Inflação aumenta risco de fome na América Latina

CEPAL-ALIMENTOS (AP)

O aumento da inflação nos países latino-americanos e a Caribe aumentou o risco de insegurança alimentar na região, que apesar de abrigar um dos maiores superávits agrícolas do mundo, enfrenta crescente pobreza extrema e fome, disseram três agências da ONU na terça-feira. Nações Unidas.

Em relatório conjunto, a Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL), a Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO) e o Programa Mundial de Alimentos (PMA) afirmaram que a inflação que afeta os setores mais pobres é de 1,4%. pontos acima do que atinge os setores mais ricos.

“Este comportamento da inflação alimentar agrava o risco de problemas de acesso a uma alimentação saudável, insegurança alimentar e fome porque afeta mais as famílias de baixos rendimentos”, disse José Manuel Salazar-Xirinachs, secretário-executivo da Comissão Económica para a América. América Latina e Caribe, mais conhecida como CEPAL.

O relatório foi divulgado em coletiva de imprensa realizada na sede da CEPAL em Santiago, no Chile, e transmitida virtualmente pelas redes sociais. Foi revelado numa altura em que a região enfrenta forte inflação e dificuldades económicas principalmente devido ao impacto da guerra no Ucrânia e o aperto no acesso ao crédito devido às altas taxas de juros.

Após uma breve recuperação pós-pandemia em 2021 e parte de 2022, as previsões de crescimento foram revisadas para baixo. Globalmente, a economia deverá crescer 3,1% em 2022, 1,3 pontos percentuais a menos do que o previsto antes da guerra, enquanto a América Latina e o Caribe crescerão 3,2% este ano, mas a atividade desacelerará para 1,4% em 2023, de acordo com as últimas projeções da CEPAL.

Segundo o relatório, a América Latina é uma das regiões com maior superávit agrícola anual do mundo, superada apenas pela Oceania: 127 bilhões de dólares, o equivalente a 200 dólares por habitante. No entanto, grande parte dos países está exposta a problemas de produção e comercialização e ao aumento de preços devido à guerra na Ucrânia, por serem importadores de trigo, milho e óleos vegetais.

Salazar explicou que há um grande contraste e heterogeneidade: alguns países da região são potências exportadoras de produtos agrícolas altamente produtivos, sobretudo alguns da América do Sul como a Argentina, enquanto “a grande maioria” são importadores de produtos agrícolas.

Além disso, destacou, os produtos dos países exportadores não vão para os setores mais vulneráveis, que são alimentados com produtos locais de pequenos agricultores atingidos pela inflação.

Um dos problemas enfrentados por esses agricultores é o acesso a fertilizantes, que vêm de fora e cujos preços também aumentaram consideravelmente desde o início da guerra. A América Latina importa cerca de 85% dos fertilizantes que utiliza.

Em setembro de 2022, o aumento médio anual do índice de preços ao consumidor foi de 11,7%, em comparação com um aumento de 7,1% da inflação geral, de acordo com o relatório conjunto intitulado “Rumo a uma segurança alimentar e nutricional sustentável na América Latina e no Caribe em resposta à crise alimentar mundial.

A CEPAL estima que a incidência da pobreza extrema aumentaria 0,2% em 2022, acrescentando 1,8 milhão de pessoas para atingir um total de 81,8 milhões de pessoas na região. A grande maioria deles, 55,7 milhões, vive em áreas urbanas e o restante em áreas rurais.

Embora a desnutrição tenha crescido desde 2014, entre 2019 e 2021 o aumento foi maior, de 1,9 pontos percentuais, atingindo 8,6% da população. O número de famintos, por sua vez, aumentou em 13,2 milhões, para 56,5 milhões de pessoas, segundo o relatório.

Em 2021, a insegurança alimentar moderada ou grave afetou 40,6% da população da região, cifra superior à média mundial de 29,3%, indicou o relatório. Entre 2019 e 2021 passou de 31,7% para 40,6%, o equivalente a um aumento de nove pontos percentuais, o maior quando comparado a outras regiões do mundo. No total, cerca de 267,7 milhões de pessoas enfrentaram insegurança alimentar em 2021 na América Latina, 62,5 milhões a mais do que em 2019.

Eloise Schuman

"Fã de café. Especialista em viagens freelance. Pensador orgulhoso. Criador profissional. Organizador certificado."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *