Muitas sombras, pouca luz e um paradoxo nas estreias de Espanha

Treinadores e jogadores de futebol concordam que o primeiro jogo de um torneio de seleções é o mais complicado porque o nervosismo da estreia e a tendência de se esconder para não perder podem ser uma grande armadilha. Espanha começa a caminhar esta quarta-feira em Catar contra a Costa Rica no Estádio Al Thumama e todos os jogadores que se apresentaram à mídia nas horas que antecederam o confronto na sede do time alertaram que os começos não costumam ser fáceis, independentemente do potencial do rival.

La Roja não é particularmente bom nas estreias na Copa do Mundo. Nos cinco eventos planetários deste século houve mais sombras do que luzes e o melhor paradoxo possível; na África do Sul 2010 eles perderam na partida contra a Suíça e um mês depois levantaram o troféu em Joanesburgo. Se voltarmos ao século passado, o saldo de estreias é sombrio.

Nas Copas do Mundo no início de 2000, as notícias nas estreias foram positivas, embora posteriormente o desenvolvimento da competição tenha deixado um gosto muito amargo. A Espanha venceu a Eslovênia (3 a 1) com solvência na Coréia, mas fez as malas nas quartas de final ao sucumbir na disputa de pênaltis contra os donos da casa aos 120 minutos em que a arbitragem interrompeu seus sonhos.

Quatro anos depois, na Alemanha, uma vitória contundente na estreia frente à Ucrânia (4-0) que despertou o entusiasmo dos adeptos. A subseqüente rebelião liderada por Raúl, com Cañizares e Salgado como principais tenentes, dinamitou a concentração e as chances de vitória foram explodidas. Os internacionais liderados por Luis Aragonés apareceram nos oitavos-de-final desunidos e com pouca vontade de dar tudo de si, com um ambiente interno muito tóxico e com o meio a fiscalizá-los. Derrota (1-3) contra a França.

A La Roja foi para a África do Sul com a moral nas alturas por causa do título continental conquistado na Áustria e na Suíça e com a opinião quase unânime de que jogava o melhor futebol do momento. Depois da exibição na Eurocup, era sem dúvida uma das principais favoritas. Mas o começo não poderia ser mais desanimador. A Suíça o ultrapassou no mínimo e o colocou contra as cordas. Longe de entrar em colapso, a Espanha se recuperou em grande estilo e progrediu brilhantemente no torneio até vencer após a prorrogação na final com o gol histórico de Iniesta.

  • Coreia 2002: Espanha 3 x 1 Eslovênia

  • Alemanha 2006: Espanha 4-0 Ucrânia

  • África do Sul 2010: Espanha 0-1 Suíça

  • Brasil 2014: Espanha 1-5 Holanda

  • Rússia 2018: Portugal 3-3 Espanha

A vingança dos holandeses veio no Brasil 2014. A seleção, que voltou a deslumbrar dois anos antes na Euro 2012, sofreu um revés (1 a 5) da qual não conseguiu se recuperar. Adeus na fase de grupos. Na Rússia, após o susto histriônico de Julen Lopetegui, empate em três gols na estreia contra Portugal. Em casa nas oitavas de final nos pênaltis contra os donos da casa.

Neste século houve de tudo em estreias, mas no anterior, e tomando como referência o Mundial de 1982 em Espanha, as estatísticas não são muito animadoras. Empate naquele jogo contra Honduras (1-1), derrota no México com o Brasil (0-1), dois empates consecutivos contra Uruguai (sem gols) e Coreia (2-2) e derrota contra a Nigéria em 1998 (2-3) . Nem uma única vitória em dezesseis anos.

Miranda Pearson

"Organizador. Introvertido. Fanático certificado pela internet. Beeraholic. Fã de álcool irritantemente humilde."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *