Espanha mantém o Midcat como prioridade porque é o gasoduto mais simples e rápido

  • Sánchez viaja esta terça-feira à Alemanha, a convite de Scholz, que está focado em pressionar a França para a construção do gasoduto ibérico

  • O Governo vê o MidCat como a opção mais viável apesar de o presidente ter dado o folego à ligação submarina com a Itália

  • Chefe do Executivo participa de reunião do Executivo alemão em que será discutida a estratégia de Berlim sobre segurança nacional

O Governo não desiste dos seus esforços para que a França desbloqueie a construção de um gasoduto pelos Pirenéus, o MidCat, embora também esteja em cima da mesa a alternativa submarina para ligar a Península Ibérica ao resto da Europa através de Itália. Eobjetivo principal é convencer Emmanuel Macron e Espanha, Portugal e Alemanha estão a trabalhar nisso em conjunto, considerando, segundo fontes do Executivo espanhol, que este projecto faz parte da resposta europeia à guerra na Ucrânia, “uma reacção quase mais política do que técnica” e uma nova amostra consenso na UE para desenvolver “novas políticas energéticas”.

o A pressão alemã sobre a França é constante há meses. Em março passado, o embaixador alemão em Espanha, Wolfang Dold, já manifestou publicamente o seu apoio à retoma do gasoduto transfronteiriço Midcat e disse que estão “a falar com França e Espanha sobre este assunto”. E no início de agosto, o próprio chanceler, Olaf Scholz, optou por ele como alternativa ao Corrente Norte 1 –que continua em operação, mas com a ameaça russa de um corte de abastecimento neste inverno– e Nord Stream 2, o segundo dos gasodutos que ligam a Alemanha e a Rússia, que ainda nem começou a funcionar após a invasão. Mas a França continua a bloqueá-lo, apesar do fato de que se beneficiaria com a chegada do gás e que sua construção ajudaria toda a Europa a substituir a dependência energética de Vladimir Putin.

O Presidente do Governo desloca-se terça-feira à Alemanha, a convite de Scholz, para participar numa sessão extraordinária do seu Conselho de Ministros, convocado para acordar uma estratégia de segurança nacional. Uma novidade na política alemã, decorrente do acordo de coalizão. O social-democrata Scholz preside um Executivo no qual, junto com o SPD e os Verdes, os liberais do FDP fazem parte do governo. Não está confirmado que o MidCat será necessariamente abordado nesta reunião com o chanceler e os ministros, mas também não está descartado porque a invasão russa da Ucrânia abriu uma crise energética na UE devido à necessidade de alguns países da UE, especialmente a Alemanha, mas também a Itália, do gás russo. Em qualquer caso, é um assunto que pode ser abordado na aparição posterior.

PRESSÃO NA FRANÇA

Quer haja progresso ou não, a harmonia entre a Alemanha e a Espanha nesta questão é inquestionável. Na passada sexta-feira, o porta-voz do governo alemão, Steffen Hebestreit, repetiu-o, salientando que “há um grande consenso por parte de Portugal, Espanha e também da parte alemã de que seria sensato criar tal ligação”. “Os desejos de espanhóis, alemães e portugueses são muito semelhantes”ele sublinhou.

Durante uma aparição em Bogotá, Pedro Sánchez deu asas pela primeira vez ao gasoduto submarino com a Itália, que ambos os países já estudam, devido à relutância da França em MidCat. “Se o plano A não der certo, o plano B terá que ser encontrado”, alertou. “Se não pode ser feito pela França, há uma alternativa que é a Itália. Transfiro a determinação da Espanha de fazer esta interligação & rdquor;.

“O LÓGICO SERIA IR PARA O MAIS FÁCIL”

Mas, apesar do alerta de Sánchez, a conexão italiana não é prioridade do governo. Apenas uma segunda opção que você não gostaria de alcançar. Porque o que é rápido e fácil, e o que a Alemanha pede, é o MidCat. A Terceira Vice-Presidente e Ministra da Transição Ecológica, Teresa Ribera, deixou muito claro na semana passada. o alternativa “mais fácil” seria a interligação com a França contra a opção italiana, que, segundo ele, “é uma obra de engenharia mais complicada”. “O lógico é ir ao mais fácil, ao que pode estar operacional para o outono ou inverno de 2023-2024”, defendeu. Este é o prazo estimado pela Espanha para sua construção, embora o governo gaulês não o compartilhe.

Nos últimos dias, todos os pronunciamentos do Executivo foram na mesma direção. O ministro da Presidência, Félix Bolaños, que se reuniu quarta-feira em Paris com o seu homólogo francês, apelou também à procura de soluções “que possam ser implementadas no menor tempo possível”. A pressão sobre a França persiste, com a ajuda alemã, e a dúvida se nesta terça-feira Schloz e Sánchez vão insistir no MidCat novamente. Somente a convicção absoluta de que Macron não cederá – algo que ainda não foi considerado – poderia levar a Espanha a promover a conexão submarina com a Itália.

Notícias relacionadas

Calvin Clayton

"Encrenqueiro incurável. Explorador. Estudante. Especialista profissional em álcool. Geek da Internet."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.