Governo do Reino Unido pressiona pelo levantamento das restrições de viagens nos EUA – fontes

WASHINGTON, 18 Dez (Reuters) – O governo britânico está fazendo um esforço concentrado para persuadir o governo Trump a suspender ou suavizar as restrições de viagem que impedem a maioria das pessoas no Reino Unido de viajar para os Estados Unidos, disseram fontes informadas sobre o assunto.

Em 25 de novembro, a Reuters informou que a Casa Branca estava considerando rescindir as proibições de entrada para a maioria dos cidadãos não americanos que recentemente estiveram no Brasil, Grã-Bretanha, Irlanda e 26 outros países europeus.

Desde então, não houve nenhuma decisão do presidente Donald Trump, mas as autoridades do Reino Unido mantiveram uma série de conversas de alto nível com a Casa Branca e funcionários do gabinete.

A Casa Branca se recusou a comentar na sexta-feira.

Mas em um e-mail à Reuters, uma porta-voz do Departamento de Transportes do Reino Unido disse que “reiniciar os voos transatlânticos é de importância crítica para a recuperação econômica do Reino Unido e dos EUA, do setor aéreo e para cidadãos britânicos, a maioria dos quais não pode entrar nos EUA”. As autoridades britânicas continuam a buscar a resolução para esta questão.”

A proposta de suspender as restrições de viagem ganhou o apoio dos membros da força-tarefa de coronavírus da Casa Branca, da saúde pública e de outras agências federais, informou a Reuters em novembro.

Em outubro, o governador da Flórida, Ron DeSantis, disse que pediu a Trump que aliviasse as restrições de viagens da Europa e do Brasil para ajudar a impulsionar a economia do turismo do estado.

Um obstáculo para suspender as restrições é o alto número de infecções por coronavírus na Europa. Na semana passada, os Estados Unidos estenderam as restrições de viagem às fronteiras terrestres do México e do Canadá até pelo menos 21 de janeiro.

As restrições dos EUA que proíbem a maioria dos visitantes da Europa estão em vigor desde meados de março para lidar com a pandemia de coronavírus, impedindo a entrada da maioria dos residentes não americanos que estiveram nesses países nos 14 dias anteriores.

Quase toda a Europa ainda proíbe a maioria dos viajantes dos EUA de visitar, enquanto a Grã-Bretanha permite visitas americanas, mas exige quarentena de duas semanas na chegada.

Airlines for America, um grupo que representa a American Airlines (AAL.O)Linhas Aéreas Delta (DAL.N)companhias aéreas Unidos (UAL.O) e outros, disse à Reuters no mês passado que “tem defendido que o governo federal estabeleça um padrão nacional de testes para suspender as restrições de viagem”.

Os britânicos também levantaram a possibilidade de usar testes para estabelecer uma bolha de voos entre Londres e Nova York ou facilitar as restrições de viagem para pessoas que foram vacinadas.

No mês passado, os Centros de Controle e Prevenção de Doenças emitiram novas recomendações de viagens e testes para viajantes internacionais, recomendando que eles “sejam testados com um teste viral 1 a 3 dias antes do voo para reduzir a propagação durante a viagem”.

Reportagem de David Shepardsonl; Edição por Jonathan Oatis

Nossos padrões: Os Princípios de Confiança da Thomson Reuters.

Calvin Clayton

"Encrenqueiro incurável. Explorador. Estudante. Especialista profissional em álcool. Geek da Internet."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *