León se prepara para a grande mobilização dos irrigantes

Os irrigantes rejeitam a transferência de água para Portugal e vão mobilizar-se amanhã, segunda-feira, em León | Contam com o apoio das organizações agrárias, Ferduero ou UPL e defendem que são reservas que se gastam para produzir energia

As comunidades irrigantes que se abastecem das albufeiras de Riaño e Porma, na província de León, deram um passo em frente e na próxima segunda-feira, 19 de setembro, vão mobilizar-se na capital leonina para manifestar a sua recusa em transferir a água dessas albufeiras para Portugal. Os salamancanos de Santa Teresa e Irueña ou Almendra, na província de Zamora, estão na mesma situação.

A manifestação, que terá início às 12h00 no Palácio de los Deportes, conta com o apoio das organizações agrícolas, UPL e da Associação das Comunidades de Rega da Bacia do Douro, Ferduero.

A água está sendo liberada em virtude do acordo de Albufeira, que data de 1998, mas nas palavras do presidente da Ferduero, Ángel González Quintanilla, “quando não há seca, o acordo pode ser cumprido, mas o que não pode ser é que estamos a poupar água para a próxima campanha e que quando termina a irrigação em Espanha e Portugal, a água é libertada para produzir energia, não concordamos».

Galeria.

Desde 2017, outro período de grande seca, “pedimos a reforma desse acordo, e aqui ninguém mexe um dedo”, insiste.

González esclarece que «as reservas que agora estão a caminho de Portugal são para produzir electricidade, porque não são utilizadas para irrigação nem para abastecimento; se fosse esse o problema não haveria problema, mas é para energia, desde os reservatórios de cabeceira até chegar ao mar, é turbinado 15 ou 20 vezes”.

Nas palavras de González, a previsão é que a água continue sendo liberada para o país vizinho até 30 de setembro, quando termina o ano hidrológico.

“Obrigatoriedade”

O ministro da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural, Gerardo Dueñas, reconheceu nesta situação que está agindo sob um acordo “obrigatório” da Bacia.

No que diz respeito às organizações agrárias, Asaja os encorajou a participar da concentração em León diante do que considera “uma medida política que causa tantos danos à agricultura irrigada na província”.

A União Camponesa de León também se juntará a este protesto ao denunciar que as condições em que se pratica o acordo de regulação da água entre Portugal e Espanha “prejudica gravemente a irrigação existente na província”.

A Aliança UGAL-UPA e UCALE-COAG também apoiará esta mobilização e lembrará que “a agricultura do presente e do futuro só se garante com irrigação, e o que pedimos é uma melhor regulação das bacias para que não se perca água”.

Calvin Clayton

"Encrenqueiro incurável. Explorador. Estudante. Especialista profissional em álcool. Geek da Internet."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.