Iñaki Williams escolhe jogar com Gana para ir à Copa do Mundo no Catar | Esportes

Iñaki Williams comemora um gol com o Athletic Bilbao.Luis Weave (EFE)

Parte das férias de Iñaki Williams, junto com sua namorada, sua mãe e seu irmão Nico, ocorreu em Gana, país de onde seus pais partiram para a Europa há mais de duas décadas, embora a princípio tenham dito que eram liberianos para obter refugiado status.

Possivelmente, naqueles dias próximos de suas raízes, o atacante do Athletic, nascido em Bilbao, aceitou a oferta que as autoridades esportivas daquele país lhe fizeram para fazer parte de sua seleção, uma equipe da classe média do futebol africano, mas que garantiu um lugar para a Copa do Mundo no Catar no próximo outono.

Talvez essa classificação tenha sido o que fez Williams aceitar a oferta de Gana. O jogador do Atlético jogou pela seleção espanhola, em 2016, contra a Bósnia, mas nunca esteve nos planos de Luis Enrique, então agora decide jogar com o estrelas negrasque em Setembro disputa dois jogos de qualificação para a Taça de África contra Angola.

Na Copa do Mundo, para a qual é muito provável que após a decisão do atacante, ele seja convocado, Gana terá como rivais Uruguai, Portugal e Coreia do Sul, um grupo complicado em que a seleção africana terá que fazer as coisas muito bem para acessar a próxima rodada. Ele não começa como favorito para se classificar.

Iñaki Williams postou um vídeo nas suas redes sociais, no qual, desde diferentes paisagens de Bilbau, e mesmo no terreno baldio que foi, no início do século XX, o primeiro campo de jogo do Athletic, assegura que “cada passo que damos na a vida tem um sentido, uma evolução, um olhar para o futuro que por sua vez deixa uma marca, um legado.” Ele destaca o jogador: “Meus pais sempre incutiram em mim valores baseados na humildade, respeito e amor. Eles me ensinaram a forma como devo encarar a vida, essa luta constante para continuar crescendo e trabalhando para melhorar como pessoa e como profissional”. Em resposta a esses ensinamentos de seus pais, “sinto que chegou a hora de encontrar minhas raízes, eu e tudo o que África e Gana significam para minha família e para mim. Quero retribuir uma pequena parte do que ele nos deu e contribuiu para mim como pessoa, como filho e irmão”. E conclui: “Hoje começa um grande desafio. A partir de hoje vou defender a camisa do Gana com meus valores como minha bandeira, saindo da minha pele a cada minuto e dando o melhor de mim. Sou um dos As estrelas negras”.

Williams, que disputou 228 jogos consecutivos no campeonato, uma sequência que começou com Ernesto Valverde no banco e que continuou com Ziganda, Berizzo, Garitano e Marcelino, está novamente sob as ordens de Valverde desde segunda-feira, data em que o Athletic começou a treinar.

Há um mês, com Iñaki Williams em Gana, surgiram rumores sobre a possibilidade que agora se materializou. Ele será o sexto jogador do Athletic a jogar por uma equipe que não seja a Espanha. Em um clube como o rojiblanco, que deu 102 jogadores à seleção, jogar com outra camisa é uma exceção. Na década de 1930, Manuel Anatol, nascido em Irun, jogou pela França. Mais recentemente, Fernando Amorebieta foi internacional pela Venezuela, Cristian Ganea pela Romênia, Kenan Kodro pela Bósnia e o jogador reserva Ewan Urain, nascido em Durango, mas de ascendência britânica, jogou pela seleção sub-21 da Escócia. Sua mãe é de Dumfries, o lugar de onde vieram as primeiras bolas com que o Athletic jogou em 1898.

Você pode acompanhar o EL PAÍS Sports em Facebook S Twitterou cadastre-se aqui para receber nosso boletim semanal.

Calvin Clayton

"Encrenqueiro incurável. Explorador. Estudante. Especialista profissional em álcool. Geek da Internet."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.