Esta Espanha tem as defesas no chão

Na última vez que a Espanha jogou, caro leitor, destacou-se aqui a importância de se afastar do resultado. O 1-1 frente a Portugal não fez muita justiça a uma equipa corajoso, maduro, dominador e confiável. E agora, as regras não vão mudar. O ponto que a equipa de Luis Enrique arranhou ‘in extremis’ só enfeita um jogo para esquecer, especialmente na defesa. E é que esta Espanha não tem. Nem atrás nem razões para defendê-lo.

Longe está o que agora pareceria um problema abençoado dessa outra Espanha. Com Del Bosque, ‘la Roja’ dominou, mas não marcou. Verticalidade e profundidade, juntamente com o objetivo, Foram as grandes falhas de uma equipe que, apesar disso, ganhou tudo. Mas a base da retaguarda foi tida como certa. Unocerismo como forma de ganhar uma Copa do Mundo. Muitos criticaram o ‘um’, mas agora todos anseiam pelo ‘zero’.

Eric García foi retratado novamente na jogada do segundo gol. O seu nível defensivo está muito, muito, muito longe do desejado para um candidato a reservar um quarto no Qatar durante todo o mês. Presença repetida na foto ruim do partido, como já aconteceu, de forma mais ou menos justa, em outras ocasiões.

Mas o problema defensivo vai muito além de um jogador. Em 1 a 0, o chute da defesa um impedimento que quebrou Carvajal para habilitar Kuchta. Ele se esgueirou entre os zagueiros como quis, aproveitando o erro do ala do Real Madrid e expondo o sistema defensivo espanhol quando eles mal tinham jogado quatro minutos. O atacante só teve que ser generoso e atender a um Pesek que só colocou o pé para ultrapassar a República Checa. O objetivo teve que ser validado após a intervenção do VAR, já que, ao vivo, o assistente levantou a bandeira por uma posição ilegal inexistente.

Embora fosse a grande necessidade da linha de trás, poucos se livram de um jogo ruim geralmente da Espanha. aquele sentimento de domínio, cerco, chances, cruzamentos e jogo de handebol em torno de uma defesa assustada e trancada em sua área só foi vista nos últimos minutos do segundo tempo. A Espanha faltou atitude, ambição e controle de jogo. Isso não foi ajudado por um Koke mais uma vez inconsequente que mal apareceu no centro do campo.

Gavi, exceção de registro

Em toda a primeira vez, apenas um tiro por trás de Eric García e um Chute de pé esquerdo de Sarabia foi desviado eles perturbaram um time tcheco que teve que se recuperar após 24 minutos. Zeleny, ferido, ele teve que deixar seu lugar para um Jankto que também não iria terminar o jogo.

Além disso, e justamente com o jogador do Getafe fora de campo e com sua equipe com apenas dez soldados, Gavi apareceu. Rodri encontrou o ‘9’ na área e ele, com brutal sutileza, mudou para o poste mais distante com o pé esquerdo para fazer o 1-1. O objetivo também permitiu-lhe superar Ansu Fati e tornar-se no melhor marcador da Selecção Nacional com 17 anos e 304 dias.

O do Barça não só marcou. novamente foi o melhor de uma equipe em que seu desejo, sua onipresença e seu instinto ofensivo se destacaram ainda mais. Ele e Asensiocom sua entrada no segundo semestre, são quase os únicos que são salvos de queimar em uma tarde-noite para esquecer.

O segundo tempo, para o qual Luis Enrique trouxe Ferran Torres para Sarabia, teve uma cor melhor para ‘la Roja’. vaclik teve que ser usado completamente para salvar o objetivo de De Tomás, primeiro, e de Ferran, que tentou a sorte com um chute por trás que o ex-jogador do Sevilla tirou com os dedos. A melhoria, ainda que sem alarde, de uma equipa que esteve perto do 1-2 aos 62′ foi perceptível. Asensio, que havia entrado um minuto antes em uma tripla troca, deu de cara com Poste esquerdo de Vaclik após seu bom cruzamento de pé esquerdo na área.

Eric novamente

Quando ‘la Roja’ parecia endireitar seu curso, mais vermelho ficou com o enésimo desencontro defensivo. Kuchta, que cedeu mais cedo em outro desastre defensivo, colocou os tchecos na frente após a marca de uma hora. O atacante já avisou aos 54 minutos mande um heads-up contra Unai Simón. Mais uma vez, ele passou por uma defesa com as costas muito largas e só poupou a Espanha de seu chute desviado, que não falhou, por centímetros.

Dissemos que Eric García já aparecia de vez em quando nas fotos das derrotas ou reveses da Seleção. E esta noite adicionou mais um. Quando a Espanha era melhor, uma bola nas costas ele apontou para ele novamente. Ele não estava com sua marca, um Kuchta que se movia como queria, mas também não cruzou o passe. Ele ficou naquele limbo que já se hospedou outras vezes, que apreciou Cerny para encontrar seu companheiro e deixá-lo em paz antes de Unai Simon. Kuchta definiu perfeitamente com uma medida de vaselina o que significava 2-1.

Quando a Espanha assimilou o golpe, faltavam pouco mais de 20 minutos para o final. É verdade que sim, ele pisou no acelerador então, embora ele não tenha engarrafado seu rival até os últimos minutos. Apesar disso, Morata conseguiu empatar aos 68 minutos com um chute tímido para o lado da rede, embora fosse mais claro cabeçalho do post de Ferran Torres após cruzamento de Asensio.

Asensio e um laço estreito

As Baleares foram uma das poucas boas notícias do dia. Longe de se esconder, quis ser responsável por uma volta que, embora não tenha chegado na sua totalidade, premia o trabalho do madridista. Após um chute desviado de Morata da beira do campo, Asensio encontrou a cabeça de Iñigo Martínez para salvar um ponto ‘in extremis’. Já nos 90′, o remate central acertou o travessão e saltou para dentroalgo que o árbitro aprendeu um segundo depois, graças à tecnologia do gol.

O empate deixa a Espanha com dois pontos na Liga das Nações, mas as dúvidas são mais preocupantes com os olhos já postos no Catar. Copa do Mundo é um compromisso que não perdoa, e, até hoje, a solvência defensiva de ‘la Roja’ está mais do que em questão. A Espanha sempre compete e pode até lidar com a falta de ataque na frente, mas se começar a falhar ao mesmo tempo em ambas as áreas, não haverá ‘tiki-taka’ ou domínio estéril no meio-campo para salvá-los.

Elite Boss

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.