O russo Roman Abramovich, dono do Chelsea, teria falsificado documentos judaicos

A justiça portuguesa realizou incursões e prendeu o rabino do Porto no âmbito de uma investigação sobre a naturalização de descendentes de judeus de que beneficiou o bilionário russo Roman Abramovich, proprietário do Chelsea em Inglaterra, anunciaram sexta-feira as autoridades.

A investigação estuda fatos “suscetíveis de constituir crimes de tráfico de influência, corrupção ativa, falsificação de documentos, lavagem de dinheiro” ou “fraude fiscal”, disse a promotoria em comunicado.

Daniel Litvak, rabino-chefe do Porto, foi preso quinta-feira naquela cidade do norte de Portugal quando se preparava para viajar para Israel, segundo a mídia local.

Neste sábado ele deve comparecer perante um juiz que decidirá as medidas de controle judicial que serão aplicadas a ele.

A justiça portuguesa abriu em janeiro passado uma investigação sobre o processo de naturalização de Roman Abramovich, proprietário do clube de futebol londrino Chelsea, que obteve a nacionalidade em abril de 2021.

O bilionário russo se beneficiou de uma lei que permite que descendentes de judeus sefarditas, perseguidos e expulsos no final do século XV, obtenham a nacionalidade portuguesa.

Para tal, as comunidades judaicas do Porto ou de Lisboa devem fornecer um certificado de ascendência judaica do requerente. As autoridades suspeitam que os responsáveis ​​por estas comunidades entregaram certidões falsas, segundo um comunicado da comunidade judaica do Porto, que rejeita estas acusações.

Outros pedidos de naturalização, como o apresentado por Patrick Drahi, proprietário e fundador do grupo de telecomunicações e mídia Altice, também estão sendo investigados, segundo o comunicado.

Desde que a lei entrou em vigor há sete anos, mais de 137.000 petições foram apresentadas. pedidos de nacionalidade. Segundo dados da comunidade israelense do Porto, mais de 56.000 descendentes de judeus sefarditas a obtiveram.

Mais sanções

O primeiro-ministro canadense, Justin Trudeau, anunciou na sexta-feira novas sanções contra os oligarcas russos, incluindo Roman Abramovich, em retaliação à invasão da Ucrânia por Moscou.

“Hoje anunciamos sanções contra cinco outras pessoas, incluindo Roman AbramovichTrudeau a repórteres em Varsóvia após uma viagem de seis dias pela Europa.

“Essas pessoas não poderão fazer negócios no Canadá e seus bens serão congelados”, acrescentou o primeiro-ministro.

Os cinco oligarcas são atuais e ex-altos funcionários e associados do governo do presidente Vladimir Putin, considerados pelo Canadá como “cúmplices da decisão … de invadir um país pacífico e soberano”, segundo um comunicado do gabinete do primeiro-ministro. Canadense.

O Canadá é o segundo país a sancionar Roman Abramovich, depois que o Reino Unido o fez na quinta-feira.

Abramovich é acionista da multinacional britânica Evraz, que administra,siderúrgicas no centro do Canadá, nas províncias de Saskatchewan e Alberta.

Trudeau já havia anunciado sanções a 32 empresas militares russas na sexta-feira.

Essas medidas se somam às inúmeras sanções adotadas pelo governo canadense desde a invasão da Ucrânia pela Rússia em 24 de fevereiro.

Na Polónia, o primeiro-ministro anunciou ainda um fundo de 50 milhões de dólares canadianos (39,3 milhões de dólares americanos) em ajuda humanitária e 117 milhões (92 milhões de dólares americanos) para a implementação de medidas migratórias destinadas a acolher no Canadá refugiados ucranianos que fogem da guerra.

Com informações da AFP.

Por se tratar de uma notícia de interesse global, todo o conteúdo sobre o conflito entre Rússia e Ucrânia estará disponível gratuitamente para nossos leitores em todas as plataformas digitais da SEMANA.

Calvin Clayton

"Encrenqueiro incurável. Explorador. Estudante. Especialista profissional em álcool. Geek da Internet."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *