O que é a OTAN, quem são seus membros e quando atua?

(CNN) — A OTAN, Organização do Tratado do Atlântico Norte, seu nome completo, é uma aliança de defesa europeia e norte-americana não agressiva criada para promover a paz e a estabilidade e salvaguardar a segurança de seus membros.

A organização, com sede em Bruxelas, Bélgica, foi criada com a intensificação da Guerra Fria. Seu objetivo era proteger os países da Europa Ocidental da ameaça representada pela União Soviética e combater a disseminação do comunismo após a Segunda Guerra Mundial.

Em abril de 1949, seus 12 fundadores – Estados Unidos, Canadá, Reino Unido, França e outras oito nações européias – assinaram o Tratado do Atlântico Norte, comprometendo-se a proteger uns aos outros por meios políticos e militares.

Desde então, a aliança cresceu: hoje tem 30 membros. Em ordem alfabética, eles são: Albânia, Alemanha, Bélgica, Bulgária, Canadá, Croácia, Dinamarca, Eslováquia, Eslovênia, Espanha, Estados Unidos, Estônia, França, Grécia, Hungria, Islândia, Itália, Letônia, Lituânia, Luxemburgo, Macedônia do Norte , Montenegro, Noruega, Holanda, Polónia, Portugal, Reino Unido, República Checa, Roménia e Turquia.

Desde o fim da Guerra Fria, mais de uma dúzia de países do antigo bloco oriental, incluindo três ex-repúblicas soviéticas, aderiram à aliança. A Rússia continua a ver a OTAN como uma ameaça, apesar do colapso da União Soviética. Em meio a tensões recentes com o Ocidente, a Rússia pediu garantias firmes de que a aliança não se expandirá ainda mais, algo que os membros da Otan têm resistido.

No entanto, desde maio de 20222, mais tensões se acumularam entre a OTAN e a Rússia devido à declaração de apoio à OTAN pelo presidente finlandês Sauli Niinisto e pela primeira-ministra Sanna Marin, depois que o governo finlandês apresentou recentemente um relatório sobre segurança nacional ao parlamento do país, traçando o caminho para ingressar na aliança como uma das opções da Finlândia, em meio à guerra da Rússia na Ucrânia.

A Finlândia e a Suécia apresentaram seus pedidos de adesão à OTAN em maio.

Todos os 30 membros da OTAN devem dar sua aprovação unânime para que um país seja aceito na aliança.

O que significa o princípio de defesa coletiva da OTAN?

Apesar das grandes mudanças geopolíticas que ocorreram desde a fundação da OTAN, seu objetivo permanece o mesmo. O princípio-chave em que se baseia a aliança é o da defesa coletiva: “Um ataque armado contra um ou mais deles na Europa ou na América do Norte será considerado um ataque contra todos eles”.

O princípio da defesa coletiva está incluído no artigo 5º do Tratado do Atlântico Norte. Garante que os recursos de toda a aliança possam ser usados ​​para proteger qualquer nação membro. Isso é crucial para muitos dos países menores, que seriam impotentes sem seus aliados. A Islândia, por exemplo, não tem um exército permanente.

Como os Estados Unidos são o maior e mais poderoso membro da OTAN, qualquer estado da aliança está efetivamente sob a proteção dos Estados Unidos.

De fato, a primeira e única vez que o Artigo 5 foi invocado foi após os ataques de 11 de setembro de 2001 contra os Estados Unidos; como consequência, os aliados da OTAN juntaram-se à invasão do Afeganistão.

No entanto, a OTAN também atuou em outras ocasiões.

Lançou medidas de defesa coletiva em 1991, quando desdobrou mísseis Patriot durante a Guerra do Golfo, em 2003 em meio à crise do Iraque e em 2012 em resposta à situação na Síria, também com mísseis Patriot.

Todos os três foram baseados em pedidos da Turquia.

Quais são os exércitos mais poderosos da OTAN? 1:31

A OTAN tem seu próprio exército?

Não. A OTAN depende da contribuição das forças de seus países membros, o que significa que é essencialmente tão forte quanto as forças individuais de cada nação. É do interesse de toda a coalizão garantir que cada país dedique recursos suficientes à sua defesa.

Este tem sido um dos principais pontos de atrito na aliança, com os EUA e o Reino Unido frequentemente criticando outros estados membros por não fazerem sua parte justa.

Os gastos militares dos EUA sempre diminuíram os orçamentos de outros aliados desde a fundação da OTAN em 1949. Mas a diferença tornou-se muito maior quando os EUA aumentaram seus gastos após os ataques de 11 de setembro.

De acordo com as diretrizes da OTAN, cada país deve gastar 2% de seu PIB em defesa, mas a maioria dos países está aquém desse objetivo.

O ex-presidente dos EUA, Donald Trump, foi particularmente eloquente sobre essa questão, exigindo que os países europeus fizessem mais e, a certa altura, até sugerindo que eles “devolvam” aos EUA seus déficits anteriores.

De acordo com as estimativas mais recentes da OTAN, sete estados membros, Grécia, Estados Unidos, Croácia, Reino Unido, Estônia, Letônia, Polônia, Lituânia, Romênia e França, atingiriam a meta de 2% em 2021.

Ainda assim, é uma melhoria significativa. Em 2014, apenas EUA, Reino Unido e Grécia gastaram mais de 2%.

Naquela época, todos os países membros que estavam abaixo do limite se comprometeram a aumentar os gastos militares para atingir a meta dentro de uma década. A maioria está cumprindo a promessa.

Como o papel da OTAN mudou ao longo do tempo?

Após a queda da União Soviética, a OTAN evoluiu e se expandiu.

Desde então, seus membros serviram como forças de paz na Bósnia, lutaram contra o tráfico de seres humanos e foram enviados para interceptar refugiados no Mediterrâneo.

A Aliança também está respondendo a novas maneiras pelas quais os conflitos podem se desenvolver, por exemplo, criando um centro de defesa cibernética na Estônia.

Frederik Pleitgen e Nadine Schmidt, da CNN, contribuíram para este relatório.

Calvin Clayton

"Encrenqueiro incurável. Explorador. Estudante. Especialista profissional em álcool. Geek da Internet."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.