Espanha pede mais

o Seleção espanhola Ele treinou na Ciudad del Fútbol de Las Rozas após o revés contra a Suíça e antes de viajar para Portugal, onde o passe para a Final Four será disputado pela segunda edição consecutiva. A Espanha não perdia em casa desde 15 de outubro de 2018, quando a Inglaterra venceu por 2 a 3 no Benito Villamarín. Quatro anos depois, os encarnados também voltaram a perder pelo mínimo (1-2), desta vez às portas de um Mundial. Uma derrota que obriga a seleção espanhola a conseguir mais um feito para estar na fase final e isso significa um bom aviso a dois meses do Mundial.

Os de Luís Henrique faltou contundência especialmente nas áreas onde as partes são decididas. E pólvora acima. O técnico ainda busca a fórmula ideal no ataque. Em La Romareda experimentou Marco Asensio como referência, mas o jogador do Real Madrid não aproveitou a oportunidade. Nem Ferran Torres, que passou seis jogos consecutivos sem marcar com a seleção, nem Pablo Sarabia, um jogador de futebol que está acostumado a se defender com a Espanha, mas que esmoreceu, também não estavam bem. Embora não pudessem ser culpados pelo trabalho intenso –e inegociável para Luis Enrique-, os três acusaram a falta de ritmo em suas respectivas equipes e falta de frescor nos metros finais. A entrada de Yeremy, Borja e Nico Williams melhorou a equipe no segundo tempo, também contra um rival já mais desgastado.

Nem os meio-campistas tiveram sua noite. Pela primeira vez Luís Henrique escolheu o tridente Barcelona: Busquets, Pedri e Gavi, que muitas vezes foram pegos na web desenhada por Murat Yakin. Muitas imprecisões, como o próprio treinador apontou, e um rival muito físico com alta pressão que às vezes abafava o Red.

Defensivamente, será hora de focar no tabuleiro. Os dois gols sofridos suíço Eles foram para definir peças. O primeiro foi um bom escanteio de Vargas e com um chute inapelável de kanjique estreou como artilheiro com a Suíça depois de vencer Pau e Azpilicueta. Lá o treinador não viu rachaduras na defesa, mais mérito do rival, mas no segundo gol disse que poderia ser melhorado e ainda mais quando tinha acabado de conseguir o empate. Além disso, a Espanha provou ser uma equipe muito frágil, como no slalom Shaqiri antes do intervalo, dada a passividade coletiva da equipe espanhola e que acabou sendo salva por Unai Simón. Ou no segundo tempo, em um erro do próprio goleiro, que ele mesmo acabou remediando porque sua defesa também não conseguiu afastar o perigo.

Consciente da façanha

O cenário atual é semelhante ao que a Espanha viveu há dois anos, quando alcançou sua primeira classificação para uma Final Four da Liga das Nações. aqueles de Luís Henrique a classificação foi complicada depois de perder com a Ucrânia (1-0) e empatar com a Suíça (1-1). Eles foram forçados a vencer a Alemanha em La Cartuja e a resposta dos homens de Lucho foi espetacular. Vitória histórica, por 6 a 0, com hat-trick de Ferran Torres e gols de Morata, Rodri e Oyarzabal.

Com Nico e Borgia

Mais de 30 estreantes com Luis Enrique

Borja Iglesias e Nico Williams foram os últimos a estrear sob o comando de Luis Enrique Martínez. O treinador já deu a oportunidade a 31 jogadores desde que assumiu o cargo. Além dos dois que estrearam em La Romareda, eles também foram internacionais sob Lucho: Gayà, Fabián Ruiz, Canales, Hermoso, Pau López, Ceballos, Otto, Brais Méndez, Jaime Mata, Ansu, Ferran Torres, Eric Garcia, Unai Simón, Marcos Llorente, Reguilón, Mikel Merino, Adama, Óscar Rodríguez, Campaña, Pedro Porro, Pedri, Bryan Gil, Laporte, Carlos Soler, Robert Sánchez, Gavi, Yeremy, RDT e Raya.

leia também

Cedric Schmidt

"Amante de café irritantemente humilde. Especialista em comida. Encrenqueiro apaixonado. Especialista em álcool do mal."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *