Instituições de saúde católicas afirmam que não aplicarão a eutanásia

Este 20 de fevereiro, duas redes católicas que prestam serviços de saúde em Portugal indicaram que não vão aplicar a eutanásia aos seus doentes em nenhuma circunstância, ainda que esta prática seja aprovada hoje no debate que decorre na Assembleia da República.

Através de um comunicado, tanto o Secretariado Nacional da União Portuguesa de Misericórdia (UMP) como o Instituto das Irmãs Hospitaleiras do Sagrado Coração de Jesus, reforçaram a sua posição a favor dos cuidados paliativos, e afirmaram que não vão aplicar a eutanásia nos seus instalações de saúde.

As Irmãs Hospitaleiras reiteraram, num comunicado publicado pela Agência Ecclesiaa “fidelidade aos princípios do respeito à vida humana, sagrada e inviolável, à promoção das melhores práticas clínicas no serviço do cuidado com dignidade, para o alívio do sofrimento e conforto no cuidado, principalmente quando a vida é mais vulnerável”.

Neste sentido, manifestaram, “não será permitida a prática de atos contrários a este princípio em nenhum dos estabelecimentos de saúde geridos por este Instituto, especialmente os que possam causar morte intencional a pedido do doente”.

Os Hospitalários indicaram ainda que vão continuar a aplicar “todos os esforços para continuar a oferecer cuidados humanitários, integrais e interdisciplinares em prol da saúde e qualidade de vida das pessoas que estão ao nosso cuidado não só nas áreas físicas, mas também psicológicas, sociais , espiritual e ético.

O Instituto, “que nos seus quase 140 anos se dedicou a cuidar dos mais vulneráveis”, manifestou também o seu desejo de que os políticos “se esforcem por definir as melhores políticas que promovam a criação e organização dos recursos necessários e urgentes para atender e acompanhar aqueles que experimentam a fragilidade, a doença e o sofrimento”.

“E como sinal essencial de uma sociedade verdadeiramente desenvolvida, a legalização da eutanásia deve ser rejeitada”, pediram as Irmãs Hospitaleiras, concluindo que “a resposta à vida não está na morte, mas na humanização, na proximidade e na compaixão, entendida como a acompanhamento incondicional da dor de quem a sofre”.

Por sua vez, o Secretário Nacional da União das Misericórdias Portuguesas (UMP) afirmou em comunicado divulgado pela Agência Ecclesia que, face ao debate sobre a descriminalização da eutanásia pelo parlamento português, “decide tornar público que, nas suas instituições, não praticarão a eutanásia em nenhuma circunstância”.

A UMP, explica Ecclesia, “é uma associação nacional, criada em 1976 para orientar, coordenar, promover e representar as Misericórdias, defender os seus interesses e organizar atividades de interesse comum”.

No seu comunicado, a entidade salientou que “nos últimos 40 anos, (Las Misericordias) dedicaram o melhor das suas atividades ao cuidado das pessoas, especialmente dos idosos, muitas vezes em situações de extrema dificuldade, sempre com o objetivo de garantir a dignidade , cidadania e qualidade de vida”.

Por isso, indicaram que “não podem deixar de manifestar mais uma vez” aos portugueses, ao Presidente da República, ao Primeiro-Ministro, a todo o Governo e aos deputados, “a sua total disponibilidade para reforçar a sua capacidade de cuidar do povo”, “criar na sociedade todas as condições para uma vida plena e digna”.

Além disso, diante de uma possível aprovação da eutanásia, explicaram o “respeito à pessoa humana e à liberdade individual”, caso um paciente “deseja apoio para acabar com sua vida”, as Misericórdias facilitarão sua transferência para “uma entidade certificada que quer e pode fazer”.

Debate sobre a descriminalização da eutanásia em Portugal

Hoje, quinta-feira, 20 de fevereiro, a Assembleia da República debate os projetos dos partidos Bloco de Esquerda (BE), Partido Socialista (PS), Pessoas-Animais-Natureza (PAN) e Partido Ecologista “Os Verdes” (PEV) sobre a descriminalização da eutanásia.

Perante este debate, várias pessoas e instituições manifestaram-se contra a descriminalização da eutanásia em Portugal.

A Conferência Episcopal Portuguesa (CEP) manifestou o seu apoio à realização de um referendo contra a descriminalização da eutanásia em Portugal e defendeu que os cuidados paliativos são “a opção digna” como alternativa a tal prática, “como compromisso de proximidade, respeito e cuidado da vida humana até o seu fim natural”.

Em recente declaração à Agência Ecclesia, o presidente do CEP e o Patriarca de Lisboa, Cardeal Manuel Clemente, defendeu também que a prioridade é que a sociedade seja “toda paliativa”, uma sociedade “que acolha, que acolha, que envolva “.

“Isto é muito importante, tanto no início da vida como na sua última fase”, disse, acrescentando que “a vida deve ser vivida em toda a sua latitude e longitude, mesmo antes do nascimento, na sua fase embrionária e na sua fase final. ”.

Por sua vez, a Associação dos Médicos Católicos Portugueses (AMCP) alertou para o risco de redução do investimento em cuidados paliativos, caso seja aprovada a eutanásia.

“Uma sociedade será tanto mais avançada e progressista quanto mais cuidar e proteger os seus elementos mais vulneráveis”, disse a AMCP, sublinhando que “é urgente humanizar o fim da vida”.

Os jovens ligados aos Centros Universitários da Companhia de Jesus enviaram uma carta aberta aos parlamentares, alertando que a aprovação desta prática “pode constituir um erro irremediável, que ainda pode ser prevenido”.

Traduzido e adaptado por Harumi Suzuki. Postado originalmente em ACIDigital.

Joseph Salvage

"Fanático hardcore de mídia social. Propenso a ataques de apatia. Criador. Pensador. Guru dedicado da web. Aficionado por cultura pop. Solucionador de problemas."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.