Os eventos que viraram notícia no mundo neste 2022 – Internacional

o guerra na ucraniaa morte do Rainha Isabel IIa inflação geralclima extremo, avanços científicos e o adeus à dois grandes tenistas fazem parte do resumo das principais notícias ocorridas neste 2022.

Este é o resumo de TEMPO.

Guerra na Ucrânia: o retorno do conflito ao solo europeu

Em 24 de fevereiro deste ano, o mundo foi abalado pelo impensável. O presidente russo, Vladimir Putin, anunciou uma “operação militar” na Ucrânia para defender os separatistas no leste daquele país. A decisão resultou no pior conflito na Europa desde a guerra dos Bálcãs na década de 1990.

O exército russo começou a cercar as principais cidades ucranianas, mas encontrou uma resistência feroz, armada pela OTAN e pelos EUA, que frustrou as tentativas de Moscou de obter uma vitória relâmpago. A guerra de Putin provocou uma rejeição quase mundial, foram impostas duras sanções que isolaram Moscou, mas desencadearam uma escalada ascendente de combustíveis e cereais.

Embora os lados mantenham o número de mortos em segredo, a inteligência dos EUA calcula as baixas em cerca de 100.000 soldados por lado. A ONU diz que o número total de pessoas que fugiram da Ucrânia chega a quase 8 milhões. Onze meses depois, não há saída à vista.

Soldado ucraniano em Donbass.

Foto:

Dimitar DILKOFF / AFP

2022, ‘annus horribilis’ para o Reino Unido

Em 8 de setembro, o Reino Unido encerrou uma era com a morte da rainha Elizabeth II, a monarca mais antiga da história britânica (70 anos). Após a sua morte, o país entrou num período de luto que durou até ao dia do seu funeral, celebrado com toda a solenidade. Ela sucederá seu filho Carlos dela.

O acontecimento histórico somou-se à crise política que levou o país a ter três primeiros-ministros em um ano.

Pressionado pelos escândalos, Boris Johnson teve que deixar o cargo para dar lugar à conservadora Liz Truss, que mais tarde se tornou o primeiro-ministro mais fugaz com apenas 45 dias no poder. Sua partida permitiu a ascensão de Rishi Sunak, o primeiro presidente de uma minoria étnica.

Funeral da Rainha Elizabeth II.

A morte de uma jovem abala o regime iraniano

A morte em setembro de Mahsa Amini, uma garota curda iraniana de 22 anos que morreu sob custódia detida pela Polícia Moral por não usar o lenço islâmico corretamente, desencadeou uma onda de protestos sem precedentes no Irã.

Após três meses de mobilizações, mais de 400 mortos e milhares de detidos no país, os manifestantes pedem o fim da República Islâmica fundada pelo aiatolá Ruholá Khomeini em 1979, enquanto as autoridades começam a executar manifestantes para tentar desactivar algumas mobilizações realizadas sobretudo por jovens e mulheres que pedem mais liberdades.

Mahsa Amini, 40 dias após sua morte

Um número recorde para a migração de pessoas

O mundo testemunhou uma onda de migração sem precedentes. Segundo dados da ONU, entre janeiro e outubro de 2022, 211.355 migrantes cruzaram o Darien Gap em direção aos EUA, estabelecendo um recorde para estes em trânsito na área.

Ao mesmo tempo, 2.378.944 imigrantes indocumentados, 125.172 deles colombianos, foram presos na fronteira sul dos EUA, constituindo um número sem precedentes de detenções de migrantes

. E na Europa, quase 45.000 pessoas tentaram atravessar o Canal da Mancha da França para a costa inglesa em uma perigosa viagem que deixou pelo menos 205 mortos ou
desaparecido desde 2014.

Vista dos migrantes passando pelo Darien Gap.

Foto:

Mauricio Dueñas Castañeda / EFE

Inflação global no limite, legado da pandemia

A crise logística global, herança da pandemia, e o conflito entre Rússia e Ucrânia impactaram fortemente a economia do planeta.

Os preços dos fretes dispararam, as matérias-primas e insumos para a produção de alimentos começaram a escassear e o barril de petróleo voltou a valer US$ 100, tudo isso caindo no bolso das pessoas. Economias fortes na Europa, assim como nos EUA, registraram uma inflação não vista há quatro décadas e hoje têm o banco central elevando suas taxas ao limite em anos.

Clima extremo marcou quase todo o planeta

Ondas de calor extremo na Europa que só em Portugal e Espanha deixaram mais de 1.700 mortos. A seca mais forte que a China experimentou nos últimos 60 anos. Um terço de todo o Paquistão inundado e mais de mil mortos. Três anos consecutivos do fenômeno La Niña.

Este 2022 foi marcado por marcos, acontecimentos fora do normal, pela média do tempo. Isso é um reflexo de como as mudanças climáticas estão mudando completamente a forma como vivemos e nos relacionamos com o planeta.

Ondas de calor extremo na Europa que só em Portugal e Espanha deixaram mais de 1.700 mortos.

Foto:

ANDER GILLENEA / AFP

O universo visto pelo telescópio James Webb

Em julho, o presidente dos EUA, Joe Biden, divulgou a imagem infravermelha mais profunda e nítida do Universo distante, capturada pelo Telescópio Espacial James Webb, uma colaboração da NASA, da Agência Espacial Européia (ESA) e do Canadá (CSA).

Desde aquela primeira revelação, o observatório espacial mais poderoso já construído continuou a surpreender o mundo com suas imagens e fornecer aos cientistas dados inestimáveis ​​que ajudarão a aprender mais sobre o universo.

Selo alusivo ao telescópio James Webb

Foto:

Serviço Postal dos Estados Unidos

Dois grandes nomes do tênis penduraram a raquete

O ano de 2022 marcou o fim de uma era, com a aposentadoria de duas figuras que levaram o tênis a outro patamar e aumentaram sua popularidade. A primeira a sair foi a americana Serena Williams, que fez sua última partida no dia 2 de setembro, quando caiu na terceira rodada do US Open.

Saiu com 39 títulos de Grand Slam, entre outras conquistas. 13 dias depois, o suíço Roger Federer (foto) anunciou que estava encerrando a carreira. Seu último torneio foi a Laver Cup. Ele ganhou 20 mil e passou 310 semanas no topo do ranking mundial.

Roger Federer e Serena Williams

Peru e sua crise ‘eterna’

Os peruanos acrescentaram à longa crise política um novo recorde: seis presidentes em seis anos. Em 7 de dezembro, Pedro Castillo tentou dar um “autogolpe” ao anunciar o fechamento do Congresso, mas a decisão foi rejeitada por seus aliados e pelo Judiciário.
O parlamento decidiu retirá-lo do cargo de presidente, o que levou sua ‘vice’, Dina Boluarte, a substituí-lo, sendo a primeira mulher no cargo em sua história. Mal se pensa que o período terminará.

Protestos pedem o fechamento do Congresso no Peru

Equador e a sombra do ‘narco’

No Equador, a violência e os massacres nas prisões se intensificaram em 2022, especialmente em Guayaquil, cidade litorânea onde gangues lutam pelo controle do narcotráfico. Os tumultos —que se tornaram cada vez mais frequentes— somaram-se à violência nas ruas. Em Guayaquil, entre janeiro e outubro, foram registrados pelo menos 1.200 homicídios, 60% a mais que no mesmo período de 2021.

Vista das operações das forças de controle no Equador para tentar deter a violência do narcotráfico.

Reversão do aborto nos EUA uu.

A conservadora Suprema Corte dos Estados Unidos anulou em 24 de junho a histórica decisão ‘Roe v. Wade’, que desde 1973 garantia o direito ao aborto naquele país. A decisão da Suprema Corte que derrubou as proteções ao aborto mudou tudo: do debate político à vida de milhões de mulheres americanas, cujos direitos agora dependem do estado em que vivem. Em 18 deles, o aborto já é quase totalmente proibido.

Jogos de guerra de Kim

Estima-se que a Coreia do Norte tenha realizado pelo menos 44 lançamentos de mísseis e projéteis neste ano, praticamente o dobro em relação ao máximo que o regime de Kim Jong-un havia somado em 2016 ou 2017.

Com esse número recorde e as respostas militares de Washington, Seul ou Tóquio, desenha-se uma situação de tensão máxima no Extremo Oriente e com a possibilidade de um erro de cálculo que acaba por desencadear um desastre de guerra.

Miranda Pearson

"Organizador. Introvertido. Fanático certificado pela internet. Beeraholic. Fã de álcool irritantemente humilde."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *