Espanha relaxa combate à corrupção empresarial




Espanhajuntamente com outros países europeus como Itália, Portugal ou Suécia, regrediu nos últimos dois anos no combate à corrupção em suas empresas quando operam no exterior, em um contexto global de menor controle governamental para evitar essas práticas.

De acordo com o relatório Exportando Corrupção 2022 da ONG Transparência Internacional (TI), os 47 maiores países exportadores do mundo registraram “declínio contínuo” na luta contra a corrupção das multinacionais.

As ações fraudulentas incluem pagamento de propina fora de suas fronteiras, uma prática em ascensão, segundo a ONG. Enquanto em 2018 27% dos países estudados aplicaram ativamente a convenção anticorrupção da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), entre 2020 e 2022 esse percentual caiu de 16,5 para 11,8%.

Os EUA e a Suíça estão lutando ativamente

Nos dias de hoje apenas dois dos 47 países analisados ​​permanecem na categoria de implementação ativa da convenção da OCDE, nascida há 25 anos. É sobre Estados Unidos e suíçoque, no entanto, são os últimos em transparência financeira.

Sete países, responsáveis ​​por 16,9% das exportações globais, fazem parte da categoria de “implementação moderada” e 18, que correspondem a 15,5% das exportações, eles aplicam a convenção de forma “limitada” (Espanha está neste grupo).

TI destaca que 55% das exportações global vem de países que não combatem a corrupção de suas empresas multinacionais ou que mal o fazem, inclusive China, o maior exportador do mundo, que não é signatário da convenção da OCDE e não possui legislação contra suborno estrangeiro. Neste grupo também estão Japão, Índia, México ou Rússia.

Apenas Peru e Letônia melhoram

Nos últimos dois anos, duas nações, Peru -para “limitado”- e Letônia -para “moderado”-um progresso que é “encorajador” para VOCÊ e mostra o caminho a seguir.

Um quadro sombrio prevalece na Europa e em alguns países como Espanha, Itália, Portugal e Suécia, houve até um “abandono brutal”. Desde o último relatório, eles passaram da categoria de “implementação moderada” para “implementação limitada”, enquanto outros membros da União Européia, incluindo Bélgica, Dinamarca, Finlândia e Luxemburgopermanecer na categoria “aplicativo inexistente“.

Falta de recursos e vontade política

“Os governos hoje enfrentam muitos desafios, desde o aumento da cleptocracia até desastres climáticos e caos econômico”, disse a presidente da TI, Delia Ferrera, segundo um comunicado. No entanto, não deve perder de vista as redes transnacionais de corrupçãoque exacerbam essas ameaças e bloqueiam possíveis soluções ao infringir leis, dispensar concorrentes e absorver recursos do erário público.

Entre os motivos desse retrocesso no combate à corrupção, a ONG aponta que em quase todos os países avaliados, as autoridades policiais e de repressão aos crimes econômicos e financeiros faltam os recursos necessários.

Apesar do impacto da pandemia em todas as áreas, incluindo o combate à corrupção, a TI destaca que a queda registada no seu relatório começou a ser notada mais cedo e reflete antes “uma profunda falta de vontade política“.

Indenizar as vítimas

A ONG destaca ainda que a maioria dos grandes exportadores do mundo não tem nenhum tipo de programa de proteção para quem denuncia crimes de corrupção internacional. Na seção de recomendações, a TI sugere que os governos reforcem os pontos fracos em suas respectivas legislações e sistemas de implementação.

Também os encoraja a garantir a transparência da informação relacionados com a luta contra este tipo de corrupção, por exemplo com a criação de uma base de dados pública de casos, e insta-os a introduzir a prática de compensar as vítimas desses crimes.

“É hora de reconhecer os direitos das vítimas e desenvolver mecanismos transparentes e responsáveis ​​para compensar os prejudicados, incluindo estados estrangeiros, empresas concorrentes e Populações inteiras prejudicadas por subornos estrangeiros“, enfatiza Gillian Dell, principal autora do relatório.

Calvin Clayton

"Encrenqueiro incurável. Explorador. Estudante. Especialista profissional em álcool. Geek da Internet."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *