Monkeypox: estudam um possível caso na Colômbia – Saúde

O Instituto Nacional de Saúde (INS) observou que não há casos confirmados de varíola na Colômbia, mas adianta a análise de possíveis contatos de um viajante da Espanha que, ao retornar ao seu país, foi diagnosticado com o vírus.

(Você pode estar interessado: Recomendações do Reino Unido para evitar o contágio da varíola dos macacos)

De acordo com o INS, foi reiterado que neste momento na Colômbia não há casos confirmados de varíola. “O país está a trabalhar no estudo e acompanhamento de qualquer caso que cumpra o perfil já definido nas orientações dadas às entidades que prestam serviços de saúde.”

A entidade confirmou ainda que se mantém a análise de possíveis contactos de um viajante proveniente de Espanha,
Ele possivelmente veio com o vírus no período de incubação, totalmente assintomático, e quando voltou ao seu país apresentou o quadro clínico da doença e lá foi confirmado com varicela.

“Enfatiza-se que todos os casos apresentados no mundo e nos locais de origem dos surtos apresentam quadros benignos, autolimitados (ou seja, os
doença completa seu período de tempo e o indivíduo começa sua recuperação) e sem
complicações”, disse.

Por sua vez, a Organização Mundial da Saúde está em alerta para os casos de varíola dos macacos detectados no Reino Unido desde 6 de maio. A essas infecções somam-se as encontradas nos Estados Unidos, Espanha e Portugal.

(Não deixe de ler: Monkeypox: o que é e que medidas a Colômbia tomará?)

De acordo com o Instituto Nacional de Saúde (INS) da Colômbia, esta doença é um vírus do tipo POX que pode ser transmitido por muitos animais e as infecções que ocorrem em humanos ocorrem especificamente quando um humano entra no habitat natural do animal.

De acordo com o INS, a detecção precoce é muito importante para quebrar uma cadeia de transmissão. Quando o vírus atinge órgãos do corpo humano, como o cérebro ou os pulmões, pode causar a morte.mas é mais provável que uma morte ocorra em mil casos do que em poucos casos.

(Não deixe de ler: Espanha fecha preventivamente a sauna devido a casos de varíola)

A entidade mencionou que não é um vírus novo, porém, sua origem é principalmente em macacos. E embora o vírus do macaco possa causar preocupação pública, um vírus como o sarampo é centenas de vezes mais provável e mais grave porque é altamente contagioso.

É importante lembrar que há casos de sarampo nos Estados Unidos, Brasil e Venezuela. Também se espalha eficientemente de homem para homem através do trato respiratório.

Na Colômbia, o trabalho se concentra no aperfeiçoamento do Sistema de Vigilância Sanitária.
O INS reforçou o monitoramento de doenças ou surtos que causam erupções cutâneas ou erupções cutâneas.

(Leia também: Os riscos reais da Monkeypox)

Além do mais, a entidade também realizou uma análise de situação com os Centros de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidoss (CDC) e estão construindo uma diretriz de vigilância para os serviços de saúde.

Também convidamos você a ler:

– Monkeypox requer vigilância, mas sem grandes alarmes

– A OMS prevê que mais casos de varicela apareçam

– Anorexia vai além de querer ser magra: depoimento de sobrevivente

Elite Boss

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.