Mundial de Futebol 2022: Vantagem para Portugal, dever de casa para a Croácia | Esportes

Portugal chega ao final da fase de grupos das eliminatórias europeias na mesma situação que a Espanha, com um jogo em casa e sabendo que um empate é suficiente para garantir a passagem para o próximo Mundial. A seleção portuguesa cumpriu ontem sem se exibir em solo irlandês, onde fez o suficiente para não perder essa vantagem e assinou um empate (0-0) que pareceu satisfazer a todos menos o voraz Cristiano Ronaldo, que procurava engrossar uma estatística devastadora que tem dois golos em 800 em jogos oficiais (5 com o Sporting, 127 com o Manchester United, 450 com o Real Madrid, 101 com a Juventus e 115 com Portugal).

Mas ninguém marcou no Aviva Stadium, o renovado estádio Lansdowne Road, lotado de torcedores para um jogo em que nada ia para a Irlanda, que tem uma fase classificatória ruim, com apenas uma vitória em sete jogos e sem ter conseguido vencer um único jogo em Dublin. Portugal manteve algumas peças como Ruben Dias, Cancelo ou Diogo Jota. Bernardo Silva ficou em Lisboa para recuperar de uma doença. João Félix mal jogou o último quarto de hora, justamente quando a Irlanda se animou no ataque e partiu para a vitória.

Cristiano conseguiu marcar, mas faltou pontaria. Um cruzamento de André Silva cabeceou perto do poste a meio da segunda parte. No final, a equipa comandada por Fernando Santos aceitou um empate que a colocou na liderança do grupo, empatada em pontos com a Sérvia, que disputou um amigável frente ao Qatar (4-0) e já sabe que só a vitória em Lisboa vale Vale a pena. Eles estarão lá no domingo com toda a dinamite de seu ataque: Vlahovic, Jovic e Milinkovic-Savic aguçaram a mira e marcaram no amistoso contra os anfitriões da Copa do Mundo. Em Portugal Pepe será baixo, expulso.

Rússia e Croácia também disputarão uma passagem para o Catar no domingo em outro duelo direto. Neste caso são os russos que têm a vantagem que o empate lhes dá o passe. Os croatas jogam em casa, em Split. Na penúltima estaca, ambas as equipes cumpriram o procedimento. A Rússia retomou o duelo contra o Chipre aos quatro minutos, com um gol do meio-campista do Zenit, Erokhin. E mal sofreu até que no segundo tempo acabou derrubando a barreira do rival com mais cinco gols (6-0). Valeri Karpin assumiu o comando técnico em julho passado e seus resultados são animadores: cinco vitórias e um empate, em Moscou, contra os croatas; 13 gols a favor e apenas um contra.

tiro pela culatra romeno

A reunião de Split será um teste decisivo para os russos. A Croácia estava atrás no grupo desde a derrota inicial no campo da Eslovênia e um segundo tropeço contra a Eslováquia no dia anterior os deixou em uma situação-limite. Não conseguiu tropeçar em Malta e venceu um fraco rival (1-7) numa noite em que salvou algumas peças, sobretudo na defesa. Modric, Perisic e Kramaric não jogaram nem uma hora. Eles saíram depois de marcar um gol cada.

Em Bucareste, a Romênia sofreu a reviravolta, tendo perdido as últimas cinco Copas do Mundo e agora precisa vencer no último dia em Liechtenstein e para a Macedônia do Norte tropeçar em seu campo contra a Islândia para acessar os playoffs. A equipe nórdica não tem mais chances, mas empatou (0-0) em Bucareste e tirou a vantagem do adversário pelo segundo lugar do grupo.

O sonho arménio de Joaquín Caparrós, treinador da equipa da ex-república soviética, terminou de forma grosseira com uma vitória em casa frente à Macedónia do Norte (0-5), equipa que já estava no último Campeonato da Europa aproveitando a Liga de Nações e que agora depende de si mesmo para disputar o playoff que pode levar à sua primeira Copa do Mundo, com seu capitão Enis Bardhi ao volante. O meio-campista do Levante marcou três gols em Yerevan, dois deles de pênaltis e derrubou a Armênia, que tinha dez pontos nos quatro primeiros jogos, mas desde então caiu com dois empates e três derrotas nos próximos cinco jogos, incluindo um revés em casa contra o modesto Liechtenstein.

A despretensiosa equipa alpina passou uma noite de pesadelo em Berlim, onde estava em desvantagem aos dez minutos e sofreu quatro golos no quarto de hora seguinte. A Alemanha já estava classificada, mas não evitou passar o rolo em um jogo em que Hansi Flick juntou um onze sem rotações excessivas. Gündogan, Sané, Reus e Kaufmann, defesa do Liechtenstein, fecharam o acordo com os seus golos no primeiro quarto do jogo e desencadearam uma vitória escandalosa (9-0).

Você pode acompanhar o EL PAÍS DEPORTES em Facebook S Twitterou cadastre-se aqui para receber nosso boletim semanal.

Elite Boss

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.