Por que ler notícias nos deprime? Nós explicamos – O Financeiro

Grande parte da população mundial – 38 por cento – frequentemente evitam consumir notícias atuais, como as relacionadas à guerra na Ucrânia ou à pandemia porque “deterioram” o seu estado de espírito, segundo um relatório divulgado esta quarta-feira pelo Instituto Reuters, que revela que os mais novos preferem plataformas como o TikTok.

O estudo sobre consumo de notícias Digital News Report 2022, apresentado hoje na sede londrina da agência de notícias britânica, É baseado em uma pesquisa online com 93 mil pessoas em 46 mercados, incluindo Espanha, Argentina, Brasil, Chile, Colômbia, México, Peru e Portugal.

A nível geral, a análise revela que quase 4 em cada 10 pessoas, 38% do público evita ou evita seletivamente notícias importantes, acima dos 29% em 2017. O número dobrou no Brasil – de 27% para 54% – e no Reino Unido – de 24% para 46%.

A porcentagem detectada na Espanha -35 por cento- aumentou em relação aos 33 por cento identificados em 2019 e 26% na pesquisa de 2017.

Uma alta porcentagem daqueles que evitam as notícias de propósito explica que a repetição da pauta noticiosa, especialmente sobre questões políticas e a pandemia, desencoraja-os -43 por cento-.

Cerca de 36 por cento – a maioria com menos de 35 anos – dizem que as notícias os derrubam e 17 por cento indicam que geram discussões que prefeririam evitarr, enquanto 16 por cento reconhecem que criam um sentimento de desamparo.

O autor do relatório, Nic Newman, destacou hoje que “em vários países vemos uma proporção significativa da tendência das pessoas de ignorar as notícias ou selecionar certas histórias porque as coloca de mau humor” e observou que “a confiança (na mídia) está diminuindo na maioria dos países”.


Diminui a confiança e o interesse nas informações

Os achados revelam que, em geral, houve também uma queda na confiança e um declínio no interesse pelas notícias.

Na média, 42% confiam na maioria das notícias na maior parte do tempoenquanto a Finlândia continua a ser o país com os mais altos níveis de confiança geral -69 por cento- e os Estados Unidos têm os mais baixos -26 por cento- junto com a Eslováquia.

Além disso, mostra-se que o público mais jovem tem menos conexão com a mídia tradicional e acessar conteúdo informativo por meio de plataformas como o TikTok.

“O TikTok está crescendo extremamente rápido e ganhou muita atenção após o conflito na Ucrânia”, observou Newman.

Sobre isso, ele destacou que “40% do mundo com menos de 25 anos recorre ao TikTok para todos os fins, 15% para notícias”; ao passo que houve “um aumento de pessoas de todas as idades na África e na América Latina, onde o uso dessa rede social cresceu mais rapidamente”.

A análise aborda a dificuldade de atrair os jovens para o mundo das notícias e mostra que oito em cada dez -78 por cento- pessoas entre 18 e 24 anos -ou “nativos sociais”- acesso semanal às notícias através de portais alternativos, como mecanismos de pesquisa e redes sociais, em vez de aplicativos de mídia ou sites.

Esses “nativos sociais” desviam a atenção do Facebook e optam por redes visuais como Instagram e Tiktok, onde prevalecem o entretenimento e os “influenciadores”.

Elite Boss

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.