Macron se reúne com líderes políticos após parlamentares

PARIS (AP) – O presidente francês Emmanuel Macron se reuniu com os líderes dos principais partidos da França nesta terça-feira, depois que sua aliança centrista não conseguiu obter a maioria absoluta nas eleições parlamentares.

A primeira-ministra Elisabeth Borne apresentou oficialmente sua renúncia na terça-feira, como é a tradição por trás dos parlamentares. Macron imediatamente rejeitou a oferta e manteve o atual governo.

A aliança do presidente, Juntos!, conquistou 245 cadeiras na votação de domingo, mas ficou 44 cadeiras aquém da maioria absoluta na Assembleia Nacional, a câmara mais poderosa do parlamento francês.

A coalizão de esquerda Nupes conquistou 131 cadeiras para se tornar a principal força de oposição. O Grupo Nacional de extrema-direita conquistou 89 assentos na câmara de 577 membros, acima dos oito anteriores.

Macron planejava realizar uma sucessão de encontros com opositores, como o presidente dos republicanos, Christian Jacob; o líder do Partido Socialista, Olivier Faure, e a líder de extrema-direita Marine Le Pen. Outras reuniões estavam marcadas para quarta-feira.

O presidente também receberia membros de seu partido e movimentos aliados no Eliseu.

As conversas visavam encontrar “possíveis soluções construtivas” para a situação, segundo o gabinete de Macron.

Macron ainda não fez uma declaração pública sobre o resultado da eleição.

Seu governo ainda tem o maior número de cadeiras na Assembleia Nacional e pode governar, mas apenas negociando com os legisladores. Para evitar um possível impasse, o partido de Macron e seus aliados podem tentar negociar cada medida separadamente com parlamentares de centro-esquerda e conservadores.

Macron foi reeleito em abril com promessas de aumento do poder de compra, redução de impostos e aumento da idade mínima de aposentadoria de 62 para 65 anos.

Ao sair do Eliseu, Jacob disse que os republicanos, que têm 61 cadeiras, continuarão sendo uma força de oposição e não farão nenhum “pacto ou coalizão” com os centristas de Macron. No entanto, ele abriu a porta para votar a favor de algumas medidas se elas se encaixarem na linha do seu partido.

Especificamente, ele mencionou as reformas previdenciárias, já que, como Macron, os conservadores são a favor do aumento da idade de aposentadoria.

O líder dos socialistas, Olivier Faure, disse à imprensa que “é possível avançar”, embora “não aprovemos políticas contrárias aos compromissos que temos com os franceses”.

Faure defendeu uma medida proposta pela coalizão de esquerda para elevar o salário mínimo mensal para cerca de 1.500 euros dos atuais cerca de 1.300.

Macron também terá que administrar outro problema: uma reforma do governo. Três ministros, dos 15 que se candidataram à reeleição, perderam seus cargos e não poderão permanecer no governo dentro das regras que ele estabeleceu.

Membros do governo devem se reunir na tarde de terça-feira no gabinete do primeiro-ministro.

Embora se espere que a situação do parlamento o mantenha ocupado em casa, não se espera que desestabilize a agenda internacional de Macron. O presidente francês tem poderes consideráveis ​​sobre política externa, assuntos europeus e defesa.

Macron está programado para viajar a Bruxelas para uma cúpula europeia na quinta e sexta-feira. Em seguida, ele participará de uma cúpula do G7 na Alemanha na próxima semana, seguida de uma cúpula da OTAN na Espanha e uma breve visita a Portugal.

Elite Boss

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.