O processo revolucionário e o Paraguai

domingo, 23 de outubro de 2022 | 6:00 da Manhã

Anunciada a Revolução de Maio, o prefeito do Paraguai, Bernardo de Velazco, mobilizou-se para conseguir que um conselho de vizinhos de Assunção rejeitasse o reconhecimento do Conselho de Buenos Aires em 24 de julho de 1810 e, paralelamente, jurasse fidelidade ao Conselho de Espanha Regência.

Diante disso, Mariano Moreno, um dos principais agentes da emancipação argentina, ordenou o envio de uma expedição ao Paraguai sob o comando de Manuel Belgrano.

O sentido dessa campanha foi mais fraterno do que opressor, daí a nomeação de um político para comandá-la e não de um militar, embora Belgrano tenha recebido a patente de Coronel Prefeito (equivalente a general) antes de sua partida. Apesar disso, o governo paraguaio fortificou as passagens sobre o Paraná para repelir a expedição belgranense.

Entre janeiro e março de 1811, ocorreram as batalhas de Campichuelo, onde triunfaram as tropas argentinas, e de Paraguarí e Tacuarí, onde foram derrotadas. Mas vale esclarecer que esses encontros não significavam disputas entre inimigos. Eles eram patriotas de dois países diferentes que se enfrentavam. Alguns, as forças de Buenos Aires, tentando integrar um território que consideravam pertencer a eles pelo direito de “uti possidetis” do ano de 1810, que sustentava a ideia de que, na época da revolução, toda a área que até então formou o Vice-Reino, passou a ser independente. Por sua vez, os paraguaios defenderam seu território contra o que consideravam uma invasão armada.

Essas atitudes de um e de outro se manifestarão no armistício de meados de março de 1811, depois de Tacuarí, quando Belgrano incutiu no cacique paraguaio, Cabañas, as ideias de liberdade que surgiram em maio de 1810 e que mais tarde provocaram a independência. do Paraguai em meados de 1811, quando as forças vitoriosas retornaram a Assunção.

A revolução de 14 e 15 de maio de 1811 no Paraguai foi preparada, dirigida e executada pela classe média, abastada e de tradição burguesa, graças aos seus vínculos com o exército, especialmente com aqueles chefes e oficiais que atuaram nas negociações de Tacuarí, e membros de famílias de longa data na província. A difusão desde Buenos Aires das idéias liberais nos aspectos econômico e político, fez crescer a esperança de tempos melhores naquela classe crioula-burguesa.

O movimento triunfante com a rendição de Velazco em 15 de maio de 1811, um governo foi formado sob o comando de Juan Valeriano Zeballos e José Gaspar Rodríguez de Francia, em caráter provisório até que um congresso geral fosse realizado. Este, reunido em 17 de junho do mesmo ano, elegeu um conselho de governo presidido por Fulgencio Yegros e composto também por Francisco Caballero, Francisco Bogarín e Fernando de la Mora.

Este congresso geral, base da independência paraguaia, resolveu como pontos principais que até a celebração de um congresso constituinte, o Paraguai seria governado sem a intervenção da Junta de Buenos Aires em seus assuntos políticos; Buenos Aires não exigiria direitos de entrada de erva-mate e outros produtos paraguaios; a tabacaria seria abolida, dando liberdade à venda de tabaco paraguaio; e, por último, que a Constituição ditada pelo Congresso não vincularia o Paraguai até que fosse ratificada em assembléia geral de seus habitantes.

A ideia perseguida era formar uma confederação vinculada às Províncias Unidas do Río de la Plata, mas independentemente disso.

Para a discussão dessas questões, Belgrano foi novamente incumbido de uma missão diplomática no Paraguai, assinando o Tratado de Paz e Limites com aquela Junta em 12 de outubro de 1811.

As decisões tomadas nesse pacto foram praticamente as que Assunção havia proposto no Congresso de 20 de julho, ou seja: a abolição dos impostos sobre as mercadorias paraguaias que eram cobrados em Buenos Aires; o Paraná como limite sul e leste de ambos os territórios, incluindo a custódia do departamento da Candelária; e o estabelecimento entre Buenos Aires e Assunção de uma federação e aliança indissolúvel.

O Triunvirato Argentino aprovou em 31 de outubro de 1812 o tratado assinado por Belgrano, mas contestando o artigo 4º, referente à “custódia” do departamento da Candelária, sob o argumento de que, na época da assinatura do tratado, os portugueses haviam invadido o território missionário e que, diante disso, Belgrano havia sido autorizado a conceder a posse temporária daquele departamento (hoje Misiones) para melhor defesa. Mas após assinar o armistício com Portugal, o Triunvirato solicitou sua restituição, considerando o Paraná como limite de ambos os governos.

A junta paraguaia manteve sua posição de defesa dos direitos nesse departamento até que a reunião do Congresso Geral tomasse as decisões finais sobre o assunto. Atrasado naquele congresso, Buenos Aires decidiu enviar Nicolás de Herrera para discutir novamente o assunto, missão que fracassou devido à posição fechada da Junta de Assunção. Os dois objetivos do diplomata (conseguir a adesão do Paraguai à Assembleia do ano 13 com o envio de dois deputados e a reintegração de Candelária) falharam por completo. A partir de então, o governo de Buenos Aires não voltou a insistir em conseguir a adesão do Paraguai à causa de Mayo.

Em Assunção, um Congresso em 1813 instituiu um governo consular nomeando Yegros e a França como cônsules da República. Um ano depois, outro Congresso estabeleceu a ditadura temporária, confiada à França, por um período de cinco anos, tornando-se em 1816 uma ditadura perpétua, centralizando todo o poder nela. O departamento de Candelária, por sua vez, permaneceu no poder paraguaio até 1815, quando as tropas de Andresito, por decisão de Artigas, o recuperaram por alguns anos.

Miranda Pearson

"Organizador. Introvertido. Fanático certificado pela internet. Beeraholic. Fã de álcool irritantemente humilde."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *