Os autônomos explodem contra Sánchez por excluí-los da redução de eletricidade

O novo Decreto-Lei Real aprovado no passado sábado pelo Conselho de Ministros e que baixa o IVA sobre a electricidade para 5%, vai finalmente excluir milhares de trabalhadores independentes que tenham uma potência contratada superior a 10 Kw, conforme confirmado pelo Diário da República a condição. “Do meu ponto de vista as medidas (do Decreto Real) são ridículas”, avaliou Lorenzo Amor, presidente da Federação ATA no Curso de Verão “Os desafios futuros dos trabalhadores independentes e empreendedores”. Os setores consultados por esse meio asseguraram que seus custos dobraram e ficaram muito indignados com a proposta do Executivo, chamando o Presidente do Governo, Pedro Sánchez, de “trilero” dos pequenos negócios.

Há um ano, o Governo também excluiu os trabalhadores independentes da redução do IVA de 21% para 10%. Nesta nova redução – de 10% para 5% – o Diário Oficial do Estado (BOE) mantém o limite estabelecido pelo qual essa redução é aplicada: ter potência contratada inferior a 10 Kw. No entanto, como a ATA já denunciou em 2021, essa margem excluirá 75% do grupo, já que a maioria dos negócios contratou uma potência muito maior.

Um exemplo dos setores que ficam de fora dessa medida são os cabeleireiros. Esses negócios exigem muita energia elétrica para oferecer seus serviços: secadores, aquecedores de água, ar condicionado, barbeadores, máquinas de lavar, etc. “Meu sentimento pessoal é o de estar na frente de um jogador de shell game que joga ‘onde está a bola’. Com Sánchez, tudo parece uma solução, mas ele realmente não reduz impostos, está subsidiando parte da população – excluindo os autônomos – para que não reclamem. Com este presidente são todos truques disfarçados de soluções, não é sério. Ele está jogando com milhares de freelancers. Trabalhadores autônomos que vivem o dia a dia com uma ansiedade enorme por nem saber se vão conseguir acender uma lâmpada no seu negócio. Com este tipo de truques, duvido que consiga manter-se no poder até ao final da legislatura”, disse Luis Herrera-Portugal, presidente do Conselho Nacional de Empresas de Cabeleireiros e Estética de Espanha.

Autônomos perdem liquidez com aumento do preço da energia elétrica

“Este não é um bom momento para os trabalhadores independentes, nem para a sociedade em geral”, disse Lorenzo Amor. A inflação está a castigar as famílias, os cidadãos e as empresas. A eletricidade é mais cara, o combustível, a matéria-prima: tudo”, acrescentou o presidente da ATA.

“Muitos dirão que – embora os trabalhadores independentes tenham sido excluídos da redução do IVA do Governo – o grupo pode deduzir o imposto de eletricidade no final do exercício. No entanto, os trabalhadores por conta própria têm de adiantar esta despesa trimestralmente, o que implica uma perda significativa de liquidez”, acrescentou o presidente da ATA.

“Se os autônomos que possuem potência contratada superior a 10Kwh – a grande maioria do grupo – pudessem se beneficiar dessa redução de impostos, teriam que continuar adiantando o dinheiro em seus rendimentos trimestrais. Mas numa altura em que o gás ainda está a 21% e os custos da energia estão a disparar, ter de Devolver menos dinheiro à Agência Fiscal representa um capital de giro muito importante para cobrir outros custos fixos”, especificou Amor.

Alguns negócios, como a hospitalidade, Alertaram para a importância de poder devolver menos dinheiro trimestralmente à Administração para ter liquidez. “Pagamos o dobro de eletricidade do que há um ano. Isso leva você a até considerar se deve ou não ligar o forno do seu restaurante. É verdade que podemos deduzir os custos de eletricidade, mas numa altura em que as matérias-primas, o pessoal e a eletricidade nos sufocam; Seria muito benéfico poder usufruir da redução do IVA como qualquer outro cidadão”, insistiu Thor Boneco, presidente da Associação de Hospitalidade Compostela.

“Aqui na Galiza qualquer negócio dedicado à restauração tem menos de 9 funcionários. Todos são autônomos. Embora seus restaurantes sejam pequenos, eles precisam de ar condicionado, máquinas de gelo, fornos, exaustores, freezers, geladeiras, terraços e tudo mais que você possa imaginar. Não sei como podem pensar que um negócio tem menos de 10 Kw contratados, essa situação é ridícula”, ponderou Boneco.

“O que ninguém percebe é que uma batalha que todos sofremos, Se a eletricidade subir e não tivermos liquidez, teremos que aumentar os preços de absolutamente tudo.. Anteriormente, a cada ano, em janeiro, revisávamos os preços de nossos produtos e serviços de acordo com o IPC; este ano estamos passando pela terceira revisão e ainda estamos em junho”, alertou.

“É ótimo podermos deduzir despesas, faltaria mais. Mas, em essência, as políticas nacionais não levam em conta os trabalhadores autônomos. Com este tipo de questões fica claro que para o Estado somos um espólio a recolher. Eles nos esqueceram completamente”, concluiu o representante dos hoteleiros galegos.

Apenas um em cada quatro freelancers poderá aproveitar a redução do IVA na eletricidade

Na redução de imposto anterior, a Federação Nacional das Associações de Trabalhadores por conta própria (ATA) calculou que apenas um em cada quatro trabalhadores por conta própria (25%) poderá beneficiar desta redução na factura de electricidade, uma vez que os restantes 75% dos trabalhadores por conta própria, ou não utilizam eletricidade para os seus negócios, como é o caso dos taxistas, por exemplo, ou contrataram uma potência elétrica muito superior aos 10 Kw que estão assinalados como condição de acesso ao imposto redução.

Da ATA garantiram que a potência média contratada de As empresas espanholas estão entre 25 e 30 Kw, pelo que é muito difícil para uma empresa beneficiar desta medida. Por um lado, devido à necessidade de energia, e por outro, porque existem freelancers isentos de IVA e a sua fatura também aumentará, e os que não o são, não poderão deduzir estes custos de fornecimento no seu declaração trimestral. Na mesma linha, das organizações setoriais garantem que é muito difícil encontrar negócios de mais de 40 ou 50 metros quadrados que tenham contratado menos de 10 KW e ainda mais difícil que haja bares de qualquer tamanho na Espanha com este faixa de poder. O mesmo acontece com tinturarias, cabeleireiros e outros negócios que dependem da luz para realizar a sua atividade.

Os autônomos que contrataram mais de 10 KW sentem-se “enganados”

Esta compensação fiscal já gerou diferentes reações do tecido produtivo em 2021. A maioria dos setores a que este meio teve acesso sente-se enganado e não entende como nestes tempos de incerteza económica um dos pilares económicos continua a ser sufocado pela país.

“O que queremos da Administração é que nos deixe em paz”, disse Carlos Moreno-Figueroa, porta-voz e membro do Comitê Executivo da Confederação Espanhola de Comércio (CEC). “Isso não é novo. A guerra na Ucrânia é bastante recente. É claro condiciona muitos aspectos da cadeia produtiva. Mas Há meses que denunciamos o aumento do preço da eletricidade, que representa 30% dos custos fixos de milhares de empresas e trabalhadores autônomos”, assegurou Moreno-Figueroa. “As medidas que o Governo quer implementar estão atrasadas. E o pior é que a arrecadação é aumentada. Os nossos afiliados já não sabem o que dizer, queremos que nos deixem em paz em vez de fazerem propaganda”, disse o porta-voz.

“Esta foi uma jarra de água fria”, disse Luis Herrera-Portugal, presidente do Conselho Nacional de Empresas de Cabeleireiros e Estética da Espanha. Inicialmente, disse o presidente, alguns cabeleireiros sentiram esperança quando viram que o Executivo ia baixar o IVA devido ao incipiente aumento da eletricidade. No entanto, “depois de ler as letras miúdas, os profissionais se sentiram enganados, pois quase nenhum consegue trabalhar com menos de 10 KWh contratados. É uma verdadeira zombaria, a atividade continua ressentida, decepcionada e chateada”, acrescentou Herrera-Portugal.

Segundo o representante do setor, até o menor cabeleireiro tem essa necessidade de consumo. Em média, estes negócios contraíram 15 KWh, “assim que se ligam dois secadores, o esquentador, o ar condicionado ou a iluminação, os gastos disparam”, disse Herrera-Portugal.

Os autônomos que puderam usufruir da redução não percebem a diferença

Por outro lado, existem alguns setores que não necessitam de altos custos de energia para realizar suas atividades e que, portanto, poderiam se beneficiar com a redução dos impostos sobre a energia elétrica. Este pode ser o caso de alguns profissionais dedicados às atividades digitais, advogados ou que trabalham diretamente fora de casa como transportadores ou taxistas e que só percebem essas mudanças em seu endereço residencial.

“Se é verdade que a conta de luz subiu e o IVA baixou, mas realmente o desconto não é tão grande quanto se espera ao ler as notícias”, afirmou Antonio Díaz Ruíz, proprietário autônomo de um estúdio fotográfico em Málaga. O trabalhador autônomo explicou que suas ferramentas de trabalho precisam de eletricidade, mas não de um consumo comparável a boates ou lojas. Baterias, computadores, lâmpadas ou impressoras são os principais gastos com energia desses profissionais que não utilizam permanentemente todas essas ferramentas para trabalhar. “No final das contas, 75% do nosso trabalho é sair tirando fotos ou gravando vídeos. O tempo que passamos em nosso estúdio é mínimo e, em geral, é editar fotos com nosso PC e esse gasto pode ser o mesmo de qualquer casa”, acrescentou Díaz Ruíz.

Da mesma forma, Javier González, advogado freelance, avaliou que essas medidas não fazem sentido para estúdios, escritórios ou instalações que realmente tenham um poder contratado tão baixo. “Considero desastroso que isso afete apenas uma parte dos trabalhadores independentes eles realmente não precisam disso. Obviamente, qualquer pressão tributária que seja eliminada ou reduzida é bem-vinda e de certa forma a queda do IVA é perceptível, mas não o suficiente para compensar os outros aumentos”, disse González.

Calvin Clayton

"Encrenqueiro incurável. Explorador. Estudante. Especialista profissional em álcool. Geek da Internet."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *