Espanha tropeça em pedra e deve vencer em Portugal

Akanji cabeceia entre Azpilicueta e Pau Torres e abre o placar em La Romareda. / Reuters

Liga das Nações

La Roja, mole na defesa e inoperante no ataque, não esteve à altura do ambiente excepcional em Saragoça e caiu para a Suíça, gerando dúvidas

José Manuel Andrés

Uma noite que foi festa nas arquibancadas do La Romareda virou na grama em um episódio para esquecer. A Espanha perdeu para a Suíça em casa pela primeira vez em sua história e cedeu a liderança da Liga das Nações para Portugal. Nada de demasiado grave e que não se resolva com uma vitória em terras portuguesas, mas levou a conclusões preocupantes com o Mundial à vista. Havia muita fraqueza defensiva e falta de profundidade e precisão na circulação. A reação veio tarde depois de um primeiro tempo ser esquecido, um dos piores que a equipe de Luis Enrique pode lembrar, incapaz de superar seu rival pela circulação da bola devido à sua imprecisão e fisicamente sobrecarregado.

E que o duelo foi precedido por uma grande atmosfera, típica de um grande jogo em Zaragoza, que não recebia uma partida pela seleção espanhola desde 2003. O onze não funcionou desde o início com os seis jogadores do Barça na convocação e o surpresa de Asensio como um falso ‘9’, prova cabal da confiança que Luis Enrique deposita nas Baleares apesar de sua falta de continuidade no Real Madrid de Ancelotti. O jogador branco nem foi visto nos primeiros 45 minutos, embora um detalhe seu acabou sendo importante após o intervalo.

A Espanha foi armada com paciência desde o início para, fiel ao seu estilo, corroer a muralha suíça pela circulação da bola. Um roteiro semelhante aos episódios anteriores nesses duelos sempre tão equilibrados. Luis Enrique já havia avisado no anterior. Enfrente um bloco sólido, uma verdadeira pedra, com duas linhas de quatro e cinco homens na fase defensiva e Embolo como verso livre.

1
Espanha

Unai Simón, Azpilicueta (Soler, min. 87), Eric García, Pau Torres, Jordi Alba, Gavi, Busquets, Pedri (Marcos Llorente, min. 70), Ferran Torres (Yéremy Pino, min. 63), Asensio (Borja Iglesias) , min. 63) e Sarabia (Nico Williams, min. 63).

dois
suíço

Sommer, Widmer, Akanji, Elvedi, Ricardo Rodríguez (Steffen, min. 46), Freuler, Xhaka, Sow (Zakaria, min. 68), Shaqiri (Ndoye, min. 68), Vargas (Aebischer, min. 79) e Embolo (Seferovic, min. 86).

  • Metas:
    0-1: min. 21, Akanji. 1-1: min. 55, Jordi Alba. 1-2: min. 59, êmbolo.

  • Juiz:
    Clement Turpin (França). Ele reservou o suíço Akankji.

  • Incidentes:
    Partida da quinta jornada do grupo B da Liga das Nações disputada em La Romareda (Zaragoza) diante de 31.188 espectadores.

Além do toque de bola pelo centro, às vezes estéril contra rivais muito retraídos, a Espanha logo entendeu que tinha que aproveitar a profundidade nas alas de Ferran ou Sarabia ou as adições ao ataque de Jordi Alba. Outra coisa é que ele executou corretamente. A seleção nacional respirava tranquilamente com o domínio da partida, mas esse cimento da Suíça tem um elemento difícil de decifrar na área de gancho: Shaqiri. O jogador de origem kosovar albanesa permitiu a Embolo um ótimo último passe, mas o atacante não foi rápido o suficiente para completar a inspiração de seu companheiro de equipe.

Luís Henrique:

A ação deu lugar a alguns bons minutos para a Suíça, que alertou com um cabeceamento alto de Sow, um chute de longe de Xhaka bloqueado por Unai Simón e, sobretudo, com um mano-a-mano de Embolo contra o goleiro do Athletic que ele interrompeu antes a ação foi anulada por impedimento. A verdade é que a Espanha ofereceu más sensações e essa paisagem geral foi transferida para o placar a partir de lances de bola parada. Akanji impôs seu físico exuberante para assinar o 0-1 com a cabeça e jogar água fria no excelente ambiente de La Romareda.

A Espanha precisava do tapa para colocar mais uma marcha em uma partida que definitivamente saiu do controle. Ele pareceu reagir com um chute mordido de Sarabia, o mais ativo dos espanhóis, mas a equipe de Luis Enrique não foi precisa, sem tato na entrada da área rival. Se já é difícil superar o quadro suíço, com o resultado contra a empresa já era muito complicado e exigia uma versão bem melhor.

Os minutos passaram e a verdade é que a Suíça acumulou mérito na forma de pontapés de canto. Cenário preocupante para uma Espanha decepcionante, inferior na aparência física, um tanto previsível, mas também incapaz de prevalecer do jogo posicional, não tão esperado. O desequilibrado Shaqiri colocou o epílogo numa primeira parte a esquecer, obrigando Unai Simón a alongar-se, e os de vermelho foram para o balneário com muito trabalho a fazer.

O intervalo devolveu a iniciativa à Espanha, que colocou a seleção suíça no seu próprio terreno com uma posse de bola um tanto estéril, sim. Era preciso desobstruir a reunião e foi aí que a qualidade entrou em jogo. Até então não havia sinal de Asensio, mas o canhoto do maiorquino apareceu no momento certo para conduzir e ceder a bola para a incorporação de Jordi Alba, que abriu a porta suíça para o deleite dos adeptos do Saragoça.

alegria fugaz

A parte mais complicada parecia feita, mas a alegria durou menos, até que Embolo aproveitou novamente a preocupante fraqueza da defesa espanhola para colocar a Suíça de volta na liderança. O segundo gol fora foi um verdadeiro golpe. A equipe espanhola desmoronou em alguns momentos, com mais dúvidas para trás e um erro de Unai Simón que o próprio goleiro acabou resolvendo na mesma linha.

Luis Enrique balançou a árvore e La Roja chamou a opção que lhe restava para evitar o naufrágio com 20 minutos de jogo pela frente. No palco, o físico Marcos Llorente, o ereto Yéremy Pino e os estreantes Nico Williams e Borja Iglesias. Uma proposta muito diferente da inicial que pelo menos deu à Espanha toda a verticalidade que lhe faltou durante grande parte da partida. Assim, em flashes, La Roja tentou conseguir o mal menor de um empate até o último minuto. Era um desejo e eu não posso. Sommer se tornou um pesadelo e negou um gol à Espanha várias vezes. A noite não foi de alegrias apesar da predisposição do público para que assim fosse.

O jogo começou torto e terminou do mesmo jeito. Agora, a Espanha continua a depender de si mesma na Liga das Nações, essa é a melhor notícia, mas é obrigada a vencer Portugal em Braga para passar à final four e, o que é pior, mancha o caderno e gera sérias dúvidas em a preparação para a Copa do Mundo no Catar, a nomeação que realmente todos estão pendentes.

Cedric Schmidt

"Amante de café irritantemente humilde. Especialista em comida. Encrenqueiro apaixonado. Especialista em álcool do mal."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *