Espanha e Portugal empataram 1-1 no início do Grupo B da UEFA Nations League

Espanha S Portugal Eles começaram nesta quinta-feira sua caminhada pela Liga das Nações da UEFA com um empate 1-1 que marcou o placar no estádio Benito Villamarín, em Sevilha, onde o resultado deixou a seleção portuguesa mais feliz, que viu como saiu o empate na reta final da partida após o 1-0 que colocaram no primeiro parte Álvaro Morata.

A La Roja, depois desse 1-0, não soube ampliar a vantagem e dedicou-se mais a controlar a situação frente a um rival que não se preocupou muito mas que teve a perseverança de tentar até Ricardo Horta encontrar a recompensa.

Agora os comandados de Luis Enrique terão seu próximo encontro no domingo em Praga contra a República Tcheca, enquanto os comandados de Fernando Santos se enfrentarão em casa contra a Suíça no segundo dia do torneio e com tudo ainda a ser decidido.

Concentrou no estádio do Bétis as duas equipas que estão nas previsões como favoritas a disputar a passagem à próxima fase da terceira edição do torneio, depois de os portugueses terem vencido na primeira e que na seguinte os hispânicos foram vice-campeões- acima

Luis Enrique não contou com três jogadores para esta partida que inicialmente chamou para a convocação, Aymeric Laporte, Eric García e Thiago Alcántara, todos com várias doenças.

Na defesa utilizou desde o início o defesa-central do Leeds Diego Llorente, que foi quem substituiu Laporte na convocatória, e também o lateral do Chelsea César Azpilicueta, enquanto o madridista Dani Carvajal, que chegou depois de ser campeão da Liga dos Campeões no passado sábado , ele esperou sua oportunidade no banco.

No meio-campo optou pelo jovem jogador do Barcelona Gavi com o atlético Koke Resurrection à espera de uma oportunidade, e o avançado voltou a ser comandado por Álvaro Morata escoltado por Ferrán Torres e Pablo Sarabia.

Mais surpreendente foi a decisão do treinador português Fernando Santos, que deixou o grande craque português, o ponta-de-lança Cristiano Ronaldo, do onze titular, e voltou também a escolher, como em recentes nomeações, o jogador portuense Diogo Costa para o golo ao detrimento de Rui Patrício, que na última década teve hegemonia no gol.

Fernando Santos já alertava no dia anterior que uma das virtudes do seu rival não era só a capacidade de ter a bola, mas também saber recuperá-la, e essa luta foi levantada desde o início com o trabalho de jogadores como Bruno Fernandes, João Moutinho ou Octavio Monteiro.

Antes deles, o capitão dos locais, Sergio Busquets, tentou se desdobrar no trabalho, mas a Espanha teve dificuldade em encontrar os homens de cima e seus rivais não se intimidaram em procurar o gol de Unai Simón, como fizeram após o primeiro quarto de hora Rafael Leão com um chute alto.

Esse início ofensivo dos visitantes fez com que Gavi, um dos mais ativos de sua equipe, recuperasse uma bola para montar um rápido contra-ataque com um passe profundo que chegou a Pablo Sarabia para ele dar a Morata, que definiu bem.

O golo, que saiu antes de decorrida meia hora, mudou o rumo do jogo porque obrigou Portugal a avançar metros na sua pressão para tentar não deixar o adversário tonto com o movimento da bola.

Carlos Soler, pouco depois do golo, encontrou Diogo Costa para evitar o segundo, mas a réplica dos recursos de Portugal foi ensinada pelo ex-jogador do Sevilha André Silva, agora no alemão Leipzig, que falhou a bola demasiado cruzada.

Com essas alternativas, o jogo foi para o descanso e também com a impressão de que ainda havia muito a ser disputado entre duas equipes que perceberam que não vinham cobrir o arquivo e querendo dizer coisas no final da temporada apertada.

Portugal saiu no segundo tempo com a intenção de jogar um jogo mais direto e agora a Espanha teve que mostrar seus recursos defensivos, como Unai Simón mostrou um quarto de hora após o reinício em uma ação clara novamente por Rafael Leão.

Pouco depois entraram em campo Cristiano Ronaldo e o valenciano Gonçalo Guedes para que a potência do ataque fosse maior na última meia hora, ao que Luis Enrique respondeu com a presença em campo de Koke e Dani Olmo.

Estas mudanças de peças pareceram mais adequadas à Espanha, que, sem dominar, controlou a situação e deixou os minutos passarem sem grandes acontecimentos, mas aos 82 minutos desta ocasião o contra-ataque veio do lado português e Ricardo concluiu com muita facilidade Horta, que tinha saído de campo pouco antes.

Lá La Roja teve que mudar sua dinâmica e pressionou novamente por aquele salvador tanto que lhe deu a vitória, que ele teve em uma cabeçada de Jordi Alba aos 87 minutos, mas pouco mais.

Ficha de dados:

Espanha: Unai Simon; Azpilicueta, Diego Llorente, Pau Torres, Jordi Alba; Busquets, Gavi (Marcos Llorente, m.81), Carlos Soler (Koke, m.63); Pablo Sarabia, Ferrán Torres (Dani Olmo, m.63) e Álvaro Morata (Raúl de Tomás, m.70).

Portugal: Diogo Costa; João Cancelo, Pepe, Danilo, Guerreiro; Bruno Fernandes (Matheus Nunes, m.82), João Moutinho (Rubén Neves, m.46), Otávio (Cristiano Ronaldo, m.62); Rafael Leão (Ricardo Horta, m.72), André Silva (Gonçalo Guedes, m.62) e Bernardo Silva.

ANTERIOR

A lenda Cristiano Ronaldo e um Portugal que sofreu o indizível para selar o passaporte para o Mundial do Qatar 2022, é a primeira revisão da terceira tentativa da equipa espanhola de Luis Enrique Martínez de conquistar a UEFA Nations League, torneio que tocou na última edição antes de cair contra a França na final, no esperado retorno de Ansu Fati ao Red com todos os tipos de precauções. ACOMPANHE O PONTO AO VIVO AQUI.

Luis Enrique não vai forçar ou correr riscos desnecessários com um jogador que não é titular no Barcelona desde o início de novembro, que superou a pior sequência de lesões e que, depois de se tornar a jovem pérola da equipe principal ao estrear com apenas 17 anos e 308 dias, são quase 20 meses sem poder jogar pela seleção.

As lesões no joelho pararam com força a irrupção de Ansu, que deliberadamente derrubou todas as portas e encontrou o caminho para o talento que Luis Enrique deu. Aspira a ter minutos contra Portugal mas, acima de tudo, absorve o ambiente da selecção nacional antes do Mundial do Qatar onde, se as lesões finalmente o respeitarem, terá um papel de liderança ao lado de Pedri. Os jovens talentos que fazem a Espanha sonhar em ganhar sua segunda Copa do Mundo.

Pedri não estará nos quatro primeiros jogos da terceira edição da Liga das Nações, devido a lesão, e Luis Enrique vai falhar a sua classe ao leme do jogo da sua equipa. Ele vai buscar soluções, novos testes como a volta de Marco Asensio e outros que não podem ser executados, como a volta de Thiago Alcántara. Ausente desde o Campeonato da Europa, o crescimento no Liverpool fez com que fosse convocado, mas uma lesão muscular prematura depois de jogar a final dos ‘Campeões’ com muita força, afasta-o dos jogos.

A Espanha defronta Portugal em Sevilha, antes do duplo confronto com a República Checa e da visita à Suíça no arranque de uma competição que deixou um grande gosto na boca na sua última edição. Em sua primeira classificação para a fase final disputada em Milão, eles derrotaram a campeã europeia, a Itália, nas semifinais e tiveram a campeã mundial, a França, nas cordas na final.

Ele só cedeu ao poder de Kylian Mbappé, a nova referência do futebol mundial. E sua terceira tentativa começa contra outro que marcou mais de uma década com seus gols, Cristiano Ronaldo, e que estende o fim de sua carreira aos 37 anos, já longe de prêmios individuais, mas mantendo o nariz de artilheiro. Ele colocará à prova uma defesa em que sua última referência, Aymeric Laporte, está ausente e Íñigo Martínez retorna. Ele pretende começar devido à amigdalite com a qual Eric García se juntou à concentração.

Sergio Busquets, a quem Luis Enrique procura um companheiro entre a frieza física de Gavi ou a experiência tática de Koke, volta ao comando da seleção após ter se ausentado para descanso nos últimos jogos. Lá em cima vai continuar a testar com Ferran Torres como o melhor marcador da sua dupla fase, tentando fazer com que Álvaro Morata contribua com mais golos, com Raúl de Tomás à espreita a repetir a chamada e Pablo Sarabia à frente de Asensio no seu regresso com o desejo de brilhar.

Portugal chega à Liga das Nações querendo fazer uma ficha limpa, depois de estar perto de ficar de fora da Copa do Mundo de 2022, que só alcançou através dos playoffs. A classificação para a Copa do Mundo foi uma lufada de ar fresco para o questionado Fernando Santos, que deixa claro o ponto forte da Espanha: não é a posse de bola, mas a capacidade de recuperá-la.

“Ninguém pode ter a bola se não a recuperar”, lembrou o treinador na conferência de imprensa pré-jogo, onde, no entanto, defendeu que “o futebol não é um jogo de posse de bola, é um jogo de golos”.

Para esta jornada da Liga das Nações, optou pela experiência de alguns dos jogadores que levaram Portugal à conquista do Europeu de 2016 em França, mas também por jovens como Nuno Mendes ou Rafael Leão.

O líder e capitão ainda é Cristiano, que aos 37 anos chega querendo mostrar que ainda é um jogador decisivo depois de uma temporada no Manchester United que não atendeu às suas expectativas, e quando já se fala que o Qatar 2022 será seu adeus com a seleção. Uma das principais dúvidas do onze titular português está na baliza. A hegemonia que Rui Patrício teve ao longo da última década encontrou agora um rival, Diogo Costa, um dos principais jogadores do campeonato conquistado pelo Porto.

O Santos já optou por Diogo Costa nas duas partidas do play-off para o Mundial, então não seria surpresa se ele fosse escolhido novamente. Na defesa, espera-se um misto de experiência e juventude, com a presença de Pepe e Nuno Mendes, que aos 19 anos brilhou ao serviço do Paris Saint-Germain e foi incluído no onze melhores da Liga francesa.

William Carvalho, respaldado pela boa temporada no Bétis, e João Moutinho, apontam para o meio-campo. Bruno Fernandes e Bernardo Silva são também assíduos, a quem se pode juntar Rafael Leão, eleito o melhor jogador da temporada na Serie A pelas atuações no Milan. O mais avançado será Cristiano, normalmente acompanhado por Diogo Jota, mas o jogador do Liverpool entrou hoje nos treinos depois de ter disputado a final da Liga dos Campeões, pelo que não se prevê que seja titular frente à Espanha.

Prováveis ​​escalações:

Espanha: Unai Simon; Carvajal, Pau Torres, Íñigo Martínez, Jordi Alba; Busquets, Gavi ou Koke, Carlos Soler; Pablo Sarabia, Ferran Torres e Álvaro Morata.

Portugal: Diogo Costa; João Cancelo, Pepe, Danilo, Nuno Mendes; William Carvalho, João Moutinho; Bernardo Silva, Bruno Fernandes, Rafael Leão; Cristiano Ronaldo.

  • Árbitro: Michael Oliver (ING)
  • Estádio: Benito Villamarin.
  • Hora: 13:45 hora do Peru (18:45 GMT). EFE

Elite Boss

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.