Fundação ONCE pede protocolos de emergência unificados que cuidam de pessoas com deficiência | Líder em Informações Sociais

A Fundação ONCE clama por protocolos de emergência unificados que atendem pessoas com deficiência. Isso se reflete no ‘Livro Branco sobre gestão de emergência e evacuação acessível no ambiente florestal’ elaborado no âmbito do projeto Cilifo.

Num ambiente em que as situações de emergência são cada vez mais frequentes, o documento aponta que é “de vital importância ter protocolos unificados e oficiais” que reflitam as necessidades das pessoas com deficiência.

A este respeito, sublinha a importância de melhorar a sensibilização para as necessidades das pessoas com deficiência, dos idosos e de outros grupos vulneráveis, incluindo as crianças.

Os especialistas da Fundação ONCE consideram ainda que é necessário envolver os grupos com deficiência na preparação destes planos e protocolos de emergência e contar com a sua participação na organização de exercícios presenciais.

Eles apontam a importância de oferecer cursos sobre as reais necessidades desses grupos e de conscientizar sobre as diretrizes de acessibilidade para desenvolvedores de tecnologia, de modo que levem em consideração as necessidades de todas as pessoas.

A Fundación ONCE realiza ao longo do ano jornadas de sensibilização social sobre a atenção à diversidade nos incêndios florestais, no âmbito do projeto europeu CILIFO, (Centro Ibérico de Investigação e Combate aos Incêndios Florestais), liderado pela Junta de Andaluzia.

O objetivo desta iniciativa é fornecer informações sobre as realidades e necessidades de grupos vulneráveis, incluindo pessoas com deficiência, para ajudar a reduzir os riscos que enfrentam em uma emergência. Nesta perspectiva, os seminários dirigem-se a agentes orientados para a gestão de emergências, bem como a organizações e indivíduos que vivem ou usufruem do ambiente florestal.

No âmbito deste programa, foi publicado o ‘Livro Branco sobre gestão de emergência e evacuação acessível em meio florestal’, disponível em 3 idiomas: espanhol, português e inglês.

O documento inclui o ‘Decálogo de boas práticas para atender à diversidade no ambiente florestal’, que traz orientações básicas para atender pessoas com deficiência.

1. Se você falar com uma pessoa e ela não responder, chame a atenção dela de alguma forma. Por exemplo, toque em seu ombro. Ela pode não ouvi-lo ou vê-lo, então ela pode não ter detectado que você deseja se comunicar com ela.

2. Se abordar uma pessoa para a ajudar, é importante que lhe diga o seu nome, bem como o seu papel na emergência. Embora você possa usar um uniforme que o identifique, algumas pessoas podem não vê-lo ou saber o que significa.

3. Se detectar que a pessoa é adulta e possui alguma deficiência, não a trate de forma infantil. Além disso, se ela estiver acompanhada, dirija-se diretamente à pessoa que você vai ajudar, não ao acompanhante dela.

4. Você deve ser preciso nas indicações que transmite, sem usar linguagem abstrata. Use indicações como “à sua esquerda”, “à sua direita” ou “atrás de você”, ao invés de “aqui” ou “lá”, pois são mais fáceis de entender e, além disso, serão compreendidas por quem tem uma limitação visual.

5. Se as mensagens forem transmitidas visualmente, forneça uma alternativa por meio do som. Da mesma forma, se forem transmitidas mensagens sonoras, complemente-as com uma alternativa visual. Desta forma, as pessoas que não podem ver ou ouvir receberão as informações.

6. Se sua boca estiver coberta, por exemplo, com uma máscara, as pessoas com deficiência auditiva podem não entender você. Diante de dificuldades de comunicação, procure manter o rosto visível e, caso isso não seja possível por questões de segurança, conte com gestos manuais ou escreva em um pedaço de papel.

7. Se o seu papel é estabelecer uma área de refúgio ou uma rota de evacuação, considere as características físicas, sensoriais ou cognitivas do grupo de pessoas que você deve proteger.

8. Algumas pessoas carregam produtos assistivos, como cadeiras de rodas ou bengalas. Você nunca deve separá-los de tais ferramentas. Da mesma forma, se alguém for acompanhado por um cão de assistência, este deve permanecer sempre com o seu dono.

9. Se você tiver que orientar uma pessoa com deficiência e não souber como fazê-lo, pergunte diretamente a ela. Por exemplo, pessoas cegas precisarão colocar a mão acima do cotovelo para caminhar um passo atrás de você para detectar seus movimentos. Como complemento, você pode descrever como é o caminho que deve percorrer.

10. Se você oferecer informações digitais ou impressas sobre os recursos relacionados à segurança de uma área, certifique-se de que estejam acessíveis. Para sites, as Diretrizes de Acessibilidade de Conteúdo da Web, definidas pelo W3C, devem ser aplicadas. Se a informação for impressa, use fonte de tamanho ideal (mínimo 12 pontos) e garanta contraste entre fonte e fundo.

Sobre o projeto CILIFO

O CILIFO é um projeto que tem como objetivo unificar os protocolos e procedimentos, abranger a formação e acreditação pessoal da operação de combate a incêndios e pôr em funcionamento, a médio prazo, um centro tecnológico de referência em inovação, divulgação, formação e acreditação. É financiado pelo Programa de Cooperação Transfronteiriça Interreg VA Espanha-Portugal – Interreg POCTEP.

O livro pode ser baixado em

‘https://biblioteca.fundaciononce.es/publicaciones/otras-editoriales/coleccion-accesibilidad/libro-blanco-sobre-gestão-de-emergencias-y’.

Eloise Schuman

"Fã de café. Especialista em viagens freelance. Pensador orgulhoso. Criador profissional. Organizador certificado."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *