Imobilizou em Pontevedra uma scooter elétrica por ser um ciclomotor

O veículo pode ultrapassar os 25 quilômetros por hora. Este é o segundo caso nos últimos anos.

19 de outubro de 2022 . Atualizado às 12h30

O que aconteceu em Vilagarca com a imobilização de uma scooter elétrica por ter capacidade superior a 25 quilômetros por hora, medida aprovada por um juiz de Pontevedra, não foi de forma alguma um caso isolado nos arredores da cidade de Lrez. Na verdade, a Polícia Local tem conhecimento de pelo menos dois casos ocorreram nos últimos anos que foram liquidados da mesma forma, com a scooter imobilizado ao considerar um ciclomotor e com o seu piloto denunciado perante a Direcção Geral de Trânsito.

Enquanto o primeiro desses episódios remonta a 2020, o segundo ocorreu apenas alguns dias atrás, quando agentes municipais pararam uma, pelo menos, estranha scooter elétrica a cujo comando estava um cidadão com passaporte de Portugal. Aconteceu no passado dia 6 de Outubro e a Polícia Local, presumivelmente, verificou que poderia exceder em muito o limite de 25 quilômetros por hora, circunstância que determinou que a scooter estava imobilizada.

Mas é que, além disso, como não tinha os requisitos para poder circular, o seu proprietário teve de use uma plataforma ou reboque para recuperar o veículo e realizar os procedimentos pertinentes para circular com ele novamente. Neste sentido, as fontes consultadas insistiram que, ao conduzir um veículo de mobilidade pessoal (VMP), este não pode ultrapassar 25 quilômetros por hora. Em caso afirmativo, passaria a ter uma consideração comparável a uma motocicletacom tudo o que isso implica: matrícula do veículo, seguro de responsabilidade civil em relação à circulação, autorização de circulação…



Miranda Pearson

"Organizador. Introvertido. Fanático certificado pela internet. Beeraholic. Fã de álcool irritantemente humilde."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *