O Festival Gabo oferecerá cinco oficinas temáticas em sua primeira vez em Bogotá

Bogotá, 12 de outubro (EFE).- A décima edição do Festival Gabo, que será realizado de 21 a 23 de outubro pela primeira vez em Bogotá, oferecerá cinco oficinas temáticas sobre jornalismo narrativo, cobertura da crise climática e novas narrativas, entre outros, e serão ministradas por profissionais nacionais e internacionais.

Para as oficinas, que serão realizadas presencialmente na escola Gymnasium Moderno, na capital colombiana, foram selecionados 150 alunos, jornalistas, comunicadores e pesquisadores.

“Os quatro caminhos do jornalismo narrativo”, com Roberto Herrscher; “Cobertura da crise climática e sua relação com a reciclagem inclusiva”, com Jazmín Acuña; “Narrativas imersivas: jornalismo de hoje e Google Web Stories”, com Fernanda Nascimento; “Narrativas sonoras sobre a diversidade”, com Jesús Blanquiño, e “Vou contar uma história: As chaves da audioficção”, com Julio Rojas, compõem a programação.

O Festival Gabo, que este ano mudou de Medellín para Bogotá, é inspirado no discurso “A Solidão da América Latina”, proferido por Gabriel García Márquez em 1982, quando se tornou o primeiro e único colombiano a receber o Prêmio Nobel de Literatura, celebrando o 40º aniversário deste marco.

Por isso, grande parte da programação além das oficinas, que inclui, entre outros, palestras e colóquios, está focada na vida e obra de García Márquez.

Durante a celebração do festival, os prêmios também serão entregues aos vencedores do Prêmio Gabo em uma edição em que os protagonistas foram os jornalistas argentinos, vencedores de três das cinco categorias, conforme anunciou terça-feira a Fundação Gabo, que organiza o festival.

Os argentinos Ricardo Robins, na categoria Texto; Nicolás Maggi e Erre Podcast da Radio Universidad de Rosario, em Áudio, e Rodrigo Abd, em Fotografia, foram anunciados como vencedores.

Junto com eles, o júri elegeu a Agência Ocote da Guatemala, premiada na categoria Cobertura; e uma equipa de jornalistas e designers do diário Observador, de Portugal, que ganhou o prémio Imagem.

Os vencedores foram escolhidos entre 1.980 trabalhos inscritos que foram publicados entre 1º de julho de 2021 e 7 de junho de 2022 por meios de comunicação com audiências na América Latina, Espanha e Portugal.

Uma das principais diferenças na edição deste ano será que, ao contrário da metodologia utilizada em anos anteriores quando os vencedores foram anunciados numa gala, desta vez não houve lista de finalistas mas sim dos 50 nomeados, 10 para cada categoria, foi direto para os cinco vencedores.

Darcy Franklin

"Amante da TV. Ninja da música. Fanático por viagens amador. Fã de bacon. Evangelista de comida amigável. Organizador freelance. Fanático certificado pelo twitter."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *