Meio ambiente destaca conquistas em ecossistemas marinhos em conferência da ONU

Lisboa, Portugal.- O Ministério do Meio Ambiente e Recursos Naturaisdurante sua participação na segunda Conferência sobre os Oceanos da Organização das Nações Unidas (ONU) que busca apoiar a Implementação do Objetivo de Desenvolvimento Sustentável 14destacou que A República Dominicana é um dos países mais afetados no mundo por eventos hidrometeorológicos extremosembora, como nação, seja responsável por apenas 0,06% das emissões de gases de efeito estufa.

A representação do país neste fórum está a cargo do Vice-Ministro dos Recursos Costeiros e Marinhos, José Ramón Reyes, que salientou que apesar da pequena dimensão da ilha, possui uma biodiversidade única e grande riqueza no seu ambiente marítimo, um importante pólo turístico mas que também é altamente vulnerável às mudanças climáticas.

“Na República Dominicana estamos trabalhando fortemente com os ecossistemas marinhos e sua relação com os serviços ecossistêmicos, especialmente orientados para a gestão sustentável de nossas áreas protegidas e a conservação da diversidade biológica, manguezais e recifes de coral”.

José Ramón Reyes especificou que a abordagem ecossistêmica busca soluções baseadas na natureza, aprimorando os serviços que presta e economizando tempo e dinheiro em megaprojetos que muitas vezes funcionam apenas como um remendo para um problema original.

Você também pode estar interessado em: República Dominicana é eleita vice-presidente da Conferência das Nações Unidas sobre os Oceanos

dentro do ações programáticas As atividades operacionais realizadas pelo país incluem: monitoramento, avaliação, restauração e mitigação, seguindo estratégias regionais, no âmbito dos importantes acordos em que o país é parte contratante. Entre eles, o Convenção de Cartagena e seus protocolos e o Convenção Regional dos Mares; bem como iniciativas internacionais e regionais com suas respectivas estratégias e planos de ação nas principais linhas de conservação.

O Vice-Ministro dos Recursos Costeiros e Marinhos salientou que: “Nosso país conseguiu adquirir importantes experiências por meio de programas de gestão contínua para a restauração de ecossistemas de recifes de corais e monitoramento de doenças de corais e síndrome de branqueamento de corais, por meio de parcerias público-privadas. Conseguimos nos posicionar como um dos países pioneiros na restauração de corais no Caribeatravés de projetos experimentais de reprodução sexuada e assexuada de corais e restauração de corais através da promoção de projetos de jardinagem ou viveiros de coral, tendo em conta a avaliação e desempenho destes projetos, bem como a sua dimensão social, ecológica e educativa”.

De igual modo, destacou-se o estatuto de Estado insular, onde foram redobrados os esforços para combater o principal fator que afeta os nossos oceanos e a subsistência das pessoas que deles dependem para as suas atividades produtivas, que é das Alterações Climáticas. Da mesma forma, disse que nossas capacidades estão sendo fortalecidas para aumentar a resiliência contra os efeitos adversos desse fenômeno e concentrando esforços na geração de novas fontes de financiamento através do carbono azul com a proteção dos manguezais e enfrentando nossa principal ameaça ao turismo, o sargaço.

É importante lembrar que a República Dominicana sediará o Semana Regional do Clima para a América Latina e o Caribe que acontecerá de 18 a 22 de julho, evento que proporcionará a oportunidade de fortalecer os laços de cooperação regional em temas de inovação, capacitação, intercâmbio de conhecimento e dados e mobilização de capital financeiro para a conservação e gestão sustentável de nossos oceanos.

Calvin Clayton

"Encrenqueiro incurável. Explorador. Estudante. Especialista profissional em álcool. Geek da Internet."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.