Higuera (Huelva) acolhe a exposição ‘onde NÃO mora o esquecimento’

HIGUERA (HUELVA), dez. 18 (EUROPA PRESS) –

A Câmara Municipal de Higuera de la Sierra (Huelva) acolherá até 8 de janeiro a exposição ‘onde NÃO mora o esquecimento’, uma abordagem à repressão franquista na província de Huelva.

Organizado pelo Comissário para a Memória Democrática, o Conselho Provincial promove a sua itinerância por diferentes municípios, “após a receção excecional” da amostra na Sala de la Provincia, segundo avançou a entidade provincial em comunicado.

A exposição foi inaugurada pela deputada territorial da Serra, Silvia Durán, e pelo prefeito de Higuera de la Sierra, Alberto Garzón. O ato incluiu o recital ‘Irresignación, Machado, o exílio de um poeta’, de Pepe Roca e Toñi García.

“Sociedade, educação, gênero, exílio, cultura ou todas as áreas que sofreram as consequências do período mais negro da nossa história se reúnem nesta sala para iluminar e dar a conhecer o que foi condenado ao silêncio por muito tempo”, designou o Conselho Provincial .

Esta exposição “servirá para reflectir e ter esperança, uma esperança que nos cabe transmitir como legado às gerações vindouras”, sublinhou.

Depois de exibida na Sala de la Provincia, a exposição passou por Valverde del Camino, Nerva e Cortegana, Zalamea e San Juan del Puerto, além da Universidade de Huelva, coincidindo com a segunda Conferência de Educação e Memória Democrática realizada em Novembro .

Este projeto expositivo, com curadoria de María Clauss, mostra uma reconstrução meticulosa da repressão franquista na província a partir de diferentes áreas, como o testemunho de familiares diretos das pessoas que foram retaliadas, um mapa e objetos das valas comuns existentes na província, painéis com descrições das consequências da repressão e uma instalação sobre os reprimidos.

A curadora da exposição, a fotógrafa María Clauss, obteve recentemente o Prêmio Internacional de Fotografia ‘Luis Valtueña’ de fotografia humanitária concedido por Médicos del Mundo, com seu trabalho, de grande prestígio internacional. No centro deste projeto estão as vítimas.

“Se há uma dor que perdura no fundo do nosso povo e se perpetua ao longo dos anos, é a das famílias de tantos desaparecidos, vítimas de assassinatos, torturas, humilhações, privados da menor dignidade que merecem. isso”, indicou o autor.

Sobre o título, “a memória andou de mãos dadas com o esquecimento por muito tempo em nosso país, mas devemos banir esse esquecimento da memória individual e coletiva”.

Nesse sentido, o Conselho Provincial destacou que criou o Comissário para a Memória Democrática com o objetivo de que “na província de Huelva não haja uma brecha de esquecimento. Para que possamos olhar para trás sem medo de que aquela dramática etapa repetir-se e acreditar e criar um futuro de convivência em harmonia”.

O projeto expositivo consiste em diferentes blocos distribuídos no espaço da Sala de la Provincia. Por um lado, retratos e fotografias de 16 familiares diretos de reprimidos da província de Huelva, acompanhados de textos de Juan Cobos Wilkins e Rafael Adamuz: contam muitas outras histórias pessoais que se somam para uma visão ampla das diferentes consequências da repressão.

Uma série de painéis descreve diferentes aspectos relacionados a esse período: desde o levante e a coluna mineira, as consequências na cultura e na educação até os julgamentos sumários e campos de concentração.

“A repressão das mulheres e dos homossexuais, dos que fugiram na clandestinidade e a repressão dos que fugiram para Portugal são outros conteúdos que estão expostos, com textos de diferentes investigadores e especialistas em história”, indicou.

A exposição inclui um mapa provincial das valas comuns e numerosos objetos encontrados nas sepulturas de Nerva, Zalamea, Puebla de Guzmán e Higuera de la Sierra, além de uma instalação com fotografias de cem pessoas identificadas nominalmente em represálias na província .

Calvin Clayton

"Encrenqueiro incurável. Explorador. Estudante. Especialista profissional em álcool. Geek da Internet."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *