Para compreender a expulsão dos jesuítas de Portugal, 1759

Manuel Pablo Maza Miquel, SJ

Vamos entender essas circunstâncias.

Portugal levou a sério que a migração de cerca de 30.000 Guarani afetados pelo Tratado de Fronteiras com a Espanha em 1750 foi pacífica. Desde 1639, os Guarani das Reduções foram autorizados a usar armas de fogo para se defenderem dos caçadores de escravos brasileiros.

Para recuperar a saúde, o padre geral jesuíta Ignacio Visconti nomeou, em 4 de outubro de 1751, o jesuíta Lope Luis Altamirano para fiscalizar o cumprimento do Tratado. Altamirano foi “um homem que provavelmente não teve igual na história da Companhia. Ele promulgou pelo menos vinte e quatro preceitos em virtude do voto de obediência com penalidades que incluíam expulsão da Companhia, suspensão das faculdades sacerdotais e excomunhão reservada ao Geral. A política abrasiva de Altamirano só conseguiu aprofundar a teimosia dos índios. (Bangert, 1981: 428-429). Visconti obrigou os missionários em virtude da santa obediência a “usar sua influência” para que os índios mansamente realizassem a dolorosa transferência.

Em Portugal começaram a aparecer em 1752 algumas “Notícias Interessantes” escritas pelo ex-capuchinho Abade Platel nas quais os Jesuítas eram injuriados. Provavelmente a Coroa portuguesa “estimulou” o seu autor.

Em 1754 os índios das Sete Reduções afetadas se rebelaram e foram reprimidos pelas tropas portuguesas e espanholas.

Em 1º de novembro de 1755, um terrível terremoto atingiu Lisboa. 10% dos 250.000 habitantes pereceram. Vários pregadores atribuíram o terramoto “à depravação moral” e também às reformas políticas anticlericais do Marquês de Pombal (Molas, Bada e outros 1993: 687-689). O terremoto desencadearia uma discussão de longo alcance sobre a justiça da providência divina. Em Candide (1759) Voltarie ecoa esse mal-estar.

Em 1756 uma nova expedição punitiva reprimiu os índios das Reduções. Na Espanha, Pe. Altamirano acusou os jesuítas de serem seus instigadores. Desde 1757, o Marquês de Pombal negava o acesso ao confessor régio e a qualquer jesuíta na corte do rei.

Em 14 de novembro de 1758, o rei de Portugal sofreu um ataque da família Távora. Os investigadores ignoraram a acusação de estuprador contra o monarca e se concentraram nos confessores de Távora: os odiados jesuítas! Pombal já estava com o guardanapo no pescoço.

Joseph Salvage

"Fanático hardcore de mídia social. Propenso a ataques de apatia. Criador. Pensador. Guru dedicado da web. Aficionado por cultura pop. Solucionador de problemas."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *