Governo vai criar mais um imposto para grandes empresas de energia

O Governo vai apresentar nas “próximas semanas” um projeto de lei para conceber um novo imposto que irá tributar “os lucros extraordinários das empresas de energia”, com o objetivo de entrar em vigor a 1 de janeiro de 2023, conforme anunciado pelo presidente da Governo, Pedro Sanchez.

Fontes do La Moncloa especificaram que a ideia é colocar o acréscimo do novo imposto de energia em 31 de dezembro deste ano, “portanto, seria devido a partir de 1º de janeiro de 2023, mas afetaria o exercício de 2022”.

Em conferência de imprensa após o Conselho de Ministros extraordinário, Sánchez salientou que este imposto, não incluído no decreto régio sobre medidas anti-crise aprovado este sábado, procura “garantir uma distribuição justa das recargas” e “está em sintonia com as opinião no país, com as medidas adotadas por outros países vizinhos e atende às recomendações da OCDE, da União Européia e do FMI”.

Assim, o Presidente do Governo insistiu que as acusações causadas pela invasão da Ucrânia devem “ser distribuídas de forma justa, contribuindo mais para quem está em melhores condições”. “Aqueles que obtêm retornos indiretos desse aumento devem somar ao esforço coletivo e contribuir mais para o sacrifício coletivo”, disse ele.

Sobre o desenho deste novo imposto, afirmou que estão a ser “estudados” os desenhos de outros governos que adoptaram uma medida neste sentido, embora tenha acrescentado que a Itália, onde foi aprovado um imposto extraordinário e pontual de 25% sobre os lucros , “É um exemplo que estamos vendo de uma maneira muito particular.”

Defende a ‘exceção ibérica’

Por outro lado, o Primeiro-Ministro defendeu a Exceção ibérica para limitar o preço do gás natural para produção de eletricidade, em vigor desde 15 de junho, e salientou que conseguiu tornar o preço grossista da eletricidade em Espanha e Portugal entre “40% e 50% mais barato” do que nos principais países europeus .

O novo pacote de ajuda ao combate à crise económica devido à invasão da Ucrânia, que vigorará até 31 de dezembro, inclui entre as suas medidas a redução do IVA nas faturas de eletricidade dos atuais 10% para 5%, bem como a prorrogação da ajuda de 20 cêntimos por litro para combustível.

Além disso, Sánchez anunciou que o preço máximo da botija de butano será limitado, medida que vigorará até 31 de dezembro. Da mesma forma, mantém-se a prorrogação dos descontos do vínculo social elétrico.

Calvin Clayton

"Encrenqueiro incurável. Explorador. Estudante. Especialista profissional em álcool. Geek da Internet."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.