Porto-Vigo, o único comboio de Portugal para Espanha

Correspondente em Lisboa

Atualizada:

Salvar

o único comboio entre Portugal e Espanhapaíses vizinhos que partilham a Península Ibérica mas dão as costas às comunicações ferroviárias, recupera as suas duas frequências diárias a partir do próximo dia 17 de outubro. É a ligação entre Vigo e Porto, uma ligação invulgarmente excecional entre as duas nações do sul da Europa, as mesmas que não têm rota de capital para capital porque o Rota Madrid-Lisboa passou ao baú das memórias março passado.

Esta é a realidade (inusitada) do transporte luso-espanhol no século XXI, afetado pela falta de investimento por parte do Governo português e pelo preguiça de Renfeque primeiro permitiu que a linha diurna do Talgo entre as duas principais cidades se extinguisse e depois viu como o expresso noturno entre Santa Apolónia e Chamartín, que durou nada menos que 10 horas e meia, definhou.

Com essa premissa, quem pode se surpreender que estivéssemos diante de um caminho não lucrativo? A consequência foi que as portas dos vagões foram fechadas permanentemente.

Quase dois anos depois que este trem se tornou mundialmente famoso por ter sido escolhido pela jovem ativista social sueca Greta Thunberg viajar de Lisboa a Madrid num ambiente menos poluente que o avião, o rugido do seu motor já não se ouve nas plataformas perto de Alfama, bairro das casas de fado.

«Isso parece normal para você?», «Como é possível?», «Lisboa-Madrid nada, e agora Porto-Vigo como única alternativa para ir de comboio de um país para outro, um itinerário que não é propriamente pragmático para quem vive entre a extensa faixa que vai de Zamora a Huelva, passando por Salamanca ou Extremadura»… são os comentários e críticas que proliferam nas redes sociais, algumas palavras que inflamam os ânimos dos cidadãos portugueses e espanhóis, novamente sem outra escolha a não ser se acostumar com o duas horas e 20 minutos para percorrer a distância de 150 quilômetros (paradas incluídas).

A iniciativa não representa nenhum orçamento extra, pois as máquinas e os trilhos já estavam lá. No mínimo, o visitante pode se beneficiar de um preço especial por direção: de 17 de outubro a 11 de dezembro, apenas 5,25 euros com tarifa promocional que visa incentivar a afluência de turistas ou por motivos de trabalho.

Nove da manhã e oito da noite constituem os horários de partida de Vigoenquanto o Porto vê o comboio partir às 8h15 e às 7h10.

O comboio faz o serviço entre estas duas cidades, mas também permite embarcar e desembarcar noutros pontos-chave da fronteira galego-portuguesa, como Viana do Castelo, Valença do Minho ou a vila de Tuy em Pontevedra.

Não se pode esquecer que o transporte ferroviário entre Portugal e Espanha foi suspenso, no plano de contenção para impedir a propagação do coronavírus. Nessa altura, a medida afetou fundamentalmente as duas linhas mais importantes que ligavam os dois países: Lisboa-Madrid e Vigo-Porto. A primeira delas, já deficitária por seu ritmo lento e altas taxas, acabou sendo fechada posteriormente pela nula rentabilidade de sua operação.

Essa circunstância foi associada a bloqueando a entrada de turistas espanhóis através dos postos fronteiriços terrestres, que entrou em vigor a 16 de março de 2020 e vigorou até depois da Páscoa. Os controlos começaram a ser cada vez mais severos, com os funcionários portugueses devidamente protegidos, e só foram autorizadas deslocações justificadas por motivos de trabalho ou força maior.

No entanto, não estava prevista a interrupção da livre circulação de mercadoriasjá que o abastecimento era essencial para evitar o colapso diário de ambos os países.

Aconteceu que centenas de espanhóis que vivem nas cidades fronteiriças das zonas de Salamanca, Zamora, Cáceres, Badajoz ou Huelva atravessaram o outro lado durante os fins-de-semana com o objectivo de comprar produtos cuja escassez começou a ser notada em Espanha. Dadas as dificuldades por comboio e as escassas ligações, era por estrada que se fazia a maior parte destas transferências. Mas depois foi instalado gravidade da restrição de movimento entre os dois paísescom o qual fazer o salto parecia mais complicado.

“Decidimos atuar sempre em conjunto na gestão da nossa fronteira comum, manter a livre circulação de mercadorias e garantir os direitos dos trabalhadores transfronteiriços”, sublinhou o primeiro-ministro português, António Costa, de Lisboa.

Foi o próprio presidente, que, no entanto, nunca se posicionou claramente sobre a importância de promover uma boa conexão ferrovia não mais entre os dois países, mas sobretudo entre Lisboa e Madrid, invulgarmente convertida nas duas únicas capitais europeias vizinhas que não têm comboio para se deslocar de uma para a outra. Um registro infeliz.

Vê-los
comentários

Calvin Clayton

"Encrenqueiro incurável. Explorador. Estudante. Especialista profissional em álcool. Geek da Internet."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.