O fracasso da Itália, a exibição de Bale, o susto de Portugal e a vitória da Suécia | Esportes

Aos 92 minutos em Palermo, em seu segundo chute de toda a partida, com um forehand fenomenal de longo alcance de Trajkovski, a Macedônia do Norte expulsou a Itália da rota para a Copa do Mundo do Catar 2022 (0-1), em um golpe estrondoso de a ‘Azzurra’, pela segunda vez consecutiva fora do torneio de torneios, em contraste com a exibição de Gareth Bale com o País de Gales (2-1), a vitória de Portugal, assustada mas vitoriosa por 3-1 sobre a Turquia, e o triunfo da Suécia sobre a República Checa no prolongamento (1-0).

Quatro vezes campeã do planeta, a mais recente em 2006, a Itália não participou da Rússia em 2018 nem do Catar em 2022. Nunca em sua história ficou de fora de duas Copas do Mundo consecutivas. Além disso, em toda a sua história, só havia disputado duas Copas do Mundo antes de 2018. Fato que dá a dimensão do fiasco da seleção italiana, cuja ofensiva colidiu repetidas vezes com a resistência macedônia, que, de repente, sem intuir, ‘driblado’ para a prorrogação, com a chicotada de Trajkovski arruinando a Itália e provocando a façanha da Macedônia, já que a partida invariavelmente rumava para a prorrogação.

O gol, ao lado da trave, incontestável, foi comemorado por toda a equipe em campo, ciente do feito histórico que isso acarreta, entre o gesto de incredulidade de Roberto Mancini, técnico da Itália, e toda a sua equipe, com alguns dos seus jogadores foram eliminados em campo por um impensável, mas devastador, 0 a 1. “É difícil explicar, há uma grande decepção, estamos devastados”, admitiu Giorgio Chiellini.

Não há Copa do Mundo para a Itália, campeã europeia há menos de um ano. Sua terceira derrota em 44 jogos desde sua ausência na Rússia 2018 o afastou de um lugar onde deveria estar sempre e onde Sérvia, Espanha, Suíça, França, Bélgica, Dinamarca, Holanda, Croácia, Inglaterra, Alemanha, Brasil, Argentina, Irã, Arábia Saudita, Coreia do Sul, Japão e Catar, este último como anfitrião da competição que terá início em 21 de novembro deste ano.

A Macedónia do Norte desafia agora Portugal em solo português. No calor do público no Do Dragão, Cristiano e seus companheiros venceram a Turquia (2-1). Eles só precisaram de 41 minutos para impor as previsões, embora depois tenham sofrido para manter a vitória.

O 2-0 foi então uma demonstração inquestionável da equipa portuguesa, sem João Félix – suplente por mais esplêndido que seja o seu momento actual no Atlético de Madrid, depois entrou aos 71 minutos – e com Cristiano Ronaldo, embora a sua equipa tenha não exigir que os gols de sua estrela derrubassem seu oponente com uma velocidade que finalmente era mais aparente do que qualquer outra coisa.

Porque, embora ao fim de um quarto de hora um remate ao poste de Bernardo Silva tenha aberto o caminho para Otávio por 1-0, foi rápido a chegar à rejeição do poste e transformá-la em muito mais, e um cabeceamento certeiro de Diogo Jota pareceu sufocar a reação do rival e sentenciar o jogo aos 41 minutos, a Turquia se rebelou contra tamanha diferença com o 2 a 1 de Burak Yilmaz que sustentou a emoção e colocou o bloqueio de Cristiano Ronaldo contra as cordas a tal ponto que o atacante turco teve uma penalidade nos 85 para forçar a prorrogação. Ele o jogou nas nuvens. E todo Portugal respirou aliviado, ainda mais com o 3-1 de Matheus nos descontos.

O ‘OUTRO’ BALO

Dotado de uma qualidade indiscutível, quando Gareth Bale joga pela sua seleção é um líder indiscutível para o País de Gales, que encerrou o duelo contra a Áustria na quinta-feira com um magnífico ‘duplo’ da sua estrela, rumo a uma das três finais dos playoffs europeus para a Copa do Mundo de 2022, contra o vencedor da Escócia-Ucrânia adiado devido à invasão russa e data pendente.

Bale disputou os mesmos jogos nesta temporada pelo seu país (cinco em oito possíveis) e pelo Real Madrid (cinco em 40 possíveis). Apenas quatro dias depois de estar indisponível para um jogo da dimensão do ‘clássico’ entre a sua equipa e o Barcelona, ​​o atacante reapareceu com o País de Gales. Com a camisa vermelha de seu país, é mais um jogador de futebol, um jogador que faz a diferença, se envolve, joga, atua como líder e descobre todo o seu futebol.

Nunca houve qualquer dúvida sobre seu talento, sua precisão, sua habilidade ou habilidade. Se somarmos ao compromisso que mantém inalterável com sua seleção (muito mais duvidosa com seu clube, o Real Madrid), surge uma versão imponente de Bale, determinado a levar seu time a uma Copa do Mundo 64 anos depois. Desde 1958, o País de Gales não competiu em uma fase final. O grande golo com que marcou o 1-0 exprime as contradições da sua carreira, hoje um jogador menor e insubstancial no seu clube, mas um futebolista definitivo para o futebol galês.

Ele derrotou a Áustria. Aos 25 minutos, o tiro livre direto de 1 a 0 representou a perfeição, pela trocação, pela força, pela direção, por qualquer qualidade que tal chute implique. Um tremendo gol de pé esquerdo que ninguém conseguiria, nem mesmo o melhor dos goleiros. Para o mesmo time, e talvez para a Copa do Mundo, ainda pendente para vencer a Escócia ou a Ucrânia, dependendo de quem vencer quem em sua partida adiada.

Bale não parou por aí, que ampliou a diferença no início do segundo tempo, em um centro que não parecia nada, até que, de repente, o ’11’ domou a bola com a direita para conectar de imediato uma esquerda- cruzamento de pé que surpreendeu quase todos, menos ele, tão convicto quando joga com sua seleção, e seus companheiros, tão acostumados a contemplar o melhor repertório atual do futebolista. A Áustria marcou 2-1 com 25 minutos restantes. Não foi além. Não foi suficiente.

Bale, que terminou com algum desconforto, ainda precisa de mais uma vitória para estar na Copa do Mundo de 2022, assim como Robert Lewandowski e Polônia. Diretamente para a final em sua casa, devido à exclusão da Rússia pela invasão da Ucrânia, nesta quinta-feira ele conheceu seu rival: a Suécia. E com a vantagem acrescida do fardo do prolongamento que teve de jogar para vencer a República Checa (1-0) em Solna, cujo golo foi anulado pelo árbitro no início do jogo.

Depois, o duelo durou até duas horas de jogo. A partir dos 109 minutos, a Suécia foi a vencedora, que conectou com o gol para seguir rumo à final. O golo saiu de Quaison, que combinou com Alexander Isak para derrubar a defesa da República Checa. A Polónia aguarda na próxima terça-feira. E a Copa do Mundo?

Inaki Dufour

Elite Boss

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.