Espanha – Suíça: Uma vitória e nada mais | Esportes

Um jogo em Genebra serviu de alívio para a Espanha, que cantou sua primeira vitória nesta Liga das Nações. Ninguém vai jogar confete. E, menos ainda, haverá quem o rebobine. Um encontro sosaina e um instante para vencer. Um gol de Sarabia e ponto final. Primeiro contra uma Suíça instável e depois contra uma Suíça com mais espírito do que futebol. Como sempre, o Vermelho teve alguns abalos no perímetro de Unai Simón. Como sempre, ele quase não deixou avisos na porta de Sommer. Outra Espanha sem graça. puro em branco,

0

Sommer, Eray Cömert, Widmer, Ricardo Rodríguez (Djibril Sow, min. 88), Manuel Akanji (F. Frei, min. 78), Freuler, Xhaka, Michel Aebischer (Noah Okafor, min. 63), Shaqiri (Seferovic, min. . 79), Embolo e Zuber (Renato Steffen, min. 62)

1

Espanha

Unai Simón, Alba, Azpilicueta, Llorente, Pau Torres, Marcos Llorente (Carlos Soler, min. 79), Gavi (Koke, min. 72), Busquets, Ferrán Torres, Sarabia (Dani Olmo, min. 62) e Morata (Marco Asensio, minuto 72)

metas 0-1 min. 12: Sarabia.

Cartões amarelos Shaqiri (min. 58), Manuel Akanji (min. 66), Seferovic (min. 88) e Djibril Sow (min. 91)

Um piscar de Sarabia, os mil sapateiros de Gavi e os bretes de Unai Simón com os pés… Curioso. Na equipa de Luis Enrique, na primeira secção ninguém deixou mais vestígios do que os três citados, precisamente os únicos que tiveram um carreto como titular nesta edição da Liga das Nações. Com exceção de fogos de artifício inesperados, a Espanha, como esperado, disputará o primeiro lugar – o único caminho para a fase final – com Portugal, vencedor esta quinta-feira frente à República Checa (2-0). Cinco pontos contam a Espanha, sete os portugueses.

Em Genebra, o Vermelho foi um pouco corrigido na defesa. A seleção fumegante de Murat Yakin contribuiu muito. Na primeira vez, uma múmia. Nada a ver com a Suíça que forçou penalidades com a Espanha nas quartas de final da Eurocopa há um ano. Nem mesmo com a Suíça já com vaga no Catar.

Diante de uma Suíça sem chicha e contemplativa, um gancho bastou para a Espanha no primeiro ato e na tarde de primavera de Diego Llorente e Pau até o segundo tempo. Nada a ver com a Espanha em ruínas de Praga, então zumbi contra o time tcheco pedestre. Não havia ativismo na Suíça, então os zagueiros espanhóis, afetados no dia anterior pela preguiça geral, não apenas do parcialmente censurado Eric García, passaram uma noite bastante calma. Apenas alguns alertas devido aos transes arriscados assumidos por Unai Simón, goleiro titular óbvio de Luis Enrique, que exige os pés de um violinista. Hoje, os goleiros não vencem apenas seus adversários pela mão. Sem lubrificante nas botas são como párias. A coisa sobre os goleiros é um sinvivir. Eles sempre foram considerados loucos, mas não falta sanidade para sentir uma conspiração permanente.

Assim como Unai, outro destaque para Luis Enrique é Marcos Llorente. No rancho do Servette, meio-campista, posição que o projeta melhor do que a de lateral. Ele tem turbinas para gêmeos e quando ele entra em fúria ele pode ser devastador. O jogo ainda estava pesado quando Ferran roubou uma bola, Marcos tinha mais osso do que o jogador valenciano Cömert e sua assistência delineada foi embalada por Sarabia para a rede. Llorente não tem coragem, mas em campo aberto ele é um comboio por si só. Busquets não carecia de parceiros de javali. Llorente, claro, e, claro, Gavi. Aos 17 anos, o sevilhano é tão solto que até brinca com seus cadarços ao vento. Sem condições. Gavi para tocar; Gavi para lutar. Não há campo minado do qual fugir, muito pelo contrário. Ele está de olho na bola e morde sem ela. Ele bate em Lusos, Checos, Suíços… Gavi não tem consideração por ninguém.

Alterações sem efeito

O tempo todo foi necessário esperar que a Suíça mostrasse alguma mandíbula. Um chocalho após os choques contra a República Checa (2-1) e Portugal (4-0). Nada de extraordinário, mas ele teve um pouco mais de pulso após o intervalo, que foi alcançado sem mais passos na frente dos gols do que o bingo de Sarabia e uma cabeçada malfeita de Embolo. O atacante do Borussia Mönchengladbach também não teve sucesso quando Unai se amarrou fora da área perto do final. O tiro do atacante local não foi picante.

A outra saída da Suíça não alterou muito o curso da festa. Para Espanha, onde, como sempre, o grupo se destaca acima dos solistas, limitou-se a uma tarefa de vestir. Ele não deu por mais. Faltou chegada, como sempre, mas desta vez terminou melhor, embora não haja partida em que não conceda um chute que possa ser terminal.

Neste Red não há grandes quebras, então em geral ele sincroniza mais ou menos o mesmo, para melhor ou para pior, com um ou outro. As mudanças ordenadas por Luis Enrique não surtiram muito efeito. Koke encerrou Busquets; Soler, outra chegada, assumiu o comando da pista de Llorente, e Asensio e Dani Olmo esvoaçaram sem mais delongas nos setores de Sarabia e Morata – com as costas bem. Com o mesmo passo, sem grandiloquência ou grande estridência, a equipe visitante fechou a vitória com angústia final devido a um chute de Sow que levou a um escanteio que o árbitro não permitiu, na pressa de baixar a cortina. Como todos os espanhóis.

Um triunfo terapêutico para o Vermelho. Nunca dói. Não são tempos para Versalhes, nem há muito pesqueiro para isso.

Você pode acompanhar o EL PAÍS Sports em Facebook S Twitterou cadastre-se aqui para receber nosso boletim semanal.

Calvin Clayton

"Encrenqueiro incurável. Explorador. Estudante. Especialista profissional em álcool. Geek da Internet."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.