outros requerentes da religião judaica, que se aproveitaram da legislação que permite aos descendentes de sefarditas expulsos da Península Ibérica no século XV solicitar a cidadania portuguesa . De acordo com uma investigação do jornal Público, a Comunidade Judaica do Porto pressionou a B’nai B’rith International através de um email para o endereço dos Registos Centrais para agilizar o processamento por “motivos de interesse nacional”, que afectam o próprio Governo. [una organización judaica internacional fundada en 1843] e a um grupo de portugueses sefarditas que estão na lista da Forbes e não precisam de Portugal para “ganhar” dinheiro, para fazer negócios ou para outras “conspirações”.

O email aludia ainda a um encontro entre Pedro Siza Vieira, então ministro da Economia e Transição Digital, com membros da direção da Comunidade Judaica do Porto para discutir futuros investimentos no país de judeus de origem portuguesa. Siza Vieira foi convidado para um evento internacional da B’nai B’rith em que Roman Abramóvich também participou como orador.

O pedido entrou em vigor. O oligarca russo tornou-se português a 30 de abril de 2021, seis meses após o seu processo ter sido submetido aos Registos Centrais. No entanto, o atraso médio na resolução destes pedidos situava-se então entre 24 e 29 meses. Abramóvich é um dos 56.686 judeus que se tornaram portugueses entre 2015 e 2021. Nesse período, apenas 300 petições foram indeferidas pelo Instituto de Registros e Notariado do Ministério da Justiça, que deve atestar se a cidadania é concedida ou não. e que mais de 80.000 arquivos ainda estão pendentes de análise.

Depois de receber o correio da Comunidade Judaica do Porto, a diretora do serviço dos Registos Centrais respondeu que consideraria o processo do bilionário russo “urgente” e que estaria resolvido em menos de dez meses. Todas as denúncias solicitadas à Polícia Judiciária, ao Serviço de Estrangeiros e Fronteiras e à Direcção-Geral da Administração da Justiça foram processadas rapidamente. Nenhum deles encontrou obstáculos que impedissem a concessão da cidadania portuguesa a Abramovich, ao contrário do que aconteceu na Suíça que, apesar de ser um país pouco alérgico a dinheiro duvidoso, recusou conceder ao oligarca uma autorização de residência em 2017, considerando-o “uma ameaça. ” à segurança pública e um risco à reputação” do país.

O caso Abramóvich colocou em foco todo o processo de concessão de nacionalidade aos descendentes de sefarditas expulsos da Península Ibérica, regulamentado em decreto de março de 2015 e modificado em 2020. A norma foi redigida com grande frouxidão e deixou a cargo das comunidades judaicas do Porto e Lisboa o poder de emitir certidões para obter a cidadania portuguesa. Em seis anos, foram processados ​​137.087 arquivos. 90% deles eram geridos pela entidade do Porto, que está agora sujeita a uma investigação judicial para apurar se houve tráfico de influência, corrupção ativa, falsificação de documentos, branqueamento de capitais, fraude fiscal e associação criminosa.

Outros milionários como Lev Leviev, conhecido como o rei dos diamantes, amigo de Abramóvich e Berel Lazar, rabino-chefe da Rússia e próximo de Putin, também foi certificado em 2020 pela comunidade portuense como descendente de sefarditas ibéricos, embora haja não há provas se já conquistou a nacionalidade e se tornou o segundo português mais rico do mundo. O primeiro é Roman Abramovich.

Junte-se ao EL PAÍS para acompanhar todas as novidades e ler sem limites.

se inscrever

Acompanhe todas as informações internacionais em Facebook S Twitterou em nosso boletim semanal.

Raven Carlson

"Viciado em bacon apaixonado. Ninja orgulhoso da cultura pop. Analista irritantemente humilde. Entusiasta de TV. Fã de viagens ao longo da vida."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.