Glifosato: a Suprema Corte dos Estados Unidos manteve a condenação contra a Monsanto

A Suprema Corte dos Estados Unidos rejeitou o último recurso da Bayer-Monsanto, sem necessidade de revisão, e deu sentença final ao emblemático caso de Edwin Hardmancidadão americano processou empresa farmacêutica alemã por contrair linfoma não-Hodgkin pelo uso regular de Roundup, herbicida à base de glifosato. A sentença de indenização de 25 milhões de dólares estabelece jurisprudência para outras 30.000 queixas apresentadas ao judiciário dos EUA contra o agroquímico estrela do modelo transgênico.

Na Argentina —onde se estima a maior taxa de uso de agrotóxicos do mundo—, há falhas semelhantes, como no caso da professora Estela Lemes. Tanto nos Estados Unidos quanto na Argentina, os órgãos estaduais de controle continuam defendendo a aprovação comercial dos agroquímicos, apesar das evidências científicas sobre seu impacto na saúde e no meio ambiente.

o Departamento de Agricultura autorizado no Argentina 44 eventos transgênicos resistentes ao glifosato. O primeiro foi a soja da empresa Nidera, em março de 1996. O último é um milho transgênico resistente ao glifosato, dicamba e glufosinato de amônio —agroquímico que gerou debate pela aprovação do trigo transgênico HB4— de ninguém menos que Monsanto Argentina SRL. A Monsanto tem a mais recente aprovação de um evento transgênico no país.

Ações judiciais contra a Bayer-Monsanto começaram a se multiplicar nos tribunais norte-americanos em 2015, quando Agência Internacional de Pesquisa sobre o Câncer (IARC)uma agência especializada da Organização Mundial da Saúde (OMS), ligação confirmada entre herbicida e câncer. E ele o categorizou como “possivelmente cancerígeno para humanos”.

Hardeman, que foi acordado pela Suprema Corte na terça-feira, viu o noticiário da IARC em casa, quando fazia sessões de quimioterapia para o linfoma não-Hodgkin – um tipo de câncer que ataca o sistema linfático -, diagnosticado no mesmo ano. O caso do homem de 70 anos – que usou o herbicida por 26 anos em seu jardim – e centenas de outros foram tratados pelo juiz Vince Chhabria, do Tribunal de São Francisco.

Hardeman’s foi escolhido como causa testemunha e a investigação descobriu o chamado Documentos da Monsantouma série de documentos internos —desclassificados por ordem do juiz de São Francisco— nos quais se observa como foi o modus operandi da empresa para aprovar o uso do herbicida nos órgãos estaduais de controle com estudos realizados pela própria Monsanto e como o lobby foi organizado perante os governos e a própria IARC.

Após a decisão da Suprema Corte dos Estados Unidos -com maioria conservadora-, a Bayer-Monsanto disse “discordar” da decisão judicial e anunciou que dispõe de um fundo especial de 16.100 milhões de dólares para continuar enfrentando o “risco legal” de a comercialização do agroquímico da Monsanto (empresa que o grupo alemão comprou por 63 bilhões de dólares em 2018).

A empresa disponibilizou US$ 11,6 bilhões no início dos processos e, em julho de 2021, anunciou um aumento desses fundos em US$ 4,5 bilhões diante da possibilidade de que sua tentativa de acordo de ação coletiva fosse rejeitada em ações judiciais presentes e futuras. Em seu relatório anual em março passado, a Bayer-Monsanto informou que resolveu cerca de 107.000 casos de um total de 138.000 ações judiciais.

No comunicado desta terça-feira, 21, replicado nas agências Reuters e AFP, A farmacêutica manteve “não admitir qualquer culpa ou responsabilidade” e anunciou que vai continuar a vender os seus produtos Roundup. por ser “uma ferramenta valiosa para a produção agrícola eficaz no mundo”. O argumento mais relevante da empresa é que ela não deveria ser julgada por um herbicida que mantém a aprovação da Agência de Proteção Ambiental dos EUA (EPA). “Espero que esta seja uma mudança significativa na história da Monsanto”, esperava Hardeman em entrevista ao The Guardian em 2019, após a decisão de primeira instância.

Nicolas Pousthomis / Subcoop

Glifosato e cumplicidade do Estado

A atual aprovação do Rondup pela EPA também começa a ser questionada. Antes da decisão da Suprema Corte, na última sexta-feira, o Tribunal de Apelações do 9º Circuito dos Estados Unidos, com sede em São Francisco, julgou procedente a alegação de vários grupos de defesa do meio ambiente, trabalhadores agrícolas e segurança alimentar que Eles denunciam que a EPA não considerou adequadamente se o glifosato causa câncer e ameaça espécies ameaçadasexigindo que ela analise novamente se o ingrediente ativo glifosato apresenta riscos irracionais para os seres humanos e o meio ambiente.

O glifosato, base do herbicida patenteado pela Monsanto em 1974, foi classificado como “possível cancerígeno” pela OMS em 2015 com base em extensas evidências científicas de que é cancerígeno para animais. “Há evidências convincentes de que o glifosato pode causar câncer em animais de laboratório e há evidências limitadas de carcinogenicidade em humanos”, disse a OMS, recategorizando o herbicida e sua ligação ao câncer.

Grande parte da evidência científica acumulada está presente no relatório Antologia Toxicológica do Glifosato +1000, compilado por Eduardo Martín Rossi e editado pela ONG Nature of Rights, que reúne 1.100 estudos científicos que explicam os efeitos do glifosato no meio ambiente e na saúde. Entre eles, mais de 200 trabalhos científicos são de universidades públicas da Argentina.

A antologia reúne relatos ligando o glifosato ao câncer, malformações, encefalopatia, autismo e Parkinson. Também pesquisas que a associam a mecanismos de fisiopatologia celular (promotora do câncer), apostose celular (morte celular programada), genotoxicidade e distúrbios no sistema endócrino. E, por fim, sua afetação nos sistemas reprodutivo, imunológico, digestivo, nervoso, renal e cardiovascular.

No caso da Argentina, a crescente documentação de estudos científicos e casos revelados pelas cidades fumigadas diante da falta de controle estatal sobre os agroquímicos começou a gerar lutas cidadãs para obter portarias municipais que distanciam o uso de agroquímicos dos centros urbanos, rurais escolas e espelhos d’água e processos judiciais. Entre 2003 e 2019, foram alcançadas pelo menos 28 decisões judiciais que proíbem ou limitam a fumigação com agroquímicos em oito províncias.

Globalmente, segundo a ONG Sustainable Pulse, há mais de vinte países que limitam seu uso. A Itália o proibiu em áreas públicas e em sprays de pré-colheita; A França removeu-o dos espaços verdes. Bélgica, República Checa, Dinamarca, Portugal e Holanda também colocam barreiras.

Há também restrições adicionais na Ásia (Tailândia, Vietnã, Sri Lanka, Omã, Arábia Saudita, Kuwait, Emirados Árabes Unidos, Bahrein e Catar), África (Malawi, Togo) e na América Latina (Colômbia, Costa Rica, El Salvador, Bermudas, São Vicente e Granadinas). O caso mais recente na região é o do México, que proibiu o uso de glifosato e milho transgênico até 2024. O glifosato também é proibido em diferentes áreas dos Estados Unidos, Canadá, Inglaterra, Escócia, Espanha, Austrália, Nova Zelândia, Malta, Eslovênia e Suíça.

Elite Boss

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.