Os três focos de Ombra já estão estabilizados e a situação nos incêndios de Valdeorras está a melhorar

Um grupo de bombeiros a trabalhar no incêndio de Videferre, em Ombra. Alexandre Camba

Os meios de extinção ainda estão muito cientes da situação no grande incêndio de Carballeda de Valdeorras, que esta sexta-feira não tem frente de chama

22 de julho de 2022 . Atualizado às 17h36

Depois de muitos dias de intenso trabalho das equipes de bombeiros incêndios florestais que afecta a província de Ourense eles começam a dar uma trégua. Esta sexta-feira os três focos que se localizavam em Ombra, concretamente nas localidades de Rabal, Videferre e San Cibrao, já estão estabilizados conforme confirmado ao meio-dia pelo Ministério do Rural. É claro que o saldo de hectares devastados pelos incêndios, que também afetaram o município de Vern e deixaram dezenas de vizinhos em alerta, é de 3.100. Os incêndios entraram segunda-feira vindos de Portugal e o vento forte teve muito a ver com a sua propagação, o que dificultou os trabalhos de extinção e obrigou muitos moradores a serem despejados das suas casas.

Enquanto, em Carballeda de Valdeorras, a situação melhora. Completado o oitavo dia de evolução, esta sexta-feira ainda não havia frente de chamas, embora não se exclua que à tarde, quando as temperaturas mais sobem, algum foco possa ressurgir, como aconteceu na tarde de quinta-feira. Por isso, a mídia está muito atenta ao que pode acontecer em Vila, Quereo, Pumares e Sobredo, que compõem os centros mais complicados do momento. Em Quereo as chamas voltaram a acender na tarde de quinta-feira, embora os focos tenham sido controlados no final do dia e por enquanto a situação permanece calma.

Em Quereo, os meios de extinção ainda estão muito atentos à evolução do incêndio, que foi reavivado na tarde de quinta-feira, mas conseguiu ser controlado em poucas horas. ALEJANDRO CAMBA

Este fogo virulento, que se originou em Riodolas por causa de uma tempestade elétrica, já consumiu 10.500 hectares e 156 brigadas trabalham atualmente em sua extinção, apoiadas do ar por 12 aviões e 13 helicópteros. A Unidade Militar de Emergência também continua destacada na área e os agentes da Guarda Civil e da Polícia Autónoma continuam a fazer o trabalho de vigilância, apoiados por elementos dos grupos de proteção civil locais. O fogo se espalhou no fim de semana de Carballeda a O Barco, passando por Rubi e chegando a El Bierzo. Em seu rastro, deixou dezenas de casas arrasadas e muita desolação entre os habitantes.


Calvin Clayton

"Encrenqueiro incurável. Explorador. Estudante. Especialista profissional em álcool. Geek da Internet."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.