Ortega nomeia o seu embaixador em França, como concorrente em Portugal

Vídeos da EFE América Latina

Francella mostra seus mil rostos em “The Manager”, série de Cohn e Duprat

Buenos Aires, 13 de outubro (EFE).- O responsável de um edifício sabe tudo: os horários de entrada e saída dos vizinhos, as visitas que recebem, seus problemas domésticos e até seus desejos mais vergonhosos. Agora, o que aconteceria se o gerente tomasse uma atitude e usasse todas essas informações contra os inquilinos? Este é o ponto de partida de “El Encargado”, série criada pelos argentinos Mariano Cohn e Gastón Duprat que chegará à plataforma Star+ em 26 de outubro, com seu compatriota Guillermo Francella como protagonista, e onde a tensão e o humor tão característica desta dupla de cineastas. Em entrevista à EFE em Buenos Aires, Francella destaca que “há muito confronto com os donos” e “muito sarcasmo, suspense e intriga” nesta série, algo que foi “muito legal” explorar a partir da interpretação ponto de vista. “Quando você tem (bons) textos, quando há um bom drama por trás, quando você se sente apoiado por um roteiro, é maravilhoso para o ator. É o que sempre sonhamos”, diz o intérprete. UM GERENTE ESCURO Nesta ocasião, Francella se coloca no lugar de Eliseo, responsável por um rico prédio em Buenos Aires há mais de 30 anos: afável, educado e prestativo aos vizinhos, em particular ele mostra seu lado mais cínico e manipulador . para se safar disso. Composta por 11 episódios de 30 minutos, a série começa quando o presidente do consórcio, Matías Zambrano (Gabriel Goity), levanta a possibilidade de instalar uma piscina no terraço do prédio, o que obrigaria a casa do responsável ser demolido e dispensando dos seus serviços. “Diante da adversidade, ele é alguém difícil de enfrentar, porque é uma pessoa muito inteligente. Ele é muito poderoso e não é fácil levá-lo adiante”, diz Francella sobre seu personagem, que assim que descobre esses planeja puxar os cordelinhos para evitar o despejo, sem se preocupar com a ética de suas ações. Cohn e Duprat reconhecem que vinham trabalhando há vários anos em uma ficção em torno da figura do gerente na Argentina, que “é muito diferente da de outros países”. “Recolhemos muitas informações de amigos e conhecidos sobre experiências com gestores e vimos que havia um mundo muito rico para construir um personagem de grande complexidade e contradição, como o de Francella”, garante Duprat à EFE. RELAÇÃO COM AS PLATAFORMAS Autores de longas-metragens como “O Ilustre Cidadão”, “Minha Obra-prima” ou “Concorrência Oficial”, Cohn e Duprat certificam com “El Encargado” seu compromisso com as novas plataformas de streaming, a ponto de no próximo ano vai estrear “Nada”, série estrelada por Luis Brandoni e Robert de Niro, no Star+. De qualquer forma, Cohn afirma que o “rigor, a exigência e a paixão” de suas produções são exatamente os mesmos de antes, já que “o sentimento e o desejo de filmar ultrapassam qualquer tipo de volume”. “Sempre fizemos as coisas com muito cuidado e achando que era o melhor possível sem deixar nada no tinteiro e, ao mesmo tempo, como força motriz pensando que o que fazíamos proporcionava um novo ponto de vista da narrativa, da estética e do os conceituais” aponta Duprat, acrescentando que eles são “um pouco ‘outsiders'” da “guilda dos diretores”, vindos das artes plásticas e do cinema experimental. Esse interesse em trabalhar com plataformas digitais é partilhado por Francella, para quem deveriam “conviver” com o cinema e a televisão tradicionais. “Gosto da possibilidade de os filmes serem lançados nos cinemas e, depois de uma janela de seis semanas, irem para streaming para todo o mundo, mas que eles sejam lançados nos cinemas primeiro. Que eles possam comungar os dois mundos parece-me que seria ideal”, diz Francella, que este ano estreou o filme “Hail” na Netflix. CARREIRAS EM ASCENSÃO Com mais de 60 séries e filmes atrás dela, Francella sente que está em um momento de “plenitude” em sua carreira de atriz: em janeiro ela vai lançar “Married with Children” no teatro, uma revisão da popular televisão comédia , e em abril vai estrear um ‘suspense’ com Martino Zaidelis, chamado “O Colaborador”. “A comédia era uma anedota. É o gênero que eu mais amo, mas queria explorar outros universos. Para mim foi uma busca, eu confiei, eles confiaram, e grandes sucessos podem ser feitos com conteúdo que não é comédia, ” sublinha um dos atores argentinos mais reconhecidos. Esse sucesso também está sendo experimentado por Cohn e Duprat, que “no final do ano que vem” gravarão um longa-metragem nos Estados Unidos com “um número” do qual, por enquanto, eles não forneceram maiores detalhes. Javier Castro Bugarin (c) Agência EFE

Joseph Salvage

"Fanático hardcore de mídia social. Propenso a ataques de apatia. Criador. Pensador. Guru dedicado da web. Aficionado por cultura pop. Solucionador de problemas."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *