Ourense ultrapassa o seu máximo com 44º e mantém-se a 0,2º do recorde histórico galego

Ourense voltou a ser o ‘forno’ da Galiza. Bateu o seu próprio recorde de temperatura máxima ao atingir os 44º – uma marca de 32 anos atrás, que já tinha batido na terça-feira passada – e uma das mais quentes de Espanha, juntamente com a Extremadura. O alerta vermelho para altas temperaturas foi cumprido e, de fato, a marca histórica que a Meteogalicia estabeleceu na estação do Leiro, que em 7 de agosto de 2016 marcava 44,2º em mercúrio, foi quase superada. Os termómetros Ourense estiveram a apenas 0,2º de ultrapassar esse recorde histórico galego. O outono da tarde deu lugar, no entanto, a fenômenos tempestuosos acompanhados de chuva, que se generalizaram por toda a comunidade.

Ourense ultrapassa o seu máximo com 44º e mantém-se a 0,2º do recorde histórico galego


A nível de Espanha, ontem atingiram 44,9º em Badajoz e 44,7º em Cáceres, mas sem dúvida foi Ávila que registou a temperatura mais alta com uma temperatura máxima absoluta de 45º, segundo dados da Agência Meteorológica Espanhola. Os resumos diários contavam até sete províncias que atingiram os 44º ou até os ultrapassaram, que são as já mencionadas, às quais se deve acrescentar Sevilha, Huelva e Toledo.

De regresso à Galiza, o calor afectou a sociedade, o trabalho e a actividade económica, mas também a saúde, centrada na qualidade do ar. Segundo os registos da Meteogalicia ontem, a bacia do rio Minho, assim como a zona sul da província, apresentavam valores negativos que ultrapassaram os intervalos mínimos de qualidade do ar. Aliás, a evolução do Índice de Qualidade do Ar marca que está “regular” desde quarta-feira e espera-se que à medida que a onda de calor abrandar, o ar melhore.

O céu deixou de ser azul ontem de manhã na zona de Vigo. Uma neblina ocre se instalou sobre o estuário desde o início da manhã, como a que costuma vir com a chegada do ar do Saara que hoje está levando os termômetros a valores sem precedentes. Por volta do meio-dia, o cheiro inconfundível de incêndio florestal começou a flutuar pela atmosfera nublada.

Os serviços de emergência na área, por outro lado, não tiveram notícias de nenhum incêndio. Até horas depois, primeiro em O Hío e depois em Tomiño, não houve pequenos incidentes que foram resolvidos rapidamente, então era hora de olhar para o sul, onde o país vizinho começou a combater seu fantasma de quase todos os verões. E, de facto, a mesma Raia, as vilas de Caminha e Valença, chegaram ao meio-dia a onda de incêndios que há dois dias atinge o centro e sul de Portugal. Na fronteira interior, na Serra do Gerês, iniciou-se também outro foco.

Mas a onda de calor já pode ter uma data de validade. Nos próximos dias, tanto a Aemet quanto a Meteogalicia reduzem o alerta, de vermelho para laranja. Além disso, as primeiras previsões colocam chuva em algumas localidades galegas – também em Vigo – na próxima segunda e terça-feira.

Por outro lado, os concelhos da região de Pontevedra dão como certo que o final do verão vai ser difícil em termos de abastecimento de água se as condições meteorológicas não mudarem bruscamente nas próximas semanas. É por isso que praticamente todas as Câmaras Municipais já estão a adoptar medidas de poupança e há mesmo as primeiras em que são eliminadas as utilizações desnecessárias. Todos eles garantem o abastecimento por enquanto, mas insistem que é preciso não desperdiçar um recurso cada vez mais escasso à medida que o tórrido verão avança.

Se ontem se soube, por exemplo, que a seca obrigou a Câmara Municipal de Pontevedra a retirar antecipadamente as reservas; Cuntis e Caldas emitem editais para pedir uso responsável da água, redução de descargas e rega de jardins. Também em Vilaboa, várias águas tapam os utentes e os caudais são monitorizados em caso de fugas ou uso irresponsável.

Por seu lado, a Consellería do Médio Rural enviou circulares às câmaras municipais galegas para recordar a proibição do uso de fogos de artifício e pirotecnia em terrenos florestais ou sob influência florestal nas zonas onde o índice de risco de incêndio é extremo.

Calvin Clayton

"Encrenqueiro incurável. Explorador. Estudante. Especialista profissional em álcool. Geek da Internet."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.