Inteligência Artificial da Microsoft para aumentar a produtividade das fazendas de camarão Pescanova

Os trabalhadores da Marfrisco percorriam de barco, e recorrentemente ao longo do dia, os diferentes charcos da quinta para alimentar manualmente os camarões. A tarefa, fisicamente muito exigente, teve de ser transformada digitalmente para melhorar tanto as condições da exploração como dos colaboradores: “Na Pescanova, queríamos ser o líder mundial da aquicultura nos próximos 4 anos. Se quiséssemos saber quantos animais havia em cada área e se a água tinha as condições mais favoráveis, precisávamos de tecnologia para isso”, explica Javier Aguilera, diretor de Aquicultura da Nueva Pescanova. “O principal desafio foi a localização da Marfrisco. Queríamos desenvolver conexões e Inteligência Artificial em um lugar onde nem é possível usar um celular”.

Para fazer face a este processo de digitalização, a Nueva Pescanova optou pela Microsoft. “Não tínhamos dados históricos ou qualquer plataforma digital anterior, então tivemos que ser disruptivos desde o primeiro dia. Decidimos aplicar a previsão manual à Inteligência Artificial da Microsoft e tivemos um tremendo sucesso”, diz Guillermo Renancio, Diretor de Tecnologia da Nueva Pescanova.

A equipa da Microsoft responsável pela implantação percebeu que a informação de que precisavam para construir uma plataforma preditiva estava nas mentes dos agricultores da Pescanova: entrevistaram-nos e aplicaram os seus conhecimentos a diferentes sensores localizados nas lagoas, utilizando sensores IoT. Da mesma forma, foram instalados hidrofones (microfones projetados para trabalhar submersos no ambiente aquático e ouvir os padrões de alimentação dos camarões) e alimentadores automáticos de diferentes fornecedores.

Por meio de Inteligência Artificial, Microsoft 365 e Azure, a nuvem da Microsoft, a Nueva Pescanova conseguiu ampliar o conhecimento das informações extraídas de animais mastigadores capturados debaixo d’água. Isso indica a presença de crustáceos em cada um dos setores das lagoas e a frequência de mastigação quando se alimentam. Dessa forma, é possível extrapolar a quantidade de comida que eles demandam, quando estão cheios ou quando sentem fome novamente. Assim, as estações de alimentação automáticas depositam o alimento na água sob demanda real, permitindo que a ração ideal seja fornecida em todos os momentos para maximizar o bem-estar do camarão e alcançar a máxima produtividade da fazenda sem desperdiçar alimentos.

A par da implementação do Smart Farm, ambas as empresas conceberam um programa de formação para os aquicultores transformarem a sua atividade diária, tirando partido da tecnologia para reduzir as tarefas físicas e tornar o seu trabalho mais cómodo e eficaz. “Foi um processo muito rápido. Implementamos todas as mudanças em menos de um ano e os indicadores de nossa fazenda passaram de estar na base para estar entre os primeiros. Além disso, o programa teve um impacto muito positivo na vida dos nossos trabalhadores e das suas famílias, com uma melhoria das suas competências e projeção, bem como uma abordagem ao uso da tecnologia, também fora da quinta”, explica Omar Portugal . , diretor da fazenda Marfrisco em Pescanova.

Graças ao aumento da produtividade, ampliou-se a contratação de trabalhadores do meio local: “A transformação tecnológica e digital dos piscicultores também é uma transformação humana. Já estamos antecipando os resultados que projetamos para 2024. Isso normalmente não acontece nas empresas. Muito pelo contrário”, continua Ignacio González, CEO da Nueva Pescanova.

Para a Nueva Pescanova e a Microsoft, o projeto pioneiro Marfrisco é um exemplo de como é possível melhorar a eficiência e a sustentabilidade das culturas aquícolas, facilitar a previsibilidade dos negócios e melhorar a saúde e o bem-estar animal graças à tecnologia. “Estamos consumindo produtos mais sustentáveis ​​e ajudando a comunidade local simplesmente por causa da tecnologia e como ela otimiza a forma como trabalhamos. É o melhor que podemos ter, hoje, para melhorar o nosso futuro”, conclui Pedro Morgado, diretor de IoT Projects da Microsoft.

Elite Boss

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.