Incêndio ameaça subúrbios de Atenas; melhora na Espanha

Quase 500 bombeiros tentavam conter um grande incêndio na quarta-feira que ameaçava os subúrbios montanhosos nos arredores de Atenas pelo segundo dia consecutivo, depois que centenas de moradores foram evacuados durante a noite.

Os incêndios continuaram no sul da Europa, mas autoridades na França, Espanha e Portugal relataram melhores condições à medida que a onda de calor diminuiu.

Na Grécia, pelo menos duas pessoas foram hospitalizadas com problemas respiratórios e queimaduras leves, e as autoridades locais disseram que várias casas queimaram no incêndio ao redor do Monte Penteli, 25 quilômetros a nordeste da capital grega.

“As condições são muito complicadas. A prioridade era proteger vidas, infraestrutura crítica e propriedade privada”, disse o porta-voz do corpo de bombeiros Yiannis Artopios.

Ventos de até 80 quilômetros por hora (50 milhas por hora) dificultaram o trabalho das forças aéreas, disse ele.

Embora a Grécia tenha evitado a onda de calor que atingiu outros países da Europa Ocidental, autoridades disseram que semanas de clima quente e seco, bem como um aumento de longo prazo nas temperaturas, aumentaram o risco de incêndios florestais em geral.

Aviões lançadores de água e quatro helicópteros estavam combatendo o incêndio ao norte de Atenas na quarta-feira, segundo autoridades. Mais de 600 pessoas foram evacuadas até agora.

Mais de 1.300 quilômetros quadrados (500 milhas quadradas) queimaram na Grécia no ano passado, o pior dano de fogo no país desde 2007.

A queda das temperaturas deu uma pausa aos bombeiros em Espanha e Portugal, mas está previsto um novo aumento para 40 °C (104 °F) nos próximos dias.

Uma série de incêndios na região da Galícia, no noroeste da Espanha, incendiou 85 casas e forçou a evacuação de 1.400 pessoas. O presidente do governo espanhol, Pedro Sánchez, visitou a zona na noite de terça-feira e alertou que “permanecem dias difíceis na Galiza e no resto de Espanha”.

Na França, os bombeiros abriram enormes aceiros em florestas ameaçadas no sul do país. Com maquinário pesado, eles arrancaram árvores para deixar a terra devastada e evitar que as chamas se espalhassem. Após uma semana de incêndios florestais violentos, as chamas estavam começando a diminuir.

“Estamos bastante confiantes”, disse Ronan Leaustic, funcionário regional do Gironde no sudoeste. “Mas continuamos vigilantes.”

Os incêndios girondinos queimaram 206 quilômetros quadrados (80 milhas quadradas) de floresta, segundo as autoridades.

O Ministério da Saúde de Portugal disse que houve 1.065 mortes atribuídas à onda de calor de 7 a 18 de julho, e autoridades dizem que mais mortes são prováveis ​​com o retorno das altas temperaturas.

___

Gatopoulos relatou de Atenas. Raquel Redondo em Madrid; Barry Hatton em Lisboa; Barbara Surk em Nice, França; e John Leicester em Paris contribuíram para este relatório

Calvin Clayton

"Encrenqueiro incurável. Explorador. Estudante. Especialista profissional em álcool. Geek da Internet."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.