Os países mais digitalizados pedem para investir mais em cibersegurança | Tecnologia | Edição América

Os doze países europeus mais avançados em sua digitalização concordam com a necessidade de aumentar os investimentos para lidar com a segurança cibernética e buscar “ferramentas internacionais” para ajudar a Ucrânia a se recuperar da destruição causada pela invasão russa.

É o que sublinham os representantes do grupo denominado D9+ ao resumir, em comunicado hoje divulgado, as conclusões de um encontro informal de dois dias que tiveram em Praga na passada segunda e terça-feira, tendo os Estados Unidos como país convidado.

“A cibersegurança deve estar no topo das prioridades”, e junto com ela, um aumento de “investimentos em infraestrutura digital para “aumentar nossa resistência”, indicam.

Além disso, “há uma responsabilidade conjunta de usar ferramentas internacionais que ajudem a economia e a sociedade ucraniana a se recuperar”, sublinha o vice-presidente do governo tcheco e anfitrião do encontro, Ivan Bartos.

Neste contexto, o político do Partido Pirata valorizou como “crucial” que as relações transatlânticas sejam “fortes” para enfrentar “os desafios estratégicos mais candentes”, como a guerra na Ucrânia.

Composto por Bélgica, Dinamarca, Espanha, Estônia, Finlândia, Irlanda, Luxemburgo, Holanda, Polônia, Portugal, República Tcheca e Suécia, o D9+ pretende continuar avançando na digitalização com base no “respeito mútuo pelos direitos e valores fundamentais das democracias compartilhadas .

A Espanha, um dos países mais bem posicionados da UE na digitalização da Administração Pública e na conectividade, considera que o progresso tecnológico “deve manter os nossos direitos”.

“A Espanha busca um humanismo tecnológico no campo da Inteligência Artificial (IA) em suas relações com os Estados Unidos”, disse à Efe Salvador Estevan, diretor-geral de IA do Ministério da Economia.

Especificamente, a Espanha procura que os direitos analógicos sejam transpostos para os digitais, para os quais foi estabelecida “a carta dos direitos digitais”, lembra Estevan.

O diretor-geral considera que é necessário ter cuidado na utilização dos dados, para ser “capaz de enfrentar a evolução da digitalização do ponto de vista centrado na pessoa” e não perseguir o “mero desenvolvimento da tecnologia”.

Elite Boss

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.